17/08/2018 - 20:30

Programe-se: agenda para o fim de semana

A maioria das pessoas comemora o “sextou” mesmo é na Internet, porque, na vida real, elas só querem um cobertor, muito carboidrato e série na telinha.

Fernanda Montenegro vai ter um fim de semana agitadíssimo, e você pode participar dele. Nesta sexta-feira (17/08), ela lança a fotobiografia “Fernanda Montenegro: itinerário fotobiográfico”, no Sesc-Copacabana, seguido de leitura comentada de alguns trechos da publicação sobre momentos da carreira. No sábado e domingo (18 e 19/08), ela estreia sessões duplas do monólogo “Nelson Rodrigues por ele mesmo”, no mesmo Sesc. Isso tudo, prestes a completar 90 anos, e você aí, com preguiça de começar alguma coisa! 

E o Rio Gastronomia já está a toda no Píer Mauá com chefs gostosos, aulas, food-trucks, feiras. Vamos comer, minha gente! E nada de contar calorias; depois, você gasta todas – nada que uma noite de sexo mais, digamos, selvagem, não resolva.

Tá sem programa com as crianças? Seus problemas acabaram: acontece a Festa Agostina, na Hípica, Lagoa, neste domingo (19/08), com música, comidas típicas, barraquinhas de pescaria, argolas, churros, touro mecânico  e bingo. Tem também a Prova de Pôneis, no picadeiro coberto, para crianças de 2 a 12 anos, a partir das 9h.

Os fãs do futebol estão arrasados com a ausência de Gabriel Jesus na primeira convocação da Seleção Brasileira, depois da eliminação na Copa do Mundo na Rússia, em jogo contra os Estados Unidos no dia 7 de setembro. Tite mandou, até, um recado ao craque: “Que ele fique em paz”. Enquanto isso, Ludmilla, apontada como a nova namorada do jogador, continua cantando: “Já vou logo avisando que eu não tenho namorado/Din din din, pode dar em cima de mim/ Tá com ciúme, tá com ciúme? Pega na mão e assume.”

Quer fazer como o Lulu Santos? Você pode dar o primeiro passo indo assistir ao doc de Dario Menezes: “Abrindo o armário”, em cartaz nos cinemas.

Ipanema vai estar em festa na Praça Nossa Senhora da Paz, neste sábado (18/08), tudo custo zero, com a segunda edição do Pici Jazz Festival. No palco, destaque para a gaúcha Lica Tito em seu tributo à Amy Winehouse.

Também temos sambinha dos bons. Dos produtores dos tradicionais Samba dos Guimarães, Samba e Feijoada da Casa Rosa, Sambinha do Corcovado, nasce mais uma roda na cidade, o Samba do Mercado, na Casa da Polônia, em Laranjeiras, neste domingo (19/08). “Em caso de chuva, o evento é adiado, mas já fizemos um acordo com São Pedro, e ele vai colaborar”, dizem os produtores.

Neste sábado (18/08), rola a festa “Match”, no Espaço Jeito Carioca, na Lapa, com adesivos do tinder para chegar no crush, distribuição de bala de menta e pirulitos.

E o coletivo Volume criou a festa “Toda Grandona” para sambar na cara da sociedade, com lançamento do rap “Plus Size”, no Espaço Rampa, em Botafogo (dentro do clube Guanabara). No som, pop, funk, axé, anos 2000 e muita diversão. “Aqui tem gordoridade, meu amor!”, diz o convite. O Volume combate a gordofobia “com muito fervo, militância e raba no chão”.   

Se quiser participar de um concurso fazendo fotos da cidade mais linda do mundo – você sabe qual -, clica aqui para ver como enviar aquela imagem incrível! 

Levanta esse astral, criatura. Tá difícil? Pense em Madonna, que acabou de chegar fazer sessentinha, namorando homens de 30, desfila por aí com aquele corpinho que Deus lhe deu, é mãe ativa de um batalhão e vive fazendo caridade.  É ou não é uma inspiração? 

Ou pode se espelhar no vigor de Glória Maria. Ela acaba de fazer aniversário – idade indefinida -, mas com vigor lá nas nuvens!

Associados pra ter livre entrada na finada Hippo, que fechou pegando todo mundo desprevenido, estão com o cartão que custou R$ 6 mil na mão sem saber o que fazer com ele. Esse povo fala, né? Claro que os sócios vão resolver, criatura! 

No domingão, mercúrio retrógrado dá um tempo das nossas vidas – momento espetacular pra começar qualquer coisa ou botar o pau na mesa -, seja para o que for! 

Ilustração: Edgar Moura

Enviado por: Lu Lacerda
17/08/2018 - 18:40

Getúlio Vargas: pijama do suicídio em exposição

 

Getúlio Vargas: pijama do ex-presidente estará exposto no Museu da República a partir do dia 21 de agosto /Foto> Divulgação

Aos aficionados por histórias políticas e curiosidades bizarras, a partir da próxima terça-feira (21/08), o pijama que Getúlio Vargas vestia na hora do suicídio estará em exposição no Museu da República. A roupa vai permanecer por três meses no mesmo quarto em que a morte aconteceu, com parte da mobília original no cenário. O paletó do pijama, um dos principais itens do museu, faz parte da coleção desde 24 de agosto de 1978, por doação de Alzira Vargas, filha de Getúlio e Darci Vargas. A peça ainda é marcada pelos vestígios de pólvora e o buraco na altura do peito, evidenciando o tiro fatal do ex-presidente. A bala do revólver que o matou também faz parte da exposição – que acontece todos os anos para lembrar o dia 24 de agosto de 1954, data da tragédia que chocou o País. Durante o ano, o pijama fica na Reserva Técnica do espaço para conservação.

Enviado por: Redação
17/08/2018 - 17:35

Prefeitura lança concurso sobre fotos do Rio

Rio Foto 2018: Prefeitura organiza concurso de fotos da capital fluminense para celebrar o Dia Mundial da Fotografia

No Dia Mundial da Fotografia, a ser comemorado neste domingo (19/08), a Prefeitura do Rio vai lançar um concurso para seus seguidores do Instagram – com pedido para publicar fotos que mostrem sua versão da cidade, sob a visão de cada um. As 16 fotos vencedoras vão fazer parte de uma exposição no Parque das Ruínas, em Santa Teresa. As imagens devem ser feitas por fotógrafos amadores com celulares e publicadas sob as hashtags PrefeituraRIO e RioFoto2018. O concurso vai até 31 de agosto e é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura e da Assessoria Técnica de Mídia Digital da Subsecretaria Municipal de Comunicação Governamental. Os vencedores, escolhidos pela Assessoria Técnica de Mídia Digital serão conhecidos no dia 6 de setembro.

Enviado por: Redação
17/08/2018 - 16:00

Pezão convida moradores de Piraí para chope – pedido de desculpas, depois de fake news

Pezão: o governador pegou carona com moradores de Piraí e foi alvo de “fake news” /Foto: Reprodução

Pezão tem programa certo neste sábado (18/08) em Piraí, interior do Rio. “Já convidei o Greidomar, o Anderson e o Nelson para tomarmos um chope no bar do Geraldo”, disse o governador ao site nesta sexta-feira (17/08).  Seria uma maneira de pedir desculpas aos trabalhadores, já que Pezão foi o mais recente alvo das “fake news” que assolam o mundo arbitrário da Internet, depois de uma mensagem e vídeo que mostrava o político de “carona com milicianos” (tudo falso), durante uma operação policial em Piraí, na última semana. O vídeo é verdadeiro, mas as informações, falsas: o governador não conhecia as pessoas e estava caminhando pela rua quando o carro parou para cumprimentá-lo e, em seguida, o levaram de carona ao bar do Geraldo.

Ao site, Pezão lamentou os transtornos causados: “São pessoas gentis e trabalhadoras que acabaram se tornando vítimas da irresponsabilidade de pessoas que criam e disseminam informações falsas. Quero pedir desculpas pelo problema que causei a eles; não foi com essa intenção. Esse é meu jeito de ser, sempre ando pelas ruas de Piraí, e todos me conhecem por lá”. E completa: “Quero deixar claro de como isso mostra o preconceito social e racial que existe ainda em alguns colegas da mídia e em algumas pessoas que fizeram maldade com esse vídeo e com essas pessoas. É difícil acreditar que um governador ande a pé pelas ruas e peça carona para ir a um bar.” 

Enviado por: Redação
17/08/2018 - 15:20

Dudu Curuja: nova festa – e festival – na noite carioca

Dudu Curuja: empresário investe na noite carioca com festa e festival no Cine Joia /Foto: Divulgação

Enquanto vários negócios fecham no Rio, o empresário Dudu Curuja (com u mesmo) pode ser o novo nome por trás de uma nova noite carioca. O investimento é alto (ele prefere não dizer o valor): dia 1º de setembro, acontece a festa Discothèque, no espaço ExC, no Jockey, na Lagoa, tendo Leticia Colin, a Rosa de “Segundo Sol”, como musa. O negócio, porém, vai começar a esquentar no fim de agosto, na semana da festa, com o lançamento do Festival Discotèque no Cine Joia, em Copacabana, com exibição de filmes e palestras de moda e comportamento sobre o tema. “Apostar na noite do Rio é uma coisa que tem algum risco, mas me identifiquei muito com esse projeto e acho que essa festa pode marcar época. A gente está cansado das mesmas coisas, Techno, funk etc. A volta do disco, com a megaprodução que vamos fazer, faz muito sentido”, diz Dudu.

Para o evento, ele chamou os DJs Zé Pedro, Jonas Rocha Amândio – quem viveu a noite na cidade, nos anos 80 e 90, sabe muito bem que esses nomes são praticamente ícones. Dudu também convidou Muti Randolph, um craque das artes visuais, para fazer a iluminação. “A ‘Era Disco’ está de novo em forte evidência, tanto no som como no visual. O mais importante da nossa festa é trazer de volta boa música e atitude. Estão acontecendo revivals do Studio 54 em Nova York e Miami. Vamos trazer essa energia de volta para o Rio também”, diz Zé Pedro.

Enviado por: Redação
17/08/2018 - 13:40

Sandro Barros na Loungerie Gallery: vaivém intenso

“Loungerie Gallery”: na primeira foto, Paula Barcellos, Bruno Astuto, Regina Martelli e Sandro Barros; na segunda, Juliana Barcellos e Glória Maria; na terceira, Sandro Barros com Marcia Verissimo e Marialice Celidônio; na quarta, Bebel Niemeyer, Paula Barcellos e Elza Pereira; na quinta, Sandro Barros e Paula Severiano Ribeiro e Bruno Astuto com Paula Barcellos; na sexta,  Paula e Jonas Barcellos; na sétima, Sandro ao lado do seu boneco em tamanho real /Fotos: Divulgação

Sandro Barros, nome muito conhecido entre os estilistas de noivas, é o mais novo convidado do projeto Loungerie Gallery, que foi apresentado ao público na quinta-feira (16/08), com um evento no terraço da loja Loungerie do Leblon. Paula Barcellos, dona da marca de lingeries, criou um boneco, em tamanho real do estilista, para atração de uma foto-cabine – todos adoraram. A data marcou o lançamento de vitrines assinadas pelo estilista, em todas as 56 lojas Loungerie do Brasil. Até 30 de setembro estão etiquetadas peças da linha bridal, escolhidas por Sandro. Flores da My Bloom, de Nicole Tamborindeguy (em dia inspirado), decoraram o ambiente, tendo o rosa, como cor oficial da marca, em todos os cantos. A cariocada baixou lá: foi um vaivém intenso. 

Enviado por: Redação
17/08/2018 - 12:50

Antonio Fagundes: reinando absoluto no coração dos cariocas

“Antonio Fagundes no palco da história: Um ator”: na primeira foto, Silvio de Abreu e Antonio Fagundes; na segunda, Antonio Fagundes, Cássia Kiss e Rosangela Patriota; na terceira, Mouhamed Harfouch e Eriberto Leão; na quarta, Marcos Caruso e o casal Dadá Coelho e Paulo Betti; na quinta, Lidiane Barbosa, Alexandra Martins, Tony Ramos e Fagundes /Fotos: AG.News

“Rei do Gago” é coisa do passado, mas Antonio Fagundes continua reinando absoluto no coração dos cariocas. A Argumento do Leblon ficou aquecida, nessa quinta-feira (16/08), com tanta gente para ganhar uma canetada do ator, que lançou “Antonio Fagundes no palco da história: Um ator”, escrito por Rosangela Patriota, que conta história dos 50 anos de carreira do ator de 69 anos, tendo as mudanças no Brasil como pano de fundo. Ele deu total liberdade à historiadora para usar e abusar da sua história:  “Na verdade, não é uma biografia; têm alguns dados biográficos, mas são menos do que uma análise da minha trajetória no teatro. Ela fala também de TV e cinema, contextualiza meu trabalho dentro da história do teatro brasileiro. A Rosângela é uma excelente historiadora da arte. Eu deixei ela terminar e falei ‘quando colocar o ponto final, manda para mim’. É muito bom”, disse ele. Sempre pontualíssimo, Fagundes chegou pouco antes das 19h e só parou de escrever dedicatórias quase às 22h, entre um papo e outro e reencontros com os amigos. Na última semana, ele repetiu praticamente as mesmas cenas em São Paulo. 

Enviado por: Redação
17/08/2018 - 11:30

Teatro, por Claudia Chaves: “A Vida não é um musical – O musical”

Contos de fadas são fascinantes ao contarem histórias que nos ensinam, desde muito cedo, a ver o mundo com olhos da realidade. Disney, com suas adaptações, radicaliza os sonhos e nos faz desejar mergulhar de cabeça nesse universo. E ouvir o melhor da música brasileira, em seus diferentes estilos, só pode criar um ambiente de prazer. “A Vida não é um musical – O musical”, em cartaz no teatro Sesi, costura todas esses pontos com muita eficiência.

Com texto e trilha originais de Leandro Muniz e Fabiano Krieger, a peça consegue seguir a tradição dos  bons musicais, mas também combinar com a tradição brasileira de sátira política e boa música brasileira contemporânea . A inspiração na cidade do Rio é o chão para que  o diretor João Fonseca, que assina a direção junto com o autor,  realize um trabalho impecável com movimentação dos atores, interpretação, iluminação de forma integrada. “Eu e Leandro viemos do mesmo berço, a Cia Fodidos e Privilegiados, e há muito tempo queríamos trabalhar juntos, eu queria dirigir um texto dele, com seu humor inteligente e novo. Quando em 2017, fizemos um programa de Tv juntos, era o que faltava. Ai veio o convite, quando li o texto fiquei encantado com o que li. Aceitei na hora,  disse Fonseca. 

Na filosofia não tem luxo nem lixo, ao contrário dos musicais biográficos ou dos espetáculos “colados” nos  originais da Broadway, a partir de um  fato infelizmente cotidiano, cair-se em uma favela por engano e aí passar por todos os inerentes dissabores, “A vida não é um musical” transforma  a menina Cinderela em um expectadora ativa daquilo que acontece à frente de nossos olhos e não se vê.

Serviço:
Sesi Centro
Sexta e sábado às 19 h
Domingo às 18 h

Enviado por: Redação
16/08/2018 - 17:30

"Correspondentes": fila de jornalistas para assinar livro

caco-barcellos-e-tadeu

tony-e-washington

ilze-e-marcos-losekann

mariana-gross-e-marcos-uchoa

renato-machado-sandra-passarinho

roberto-sandra-ilze-e-sergio-motta-mello

“Correspondentes”: na primeira foto, Caco Barcellos e Tadeu Schmidt; na segunda, Tony Ramos e Washington Olivetto; na terceira, Ilze Scamparini e Marcos Losekann; na quarta, Mariana Gross e Marcos Uchôa; na quinta, Renato Machado e Sandra Passarinho; na sexta, Roberto Kovalick, Sandra Passarinho, Ilze Scamparini e Sérgio Motta Mello /Fotos: Rogério Fidalgo/AG.News

A Travessa do Shopping Leblon parecia a sucursal de jornalismo da Rede Globo nessa quarta-feira (15/08), com o lançamento de “Correspondentes – Bastidores, histórias e aventuras de jornalistas brasileiros pelo mundo”, com as experiências e os desafios do trabalho de reportagem internacional de 20 profissionais em mais de 40 anos de cobertura da emissora. No dia anterior, alguns dos nomes que assinam as mais de cem histórias estiveram no lançamento em São Paulo. Por aqui, desde as 20h, formava-se uma fila enorme na livraria – a maioria que estava reunida só se vê em ocasiões especiais mesmo, como Ilze Scanparini, correspondente na Itália, além de Caco Barcellos, Marcos Uchôa, Sandra Passarinho, Sérgio Motta Mello, Renato Machado etc. De tanto profissional por ali, teve hora que a demora na fila era mesmo para pegar as muitas assinaturas e achar uma caneta disponível ou um lugarzinho no livro para a dedicatória.

Enviado por: Lu Lacerda
16/08/2018 - 16:50

Paloma Danemberg: uma ótima comerciante

10-paloma-danemberg-e-isabela-capeto

colagem-paloma

colagem-b

“ad.studio”: na primeira foto, Paloma Danemberg e Isabela Capeto, a próxima colaboradora da loja; na segunda Paula Neder e Nando Grabowsky, Maria Whitaker e Joana Estelita, Lu Novis e Tunica Bocayuva, Luiz Eduardo Almeida e Caco Borges, Luciana Almeida e Patricia Brandão, Renata Mader e Filipe Raposo; na terceira, Joy Garrido, Andrea Natal e Angela Hall, Marcia Kemp, Léo Neves, Renata Reis e Patricia Mayer /Fotos: Bruno Ryfer

Garimpar está em alta. Sabendo disso, Paloma Danemberg inaugurou a primeira loja do seu ad.studio (em minúscula mesmo), com móveis e objetos selecionados em suas viagens, brechós e da produção limitada de amigos artistas, nessa quarta-feira (15/08), no Shopping Leblon. No centro do espaço, de 350 metros quadrados, funciona um gabinete de restauração em constante funcionamento para o polimento final a cada objeto, quando for o caso. Com tanta loja fechando, transformar o antigo (às vezes bonito por si) em útil pode ser mesmo uma ótima ideia. Tem até uma ala totalmente masculina, com equipamentos esportivos do século passado como esquis, trenós, raquetes de tênis e malas de couro – todos com certificado – , alguns convidados pareciam estar num parque de diversões. Paloma também vai dar continuidade ás coleções em parceiras, como fez com o artista Antonio Bokel, e agora convidou Isabela Capeto para customizar algumas peças. Já deu pra perceber que trata-se de uma ótima comerciante.

Enviado por: Redação
16/08/2018 - 15:40

Os Gilsons inauguram espaço em Copacabana.

1-orlando-moraesgloria-piresandrea-e-gustavo-filgueiras

mariana-ximenes-e-alice

8-malu-mader-e-chay-suede

2flora-gil-malu-barreto-lilibeth-monteiro-de-carvalho

15-paula-sinonsen-e-sueli-bombiere

16-joao-gil-gustavo-filgueiras-francisco-gil-jose-gil

“Os Gilsons no Emiliano”: na primeira foto, Orlando Moraes, Gloria Pires, Andrea e Gustavo Filgueiras; na segunda, Mariana Ximenes e Alice Wegmann; na terceira, Malu Mader e Chay Suede; na quarta, Flora Gil, Malu Barreto e Lilibeth Monteiro de Carvalho; na quinta, Paula Simonsen e Sueli Bombieri; na sexta, João Gil, Gustavo Filgueiras, Francisco Gil e José Gil, os meninos de Os Gilsons /Fotos: Vera Donato

O Emiliano, na Avenida Atlântica, inaugurou um novo espaço nessa quarta-feira (15/08): a Sala Charles, com show dos Gilsons – banda formada por João, Francisco e José Gil. Mariana Ximenes abriu a noite com uma fala linda em homenagem a Carlos Alberto Filgueiras, fundador do hotel, considerado um anfitrião incrível, que morreu em janeiro de 2017, deixando amigos que viravam fãs. Na plateia, muitos hóspedes sempre assíduos e alguns novos talentos da TV, como Chay Suede e Alice Wegmann, com outros tantas já clássicos, como Glória Pires e Malu Mader. A Sala Charles é um espaço para uso social, para charutos, vinhos e shows mais exclusivos, como o dos Gilsons.

Enviado por: Redação
16/08/2018 - 13:50

O 29º PMB: homenagem a Luiz Melodia e alguns protestos

3-maria-bethania-caetano-veloso

debora-e-camila

leticia-e-ana-paula

xenia-franca-liniker-e-iza

alcione-e-lecy

sergio-marone-leandro-e-zeca

chico-cesar-e-lucy-e-ana-joma-e-rogerio-fasano

20-joao-bosco-e-criolo

“29º PMB”: na primeira foto, Maria Bethânia e Caetano Veloso; na segunda, as apresentadoras, Débora Bloch e Camila Pitanga; na terceira, Letícia Birkheuer e Ana Paula Araújo; na quarta, Xênia França, Liniker e Iza; na quinta, Alcione e Leci Brandão; na sexta, Sergio Marone, Leandro Monteiro e Zeca Pagodinho; na sétima, Chico César e Lucy Alves e o casal Ana Joma e Rogério Fasano; na oitava, João Bosco e Criolo /Fotos: Fred Pontes e AG.News

Era como dois eventos no 29º Prêmio da Música Brasileira, nessa quarta-feira (15/08), no Theatro Municipal – os bastidores, mais calmos do que em anos anteriores, e, no palco, espetáculo coordenado e roteirizado para todo mundo assistir, inclusive de casa, com transmissão ao vivo. A noite era de homenagem a Luiz Melodia, morto ano passado. Com meia hora de atraso, o show começou com um monólogo de Leandra Leal, que pediu para participar da homenagem. “Quando um artista encoraja sua vida, o mínimo que você deve fazer é homenageá-lo. Luiz partiu outro dia, e faz tão pouco tempo que não nos acostumamos com sua ausência”, disse ela. Logo depois, chegaram as apresentadoras oficiais, Camila Pitanga e Débora Bloch, lindas e bem montadas, com o texto escrito por Zélia Duncan na ponta da língua.

Algumas ausências foram sentidas, como Gal Costa – considerada por Melodia sua “madrinha musical”, mas José Maurício Machline conseguiu reunir cantores dos mais diversos estilos. “Gal tem uma importância vital na história do Melodia, mas infelizmente ela não pôde vir, mesmo sendo indicada”, disse Zé. Uma das primeiras apresentações foi de Alcione, que ganhou o prêmio de melhor intérprete de canção popular, e cantou “Estácio, holly Estácio”, ao lado do violonista Renato Piau, parceiro musical de Melodia. Chico Buarque, que não apareceu, foi o maior vencedor da noite, com os prêmios de melhor canção, “Tua Cantiga”, e melhor disco de MPB, com “Caravanas” – seu neto, Chico Brown, foi quem subiu ao palco para receber as homenagens. Mas o que não apareceu na TV deu o tom da noite: alguns protestos de artistas, seja na representatividade negra ou política. No fim da música “Ébano”, primeira da noite, por Fabiana Cozza, ela mandou um “Meu nome é Ébano” – a cantora teve seu nome envolvido na polêmica do musical em homenagem a dona Ivone Lara; ela foi escolhida, mas renunciou depois de protestos por seu tom de pele ser mais claro. Além disso, foram 30 negros com mais de 60 anos comemorando Melodia – além de Alcione, Zezé Motta, Áurea Martins, Sandra de Sá….

Os integrantes do Samba do Trabalhador, Leci Brandão e Criolo – melhor cantora e melhor cantor na categoria samba – fizeram a letra “L” com os dedos, e parte do público começou a gritar “Lula Livre”, com a plateia se dividindo entre aplausos e vaias. Maria Gadú e a namorada, Lua Leça, foram vestidas de vermelho e com pintura indígena, como protesto a favor da causa. Um dos momentos mais aguardados foi rápido demais – a apresentação inédita de Caetano, Moreno, Zeca e Tom ao lado de Maria Bethânia, cantando “Pérola Negra”. Aplausos de pé. Nos bastidores, uma das cenas mais pitorescas foi o encontro de Baby do Brasil e Zeca Pagodinho. A cantora perguntou ao sambista, que estava com um copo de cerveja na mão, se ele tem frequentado a igreja. Respondeu que sim, entre um gole e outro, meio que fugindo do assunto. Já alguns fotógrafos que circulavam pelos corredores, disseram que estava tudo tranquilo por ali, aliás, relax mesmo, já que sentiram uma marolinha saindo de uma das portas. O número final surpreendeu, com o trio Liniker, IZA e Lazzo em “Pérola negra” e um grupo grande, todos descalços, dançando em volta. A noite não acabou por ali, e vários artistas foram para a festa, na Casa Camolese, no Jardim Botânico.

Enviado por: Redação
16/08/2018 - 12:30

"Abrindo o armário": doc sobre a vida gay estreando

dario-d

Dario Menezes: diretor em ação nas filmagens de “Abrindo o Armário”, que estreia nesta quinta-feira (16/08) /Foto: Reprodução

Ser gay hoje é mais leve do que num passado recente? Como é se assumir hoje? Como foi décadas atrás? O documentário “Abrindo o Armário”, que estreia nesta quinta-feira (16/08), no Cinemark do Downtown, na Barra, e em mais 20 cidades, traça um painel do movimento gay no país, da década de 1970 pra cá. Durante duas semanas, até 29/08, o filme poderá ser visto sempre às 19h, com preços reduzidos (inteira: R$12 e meia: R$6).

No documentário, é mostrada através das lembranças e emoções de 16 personagens com idades que vão dos 22 aos 75 anos. Dedicado à Madame Satã, a primeira imagem do filme é uma frase do famoso malandro carioca dos anos 40/50: “Sempre fui viado, mas nunca deixei de ser homem por causa disso”. Entre os personagens, Linn da Quebrada, o novo fenômeno na noite paulistana; o escritor João Silvério Trevisan, o campeão de games Gabriel Kami, o cineasta Fabiano Canosa, o casal Gilberto Scofield e Rodrigo Barbosa, os Dzi Croquettes Ciro Barcello e Bayard Tonelli, alguns jovens entre 20 e 30 anos, e mais gente das artes.

“Abrindo o Armário” tem roteiro e direção de Dario Menezes, em parceria com Luiz Abramo. “A busca dos personagens foi um trabalho que durou mais de três meses. A gente sabia o que queria, mas também estava aberto ao novo. Foi aí que chegamos a pessoas incríveis, com lindas histórias. A luz e a fotografia do Abramo sublinham, de forma fantástica, a narrativa dos personagens. Fizemos um filme que emociona, que tem alma” – diz Dario, que já foi de seminarista a dono de discoteca, até virar editor de texto do Fantástico, por 23 anos.

Enviado por: Lu Lacerda
15/08/2018 - 19:00

Seis perguntas para Mart’nália

martnalia-divulgacao-a

Bom humor e tranquilidade, naquele esquema friozinho disfarçado na barriga – assim é Mart’nália, sempre demonstrando leveza, tipo poucas preocupações na vida. Os fãs da voz rouca e suingada da cantora podem assistir a uma apresentação diferente, nesta sexta-feira (17/08), no Blue Note, na Lagoa, em homenagem a Vinicius de Moraes e Noel Rosa, em dois horários: às 20h e 22h30. Recentemente, também entrou em turnê, com o show “+ Misturado”, com repertório plural, assim como ela. Sempre atrelada à história do samba carioca, especificamente com a Vila Isabel, a cantora não frequentou a quadra da agremiação este ano por, digamos, desencontro de opiniões com o carnavalesco Paulo Barros.

1
Vamos assistir a uma Mart’nália mais formal?  

É um show curtinho, como vários que já fiz. Mas é normal e nunca formal.  

2
O que você gosta no cenário atual da música brasileira? E o que não gosta tanto?  

Gosto de misturas, do que eu gravo, dos produtores com quem me envolvo. Mas não consigo é encarar um sertanejo, um funk, um arrocha, esse tipo de coisas assim. Mas rock’n’roll tô dentro!  

3
E o que acha das forças armadas, os militares nas ruas do Rio?

Poxa, nem vi nada disso na rua. Estão onde mesmo?   

4
Esse ano rolou um clima com o Paulo Barros na Vila Isabel, né?

Por isso que eu não gosto de falar… Cada pessoa tem um jeito diferente. Adoro o Paulo e o acho muito competente, mas ele não tem nada a ver com a minha escola – simples assim.   

5
Volta à escola em 2019? 

Nunca saí da minha escola, e todos sabem disso. Faço parte da ala de compositores e da bateria de lá, inclusive.

6
Você foi à Rússia na Copa, teve medo de sofrer preconceito? Já sofreu algum na vida? 

Nunca sofri preconceito, só o normal que todos nós, pretos, sofremos. Já na Rússia, encontrei pessoas muito gentis. A música brasileira, o samba, tem essa função de unir as pessoas e deixar tudo numa mesma vibe. O show lá foi muito levezinho, maravilhoso.

Enviado por: Redação
15/08/2018 - 16:40

Milton Cunha: “Eu, bichinha pobre de Belém….”

milton-cunha

Milton Cunha: “Eu, bichinha pobre de Belém do Pará, que vim de pau de arara pra cá, adoro ter chegado aonde cheguei” / Foto: Vera Donato (arquivo Site Lu Lacerda)

Sobre o projeto Rio Experience Carnaval, que começa em outubro, na Marquês de Sapucaí, onde os turistas vão poder “experimentar” essa grande festa carioca, com telão (mostrando a grandeza do carnaval), história do samba (pra localizar o turista), oficina de percussão, dança da cabrocha, bateria, ritmistas, fotos, enfim, como se fosse mesmo um minicarnaval – projeto da Riotur, sob a presidência de Marcelo Alves, que chamou Milton Cunha para fazer a curadoria. O carnavalesco está bem animado: “O Rio precisava desse produto nessa escala mega. Estou realizando um sonho, ser carinhoso com o turista, mostrando a nossa alegria, além de trazer trabalho para um monte de sambistas”, diz. E completa: “Considero uma atração com carnaval e escola de samba o ano inteiro. Enquanto em Buenos Aires, aqui ao lado, tem um show de tango em cada esquina, também precisamos mostrar tanta coisa que só acontece no Rio“. E, por fim, um pouco da autenticidade de Milton: “Desde criança eu queria ser o Mièle, o Guilherme Araújo, o Ivon Cúri, o Sargentelli; agora sou o embaixador da alegria. Eu, bichinha pobre de Belém do Pará, que vim de pau de arara pra cá, adoro ter chegado aonde cheguei.”

Enviado por: Lu Lacerda