18/09/2018 - 19:20

Sete perguntas para Brenda Valansi (sobre a ArtRio)

A ArtRio (Feira de Arte Internacional do Rio), em sua oitava edição, que acontece na Marina da Glória, de 27 a 30 de setembro, vem com duas novidades: a criação da plataforma ArtRio.com, que funciona como um site de vendas de todas as galerias que vão expor, e o foco na arte brasileira, com o programa Brasil Contemporâneo. De acordo com o relatório “The Art Market 2018 – Art Basel and UBS”, o mercado de arte online cresceu 72% nos últimos cinco anos e, em 2017, as vendas em canais digitais representaram 8% do total negociado no mercado. Nesta terça-feira (18/09), Brenda Valansi (aquela que sabe tudo de arte) e Luiz André Calainho, sócios da feira, fizeram um evento na Marina, para lançar o site do evento. Confira o papo com Brenda:

1
Quais as novidades deste ano?  

Agora começamos a colher os louros. Estou muito feliz porque esta edição vai ser especial, a gente vem com foco na arte brasileira; com isso, estamos conseguindo trazer muitos curadores internacionais com esse foco. Estou superanimada com o programa novo chamado Brasil Contemporâneo, focado em galerias fora do Rio e de São Paulo, com curadoria do Bernardo Mosqueira. A outra novidade é um bebê que vai nascer, é o ArtRio.com. Aprimoramos nossa plataforma para que haja vendas online, uma realidade mundial em todos os segmentos. Nosso foco será possibilitar para os galeristas e para o público comprador um novo canal, que alia segurança, rapidez, comodidade e conveniência. As galerias vão incluir suas obras, e elas estarão acessíveis a pessoas de todas as regiões do País e também de outros países. Todas as informações sobre as obras serão fornecidas diretamente pelos galeristas, que farão a seleção das peças também.  

2
Isso vai facilitar?  

Muita gente tem vergonha de perguntar preço, e isso é uma maneira de facilitar. Isso é muito recorrente na feira, alguém não comprar por achar que as obras são milionárias. Não é verdade. Muitas vezes, a pessoa acaba não comprando nada por achar que é só para ricos.  

3
Tem algum trabalho de destaque que o público vai notar?  

Uma que vai ser muito legal é Macaleia (1978), do Hélio Oiticica, em homenagem a Jards Macalé. Vai ficar no jardim da Marina e será uma obra ícone e interativa. Com certeza, vai ser o lugar preferido para as selfies. Também vai ter uma linda escultura da Amália Toledo, que morreu há pouco tempo.  

4
O mercado de arte vai bem no Rio?  

É um mercado que está voltando a se aquecer e, apesar da crise, várias galerias estão abrindo e outras jovens galerias que começaram pequenas e estão expandindo. Se está assim, é porque estão vendendo, e a venda é fundamental para a máquina girar.   

5
E como faz com uma pessoa sem noção andando pela feira?  

Eu morro de rir de algumas situações, mas geralmente as galerias é que ficam em pânico. Em 2014, teve o episódio da Narcisa (Tamborindeguy), que virou meme depois de visitar a galeria britânica Pace e tocar numa obra, para desespero da galerista. Isso é importante porque leva consciência ao público, que está sabendo se comportar num ambiente de arte. É mais difícil ver as pessoas querendo tocar, ou não tendo o cuidado que se deve ter.   

6
Como é vista a arte brasileira no exterior?  

A visão lá fora é maravilhosa, é muito bem vista. Temos uma arte muito sofisticada no sentido de ser conectada com o mundo, de não ser regional. Não temos mais Portinari pintando as mulatas, a pobreza; tem uma linguagem internacional e se encaixa perfeitamente na arte mundial.   

7
Em tempos de eleição, poder feminino, entre outros assuntos, vai existir algo especial na feira?  

Não especificamente, mas entre os oito projetos, tem o Solo, com curadoria e coleções particulares de Genny Nissenbaum e Mara Fainziliber. Elas vão ocupar 12 espaços de 20 metros quadrados com uma artista mulher em cada um deles, apenas um homem (o americano Robin Rhode) – dos quais, dois estrangeiros e dez brasileiros, como Adrianna Eu, Anna Bella Geiger, Berna Reale, Beth Jobim, Iole de Freitas e Gabriela Machado. Queremos questionar a existência de menos mulheres em museus e galerias. Quero mostrar a força das mulheres na arte em todos os sentidos. A gente tem que se unir.  

Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

Enviado por: Redação
18/09/2018 - 18:30

CasaCor: é tempo de festa – sem parar!

Natalia Hamada, Erick Figueir de Mello, Esther Schattan e Anny Meisler /Foto: Ari Kaye

Patricia Mayer e Esther Schattan – Esther com Patricia Quentel /Fotos: Ari Kaye

Paulo Magalhães, Miguel Pinto Guimarães e Pedro Fernandes /Foto: Ari Kaye

Ana Paula Iespa e Joy Garrido /Foto: Ari Kaye

É tempo de CasaCor, é tempo de arquitetura, é tempo de festa: nessa segunda-feira (17/09), Esther e Murillo Schattan promoveram almoço no Fasano para as organizadoras do evento: Patricia Quentel e Patricia Mayer

Enviado por: Redação
18/09/2018 - 17:40

Xian: a vista do banheiro dos homens é essa, já o das mulheres….

A vista do banheiro masculino do restaurante Xian, no terraço do Bossa Nova Mall /Foto: Lu Lacerda 

Se é mulher e é carioca, nada passa despercebido: uma das convidadas do almoço que o jornalista Bruno Astuto ofereceu à Katja Henke, diretora do Hotel Península Paris, nesta terça-feira (18/09), no Xian, terraço do Bossa Nova Mall, ao chegar ao banheiro feminino, achou bacana, como tudo que o dono, o empresário Marcelo Torres faz; mas resolveu dar uma olhadinha também no masculino. Que diferença! No das mulheres, a vista é a parede; no dos homens, é essa da foto. Ó, seu Marcelo, por que isso? (Rsrsrs) 

Enviado por: Lu Lacerda
18/09/2018 - 15:40

Claudia Lisboa: fila interminável em lançamento de livro

“A Luz e Sombra dos 12 Signos”: Patricya Travassos e Claudia Lisboa / Foto: Lu Lacerda

“A Luz e Sombra dos 12 Signos”: Claudia Lisboa e Ney Matogrosso /Foto: Lu Lacerda

Você pode até já ter visto uma fila grande, mas dificilmente maior que a do lançamento do livro “A Luz e Sombra dos 12 Signos (Histórias e Interpretações que Ajudam a Compreender a Força dos Astros)” (Globo Livros), de Claudia Lisboa, nessa segunda-feira (17/09). A livraria da Travessa de Ipanema estava absolutamente lotada, ocupando toda a longitude do espaço até a rua – a  astróloga e professora tem milhares de fiéis seguidores nas redes sociais e no seu canal do YouTube. “O diferencial do livro é que a leitura é pop. Foi um desafio do editor Guilherme Samora fazer algo bacana de astrologia que fosse pop. Falo da vida, não é só teoria”, diz Cláudia.

O prefácio é assinado pelo músico e estudioso do tema Roberto de Carvalho que, como você sabe, é casado com Rita Lee, fãs do trabalho de Claudiadesde os anos 90 – Mel Lisboa, filha da escritora, interpretou Rita nos palcos. “À medida que Claudia vai etiquetando os personagens à sua volta, vamos construindo nosso universo análogo, identificando e decifrando nosso próprio elenco de relacionamentos. Aqui tudo é descrito direto ao ponto, sem enrolações ou hipérboles desnecessárias”, escreveu Carvalho. Não tinha fotógrafo…..

Enviado por: Lu Lacerda
18/09/2018 - 14:30

Ricardo Rangel lança “Uma Nação Sem Noção”

“Uma Nação Sem Noção”: Cora Rónai e Ricardo Rangel /Foto: Blínia Messias

“Uma Nação Sem Noção”: Ricardo Rangel com Helinho Saboya – Ricardo Rangel e Marcos Saboya /Fotos: Blínia Messias

“Uma Nação Sem Noção”: Ricardo Rangel com Cláudio Manoel – Ricardo Toboaço e Ricardo Rangel /Fotos: Blínia Messias

“Uma Nação Sem Noção”: Ricardo Rangel, Ana Beatriz Gasparian e Paulo Musa /Foto: Blínia Messias

“Uma Nação Sem Noção”: o casal Luiz Henrique e Maria Amelia Leão Teixeira; Rodrigo Fiaes, Cesar Pires, Carlos Garcia e Alberto Elias /Foto: Blínia Messias

O empresário, escritor, articulista e colunista Ricardo Rangel lançou nessa segunda-feira (17/09), “Uma Nação Sem Noção”, coletânea de 50 textos publicados em O Globo nos últimos 18 meses, na Argumento do Leblon. Quase toda a publicação é sobre política, mas também tem cultura, viagem e memória. Eleições foi o assunto – e sabe qual a conclusão? O título do livro é o que há de mais atual no meu, no seu, no nosso Brasil! 

Os jornalistas Roberto D’Ávila e Cora Rónai assinam, respectivamente, a apresentação e o prefácio. “Ele escreve o que a maioria de nós, que não somos radicais nem de um lado nem de outro, gostaríamos de dizer. É uma voz ponderada, sem extremismos que ancorada no bom senso e na observação equilibrada de uma realidade que desafia a lógica; uma voz necessária num cenário polarizado, onde (verdadeiros) bandidos e (falsos) mocinhos representam os mesmos papéis – e, não raro, o mesmo perigo”, diz Cora.

Enviado por: Redação
18/09/2018 - 13:20

“Loja Vazia”: sucesso já no primeiro dia de doações

“A Loja Vazia”: Bruno Astuto e Grazi Massafera /Foto: AG.News

“A Loja Vazia”: Angélica e Letícia Birkheuer /Foto: AG.News

“A Loja Vazia”: Dandynha Barbosa, a embaixadora da causa, e Suzana Pires, uma das madrinhas /Foto: AG.News

“A Loja Vazia”: Daniella Sarahyba e Fabio de Melo /Foto: AG.News

Nunca se viu tantos embaixadores, madrinhas e padrinhos num evento só: Angélica, Grazi Massafera, Suzana Pires, Letícia Birkheuer, Fabio de Melo, Carlinhos de Jesus e vários outros dando todo apoio ao projeto “Loja Vazia”, uma parceria da Revista Ela, do jornal O Globo, com o BarraShopping, nessa segunda-feira (17/09), um dia antes de abrir oficialmente para o público. A ideia d editor Bruno Astuto, é encher o espaço com brinquedos, jogos, livros infantis, fraldas e material escolar a serem doados no Dia das Crianças (12 de outubro) para 20 instituições assistidas pelas 1ª e 2ª Varas e Infância e da Juventude no Rio.

O evento só para convidados lotou as prateleiras – Suzana Pires, por exemplo, levou 26 bonecas. Grazi também faz doação desde criança e ensina em casa. “Quarto de criança não é para entulhar. Agora mesmo tirei muita coisa do quarto da Sofia (sua filha com Cauã Reymond) e quero que ela mesma faça a doação”, disse. Angélica foi uma das primeiras a ser convidada e aceitou de cara. “Achei a ideia genial. Lá em casa, perto do Dia das Crianças, juntamos tudo para doar”, diz ela, mãe de Eva, Benício e Joaquim, com Luciano Huck.

Enviado por: Redação
18/09/2018 - 12:20

Palácio Gustavo Capanema: Iphan, enfim, entrega fachada restaurada

Palácio Gustavo Capanema: Iphan entrega fachada restaurada do prédio modernista nesta quinta-feira (20/09) /Foto: Divulgação

Desde 2014, existe o projeto de restauração da fachada do Palácio Gustavo Capanema, no Centro, mas, somente quatro anos depois, o primeiro grande prédio modernista do mundo, tombado pelo Iphan, finalmente ficou pronto e será entregue dia 20 de setembro. Projetado por uma equipe que incluía nomes, como Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e Affonso Eduardo Reidy, o prédio mantém as peças originais, movidas a manivela; daí a demora e delicadeza do restauro. No dia, também será anunciado que o local vai receber o 27º Congresso Mundial de Arquitetos em 2020 – o evento promovido pela União Internacional de Arquitetos (UIA) acontecerá pela primeira vez no Brasil e volta à América Latina após 42 anos, com a expectativa de receber mais de 15 mil arquitetos de todo o mundo. Por ali, vão acontecer eventos, workshops, exposições e palestras.

Já foram investidos R$ 28 milhões nas obras. Uma próxima etapa também vai ser anunciada dia 20, com cronograma previsto para 30 meses, como a restauração, conservação e modernização de toda a parte interna; sistema de detecção e combate a incêndio; sistema de ar condicionado; modernização dos auditórios; conservação dos jardins do térreo; e restauração de todo o mobiliário de madeira e dos painéis de azulejos de Portinari.

Enviado por: Redação
18/09/2018 - 11:00

Em casa, por Manu e Marcia Müller: a cor verde

Algumas cidades oferecem a natureza de forma democrática. O Rio de Janeiro é uma delas. Entre o mar e a montanha a natureza aqui não é excludente! Todos que vivem no Rio podem desfrutar o verde mesmo em lugares menos valorizados. Uma cidade que apesar de urbana, não se transformou em um lugar árido. No Rio a natureza se impõe ao progresso.

E na decoração, seja tendência ou não, o verde está em alta! Em materiais de revestimentos etc, e principalmente na necessidade de reproduzir a natureza dentro de casa, em vasos, jardins verticais internos, hortas, quadros, objetos de decoração etc.

Os diversos tons de verde se harmonizam com quase todas as cores. Calmante, refrescante e suave, a cor está associada a uma das situações importantes para a existência saudável: o contato com a natureza. Conviver no dia a dia com esses tons, apesar de estar em um centro urbano, transforma a casa em um ambiente muito mais acolhedor.

Mesmo para quem é “urbanóide” (pouco comum hoje em dia) e não gosta de estar perto da natureza, a cor verde ainda assim vai modificar o seu olhar sobre a casa. O verde é elegante e versátil, além de supercompatível com o nosso clima tropical. Uma cor que ilumina e aquece o ambiente.

Experimente usar em casa o tom de verde, pode ser uma poltrona, um quadro ou apenas um detalhe. Essa cor irá realçar e transformar o ambiente. Se a natureza escolheu principalmente esse tom para a partir dele reproduzir inúmeras variações, podemos concluir que a cor verde é certamente muito especial!

Enviado por: Redação
17/09/2018 - 18:00

Cai Sahra: dupla ainda vai dar muito o que falar (e ouvir)

“Cai Sahra”: Rodrigo Silvestrini e Felipe Ricca  /Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

“Cai Sahra”: Adriana Esteves e Fernanda Lucena, mãe e madrasta de Felipe /Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

“Cai Sahra”: Letícia Colin, Adriana Esteves e Michel Melamed /Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

“Cai Sahra”: Juliana Paiva e Nicolas Prattes na pista de dança /Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

“Cai Sahra”: Agnes com o pai, Vladimir Brichta /Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

“Cai Sahra”: Paulo Silvestrini, Rodrigo Silvestrini, Marcos Ricca, Felipe Ricca e Vladimir Brichta /Foto: Murillo Tinoco (AGi9)

Felipe Ricca nasceu no colo da arte, digamos assim. Filho dos atores Adriana Esteves e Marco Ricca, ele também escolheu esse caminho, só que para a música: com seu amigo  Rodrigo Silvestrini (filho do diretor Paulo Silvestrini) forma o duo Cai Sahra. “Escolhemos  este nome porque na infância eu frequentava o litoral de São Paulo e me lembrei dos caiçaras, habitantes das regiões litorâneas do Sul do Brasil. É o nosso estilo de som, violão e voz com manipulação eletrônica. É isso que nos traduz o que somos”, explica Felipe, o vocalista da dupla criada em 2016. Nesse fim de semana, eles lotaram o Bar da Lapa, na Barra, com o lançamento do clipe “Meu Bem”, que já atingiu, em menos de 24 horas, mais de 200 mil visualizações no YouTube.

Ambos começaram assim mesmo, fazendo sucesso na plataforma digital, misturando pop com arranjos acústicos e influência do rap, ou seja, os parentes e amigos atores (Nicolas Prattes, Juliana Paiva, Marcelo Serrado, Letícia Colin, Michel Melamed, Marcos Pasquim, Thiago Lacerda etc.) foram meros coadjuvantes na noitada, porque eles têm um fã-clube de respeito. O show começou pra lá das 11 da noite e acabou alta madrugada, com muitos pedidos de bis. “Estou muito feliz por ver o resultado de um filho talentoso e absolutamente dedicado, encontrando seu lugar no mundo, com respeito e humildade”, disse Marco Ricca.

Enviado por: Redação
17/09/2018 - 17:20

Lucio Salvatore e Constança Basto: cariocas tem de voltar sempre

Constança Basto e Lucio Salvatore: no Rio para habitual temporada de arte e “mapas astrais” /Foto: Arquivo site Lu Lacerda

Lucio Salvatore e Constança Basto, o artista plástico e a astróloga, que moram em Sant’Elia, na Itália (a 1 hora de Roma), acabam de chegar ao Rio para a habitual temporada: ele participa, pela primeira vez, da ArtRio, convidado pela sua galerista Martha Pagy. Lucio vai fazer a performance “Progressão Relativa” no evento, na sexta-feira (28/09), às 5 da tarde. O artista vai produzir ali, na frente de todo mundo, 30 trabalhos da série “Price fields”, compostos por etiquetas de preços coloridas coladas sobre papel de algodão fine-art, com o preço aumentando a cada novo trabalho. Claro que vai ser um presente para o público, com o preço começando por R$ 10. Quanto à Constança, ex-empresária de moda de sucesso, já veio da Europa com clientes agendadas para saber dos seus mapas astrais. A quem interessar: (basto.constanca@gmail.com).

Enviado por: Lu Lacerda
17/09/2018 - 17:00

Cristo Redentor: 50% de desconto para cariocas

Cristo Redentor: ingressos para moradores do Rio voltam a ter valor promocional a partir de 1º de outubro /Foto: Reprodução

A promoção de 50% no preço do ingresso para cariocas visitarem o Cristo Redentor vai voltar a partir de 1º de outubro – mês dos 77 anos do cartão-postal -, depois de quatro anos suspensa. O anúncio foi feito pelo empresário Sávio Neves, presidente da concessionária Trem do Corcovado, nesta segunda-feira (17/09). A promoção funcionou durante 12 anos, entre 2002 e 2014, e agora vem com outra novidade: quando o turista comprar o ingresso, poderá fazer uma doação de um valor correspondente a US$ 1 dólar (cerca de R$ 4,16) à Mitra Arquiepiscopal, dentro da campanha “Amigos do Cristo”. Toda a renda vai para a manutenção da estátua e da Capela Nossa Senhora Aparecida, comandada pelo padre Omar Raposo. O monumento recebe uma média de 600 mil turistas por ano e, segundo Sávio, o número já foi bem maior. “A crise econômica no País e no estado do Rio levou ao afastamento dos turistas. Também notamos que nossos problemas com segurança pública contribuiu”, disse. Na alta temporada, o valor do bilhete é de R$ 75; na baixa, R$ 62.

Enviado por: Redação
17/09/2018 - 16:00

A homenagem a Emeric Marcier e sua arte sacra

“Emeric Marcier”: Laura Carneiro entre Fabiana e Marcos Scorzelli /Foto: Marco Rodrigues

“Emeric Marcier”: Ana Paula Protásio com Mathias Marcier – Eliana e Chico Caruso /Fotos: Marco Rodrigues

“Emeric Marcier”: Tessy Callado e Marco Rodrigues – Júlio Bandeira e Paula Fiuza /Fotos: Marco Rodrigues

“Emeric Marcier”: Evandro Carneiro com Luiza e Mathias Marcier /Foto: Marco Rodrigues

Nesse fim de semana, foi inaugurada a exposição “Emeric Marcier” (1916-1990), na Galeria Evandro Carneiro Arte, no Gávea Trade Center, homenageando o artista considerado o maior pintor de arte sacra no Brasil. Ali estão 28 trabalhos em telas a óleo e aquarelas com parte do acervo inédito, cedido pelo filho do artista, Mathias Marcier. Está lá, por exemplo, “Autorretrato” (1990), uma das últimas telas produzidas por ele.

Enviado por: Redação
17/09/2018 - 15:20

Márcio Braga, em forma aos 82, chama atenção 

O casal Ana Paula Almeida e Márcio Braga: o ex-presidente mais vitorioso da história do Flamengo chama atenção em evento carioca /Foto: Ari Kaye

Uma das arquitetas que estiveram na abertura do CasCor Rio, nesse domingo, ficou chocada ao ouvir a amiga jurar que Márcio Braga teria mais de 70 anos. Deram um Google, ali, na hora, e descobriram ser 82, completados dia 14 de março. Aí, então, sentiram-se ainda mais surpreendidas: o ex-presidente do Flamengo chegou acompanhado de de Ana Paula Almeida, que tem um jeito bem jovem. Ao saber que são casados, a arquiteta, de 55 anos, comentou que, na idade dela, talvez seja considerada uma anciã pra ele. De toda forma, fez a fina. 

Enviado por: Redação
17/09/2018 - 14:00

Frans Krajcberg: mostra relembra momentos do artista

“Respiração Krajcberg”: Liana Pérola, Lea e Israel Klabin /Foto: Marco Rodrigues

“Respiração Krajcberg”: Cristina Penna e Monica Alvares – Edna e Flávio Teruszkin /Fotos: Marco Rodrigues

“Respiração Krajcberg”:Fernando Barrozo do Amaral, Leonel Kaz, Marcia Barrozo do Amaral e Marcio Doctors /Foto: Marco Rodrigues

“Respiração Krajcberg”: Luiz Garrido, Ruth Levy e Eduardo Cantindiano /Foto: Marco Rodrigues

Frans Krajcberg (1921-2017) ganhou uma exposição na Casa Museu Eva Klabin, na Lagoa, a “Respiração Krajcberg”, com curadoria de Marcio Doctors, nesse fim de semana. Vai fazer parte do circuito da ArtRio que fica em cartaz até fevereiro. A mostra reúne sete grandes trabalhos, além de fotos e videoinstalações que recuperam momentos de destruição da 2ª Guerra Mundial e das queimadas florestais, que repercutem os momentos dramáticos da vida do artista – polonês naturalizado brasileiro, que chegou ao Brasil para reconstruir a vida depois de perder a família num campo de concentração.

Tem também retratos de Frans feitos por Luiz Garrido e imagens da viagem ao Alto Amazonas com o crítico e filósofo Pierre Restany e, ainda, com o pintor Sepp Baendereck, quando foi redigido o “Manifesto Rio Negro”, lido na exposição por Israel Klabin. Tudo tendo como trilha sonora o Choro nº 10, de Villa-Lobos, e Canticum Naturale, de Edino Krieger. “Ele foi uma pessoa que enfrentou a destruição e encontrou força de vida através da arte; defendia uma causa sem usar o trabalho como panfleto político”, disse Doctors. 

Enviado por: Redação
17/09/2018 - 13:00

Carla Bensoussan: carnaval de rua do Recife em SP

Carla Bensoussan: empresária quer mostrar o frevo do Nordeste em São Paulo /Foto: Divulgação

A empresária Carla Bensoussan, “embaixadora do frevo”, nome por trás das maiores festas de Pernambuco, vai levar o carnaval de rua do Recife para São Paulo, nesta quarta-feira-feira (19/09), na Casa Miracolli, no Jardim Paulista, com shows de Alceu Valença, Elba Ramalho, Nena Queiroga e Almério. “O carnaval de rua do Recife é a mais forte expressão da diversidade cultural do Nordeste. É preciso um olhar que preserve essa cultura”, diz Carla. Este ano, a folia recifense aconteceu em 44 lugares oficiais, em toda a cidade, além dos 800 blocos, mais de 300 agremiações, 1.354 artistas contratados e 2,7 mil apresentações durante os dias de festa.

Enviado por: Redação

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline