12/12/2017 - 12:35

Cabeleireiros cariocas X morte de fundador da Toni & Guy

Toni Mascolo, chairman on Toni and Guy.

colagem-sem-titulo-1

No alto, Toni Mascolo, fundador da Toni & Guy. Embaixo, Esmell, dona da rede de salões que leva seu nome; Rudi Werner, dono da rede Werner; César Neubert, sócio do Crystal Hair / Fotos: Ari Kaye / Divulgação

A morte de Toni Mascolo, fundador da Toni & Guy, nesse domingo (10/12), aos 60 anos, um dos fundadores da rede londrina, com quase 500 salões pelo mundo, deixou abalados muitos cabeleireiros cariocas. Em 1963, Toni e seu irmão Guy (morto em 2009) abriram o primeiro salão em Clapham, Londres. A dupla esteve no Brasil em 2006, para fundar a primeira academia na América Latina, em São Paulo. César Neubert, sócio do Crystal Hair, em Ipanema, conheceu Toni há 10 anos e virou seu fã. “Espero que a rede de salões continue firme e forte. Conheci o Toni durante um trabalho em Londres, e ele sempre se mostrou uma pessoa brilhante”. Rudi Werner, dono da rede Werner, diz que é uma das maiores perdas da história da beleza. “Conheci o Toni faz 20 anos, durante um congresso de tendências na Europa. Era um amigo calmo e muito compenetrado no que fazia, tinha paixão por embelezar as pessoas. Há alguns anos, vínhamos nos reunindo para falar sobre uma possível parceria entre as redes”, diz Rudi. Esmell, há 40 anos no mercado, também lamentou: “Impossível pensar na história da beleza e cabeleireiros influentes, e não se lembrar dele.”

Enviado por: Redação
12/12/2017 - 11:00

Em casa, por Manu e Marcia Müller: arquitetura x tecnologia

colagem-marcia-1

Muitas pessoas acreditam que arquitetura é tecnologia. Com certeza, não é – arquitetura é 40% tecnologia, 60% sensibilidade. O problema que vivemos atualmente é justamente este: a distância entre a tecnologia e as nossas emoções. A vida virtual é simples, descomplicada, prática e eficiente, e nos mostra um caminho aparentemente bem fácil. Na verdade, essa realidade tem pouco em comum com a vida entre pessoas. Ainda bem que somos complexos, e é justamente a complexidade que nos torna únicos e criativos.

Arquitetura é criação e sensibilidade com entendimento técnico. Se tentarmos colocar uma fórmula ou mesmo copiar resultados de imagens computadorizadas, o resultado pode ser um desastre. A especificidade é o que torna os humanos interessantes; o mesmo acontece para a nossa casa e para o local onde vivemos.

Quanto mais nos distanciamos de situações reais e únicas cheias de complexidades, mas teremos dificuldade para criar.

“Na arquitetura, copia-se muito” , mas a verdade é que somos guiados pelo futuro, por novos materiais e por uma nova moradia que surge cada vez mais conectada com a natureza.

A tendência tão mal usada comercialmente é o resultado de pesquisas de novos materiais para uma arquitetura mais eficiente. A frase “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, de Antoine Lavoisier, já nos indica um caminho bem diferente da realidade virtual.

colagem-marcia-2

A arquitetura 100% tecnologia é pouco criativa, pouco adaptada e se perde na capacidade de ser única. Precisamos cada vez mais dessa interação máquina e sensibilidade, estamos buscando e transformando o tempo todo. Com certeza, haverá, em um futuro bem próximo, a capacidade de serem acopladas, a tecnologia e a nossa sensibilidade.

Nesse momento, até podermos dizer que a arquitetura é 70% tecnologia, os restantes 30% serão arquiteto e morador. Vai ser impossível não fazer de sua casa um lugar especificamente seu, nem um projeto arquitetônico ser apenas uma fórmula.

Ainda temos tempo para pensar nessa nova geração de arquitetos, na nova tecnologia e na nova arquitetura que vai surgir.

Até lá, vamos continuar fazendo projetos, adaptando uma casa ao seu entorno, usando todos os novos materiais em benefício de uma arquitetura exclusiva para um morador ou moradores únicos e específicos.

Ainda bem!

Mostramos fotos das incríveis e lindas especificidades arquitetônicas.

tarja-marcia-e-manu-muller-2017

Enviado por: Redação
11/12/2017 - 21:30

Will Smith aprende a falar português em evento de Sri Prem Baba

Você acredita que a cura do mundo é o amor? Veja quem esteve na Awaken Love House e também acredita nessa ideia!

Uma publicação compartilhada por Awaken LOVE Global (@awakenloveglobal) em

Will Smith surpreendeu os convidados de um evento da Awaken Love House em São Paulo, nesta segunda-feira (11/12). Primeiro, por simplesmente aparecer por lá, segundo, por ter falado em português nítido um trecho do livro “Propósito –  A coragem de ser quem somos”, do líder humanitário e mestre espiritual Sri Prem Baba. “Se existe uma cura para o mundo, essa cura é o amor”, disse ele, repetindo as palavras de uma intérprete. “Em tempos de ódio, difundir o amor não é tarefa fácil”, disse um seguidor do movimento, que tem a intenção de “despertar a consciência amorosa na humanidade”. Will é dessas pessoas que alegram o ambiente, como visto desde que chegou ao Brasil, nesse domingo (10/11), posando para fotos e conversando com os fãs já no aeroporto. O ator veio participar da Comic Con Experience, em São Paulo, com painel e pré-estreia do filme “Bright”, que encerrou o evento. Ele foi ovacionado pela plateia que lotava o auditório, fez “beat box” no microfone (com a música de abertura de “Um Maluco no Pedaço”) e levou o público à loucura. “Isso aqui é incrível. Talvez eu tenha que comprar uma casa no Brasil”, brincou ele.

Sri Prem Baba e Will Smith: encontro na Awaken House em São Paulo /Foto: Reprodução Instagram

Sri Prem Baba e Will Smith: encontro na Awaken Love House em São Paulo /Foto: Reprodução Instagram

Enviado por: Redação
11/12/2017 - 17:30

Inspeção em Copa: já foram 230 kg de alimentos pro lixo em outros bairros

Os agentes da Vigilância vão estar em Copacabana nesta terça-feira (12/12) /Foto: Reprodução

Os agentes da Vigilância vão estar em Copacabana nesta terça-feira (12/12) /Foto: Reprodução

A Vigilância Sanitária volta à Copacabana nesta terça-feira (12/12), para inspecionar qualquer tipo de irregularidade nas cozinhas de restaurantes, bares, lanchonetes, banheiros etc, até o dia 20 deste mês – e olha que eles ainda avisam antes! A ação faz parte da operação “Vigilância de ponta a ponta: a prevenção de riscos em todos os cantos da cidade”, que começou no dia 6 de novembro e já percorreu várias ruas de comércio nos bairros de Campo Grande, Taquara, Freguesia e Barra. Foram feitas 755 inspeções, 18 interdições e 108 multas, mas o pior de tudo – foram inutilizados 225,44 quilos de alimentos. A operação em Copa faz parte do programa “Rio+Seguro”, lançado pela prefeitura no início deste mês, que tem objetivo de associar planejamento, inteligência e tecnologia na prevenção à desordem urbana e aos pequenos delitos.

Como todos sabem, em setembro, a chef Roberta Sudbrack teve 160 quilos de alimentos jogados fora pela Vigilância pela falta de um selo de fiscalização, o SIF (Serviço de Inspeção Federal), nos queijos e linguiças de Pernambuco, que seriam servidas no Rock in Rio. Desde então, a polêmica não para.

Enviado por: Redação
11/12/2017 - 15:40

Museu do Amanhã: aniversário de dois anos e programação para 2018

13350345_1027048320736405_2198849632750658306_o

O Museu do Amanhã comemora dois anos e vai contar as novidades para alguns convidados na manhã desta terça-feira (12/12). Os números impressionam: foi o museu mais visitado do Brasil, com 2,5 milhões de pessoas, fez mais de 70 seminários e eventos. No encontro, Ricardo Piquet, diretor do espaço, vai contar as novidades das programações culturais e científicas para o ano que vem, além da participação de Marcelo Porto, presidente da IBM no Brasil. Lembrete: 75% dos recursos do museu são bancados pela iniciativa privada, uma solução natural para a crise do estado. A qualificação dos eleitores e o debate político também estão entre as prioridades do museu em 2018. “Vamos tentar contribuir de forma apartidária. A solução para a nossa crise não tem a ver com nenhum fenômeno natural, nenhum terremoto nem acidente, só dependemos de nós mesmos para sair dela. Vamos ter debates sobre direitos humanos, sustentabilidade e consumo consciente”, diz Ricardo. (Foto: Arquivo site Lu Lacerda).

Enviado por: Redação
11/12/2017 - 15:30

Encontro carioca em Miami

maritza-caneca-hilal-sami-hilal-e-anita-schwartz-party-06214

gaspar-saldanha-patricia-quentel-e-patricia-peltier-party-06195

luiz-fernando-grabowsky-patricia-peltier-pedro-guimaraes-e-maritza-caneca-party-06242

maritza-caneca-e-henrique-pinheiro-kiki-e-henry-brulay-brazilfoundation-party-06114

Na primeira foto, Maritza Caneca, Hilal Sami Hilal e Anita Schwartz; na segunda, Gaspar Saldanha e Patricia Quentel; na terceira, Luiz Fernando Grabowsky, Patricia Peltier, Pedro Guimarães e Maritza Caneca; na quarta, Maritza Caneca, Henrique Pinheiro, Kiki e Henry Bryarly / Fotos: Michael Todd

A turma da arquitetura carioca e, consequentemente da arte, é tão unida que atravessa oceanos. Patricia Quentel, uma das diretoras da CasaCor, organizou um evento no apartamento do casal Maritza Caneca e Henrique Pinheiro, nesse fim de semana, em Miami. A reunião foi para comemorar a venda de oito trabalhos fotográficos de Matitza durante a 16ª edição da Scope Art Miami Beach, que reuniu 125 expositores de 22 países e teve mais de 50 mil visitantes. Um dos convidados de Maritza ficou encantando com uma imagem da série “Piscinas”, que estava numa das paredes do apartamento, e saiu de lá com a peça debaixo do braço por um ótimo lance – para a dona da casa, claro! Veja quem passou por lá nas fotos de Michael Todd.

Enviado por: Redação
11/12/2017 - 14:00

‘Ela’, por Bruno Astuto: cenário lindo, luz do dia, elenco ótimo

Foto de:

Aconteceu a festa de lançamento da nova Revista Ela (de O Globo, editada por Bruno Astuto) nesse domingo (10/12), na varanda do Copa, às 5h da tarde. Moët, que já levanta o ambiente, ali nem precisava: a escolha do cenário (com tanta história), da hora (na luz do dia), do elenco (boa parte do charme carioca – da primeira, da segunda e da terceira juventude).

Tirando as cachorrinhas de Nicole Tamborindeguy e de Sueli Stambowsky (ao que se sabe, não viraram tantas tacinhas ), muita gente enlouqueceu um pouco naquela deliciosa fantasia de algumas horas: ninguém se lembrou da nossa cidade depauperada, ninguém pensou em Lava-Jato, ninguém comentou de político – “pezão” era só para falar de homens que calçam mais de 42, muitos deles elegantíssimos em seus Guccis (é essa a marca preferida do sexo masculino no Rio); o presidente da empresa para a América Latina, Roberto Paz, reparando bem nisso.

Danuza Leão, que volta como cronista depois de anos, ficou sentada só no beija-mão, enquanto uma convidada dizia: “Danuza é uma trajetória!”, “Danuza é isso e aquilo” … e aquela, já cansada, mas muito repetida: “Danuza é a cara do Rio” – sim.

E a tarde seguiu a toda, quando outro convidado só queria se fosse gim: “Estou viciado: não deixa cheiro. Não sabendo o rumo das coisas hoje, prefiro não arriscar”. Sabedoria! E outra quis saber quem era uma magra e linda, quando alguém respondeu: “Não sei direito, é grande compradora da marca tal. Seu maior mérito!” Seria uma invejinha da conta bancária? Ah, e uns poucos que ficam citando sobrenomes e nobrezas como um capital? Por que não imitam a serenidade e a discrição da Ana Maria Braga? Essa foi sem folga – todo mundo quer alguma coisa com ela: beijo, abraço, palavra, foto.

La pelas tantas, Astuto pegou o microfone e começou dizendo: “Apresentamos a nova encarnação da Revista Ela”, e finalizou: “Não tem coisa melhor do que ser carioca!” Aplausos! Aí entra a bateria da Grande Rio: tudo acaba mesmo em samba! Veja fotos na Galeria.

Enviado por: Lu Lacerda
11/12/2017 - 13:31

Palácio São Clemente lota com evento luso-brasileiro

346q6102-sylvia-jane-crivellaluiz-e-rosane-mor

colagem-1

colagem-2

Na primeira foto, Sylvia Jane Crivella, Luiz e Rosane Mór; na segunda, Maria Pia e Carlos Augusto Montenegro, seguidos de Maria Eduarda e Jaime Leitão; na terceira, Claudio Magnavita e Anna Maria Tornaghi, seguidos de Ignez e Sergio Costa e Silva / Fotos: Vera Donato

O Palácio São Clemente, sede do Consulado de Portugal, em Botafogo, recebeu mais de 300 pessoas nesse fim de semana, para uma programação luso-brasileira intensa. O evento começou Sylvia Crivella entregando o Título de Cidadão do Rio a Luiz da Gama Mór, um dos quatro brasileiros que comandaram a companhia TAP nos últimos 17 anos, e também os 20 anos do programa Música no Museu, criado e dirigido por Sérgio Costa e Silva. Os convidados eram recebidos pelo cônsul de Portugal no Rio, Jaime Leitão, e sua mulher, Maria Eduarda. Com o espaço lotado, até cadeiras extras foram providenciadas. As pessoas ficaram emocionadas quando o maestro Marcus Araújo tocou os hinos do Brasil e de Portugal ao piano – rivalidade, só no futebol! Depois aconteceu o concerto com muita música clássica e alguns sucessos do repertório brasileiro.

Enviado por: Redação
11/12/2017 - 11:30

Próximo ao Natal, ladrões roubam caminhão de entrega de supermercado

Téia Camargo: roubo a carrinho de compra na Barra /Foto: Reprodução Facebook

A escritora Téia Camargo tem carrinho de supermercado roubado na Barra /Foto: Reprodução Facebook

Os bandidos do Rio estão cada vez mais criativos e até requintados. Recentemente, um carro preto interceptou um veículo de entregas do supermercado Zona Sul, na Barra, na altura da Av. Lucio Costa, cheio de compras dos clientes do bairro. Uma das prejudicas foi a escritora Téia Camargo, que é carioca, mas mora há 17 anos em São Paulo, e fica entre as duas cidades por causa do trabalho do marido. “Quando você pensa que já viu de tudo nesse Rio… As minhas compras foram entregues pela metade porque o carro de entregas do supermercado Zona Sul foi assaltado em plena luz do dia!”, diz ela. Detalhe: cesta básica é coisa do passado, os ladrões levaram supérfluos como panetone importado, marrom-glacé, refrigerantes, produtos de limpeza e outros itens.

O supermercado substituiu imediatamente os produtos surrupiados. “Mesmo não tendo sido vítima direta do assalto, a sensação de perda, de impotência e de risco a que estamos submetidos é inevitável. Em São Paulo é muito comum os carros de entrega dos correios sofrerem este tipo de ataque, principalmente no fim de ano. Seja aqui ou ali, o fato é que o policiamento não tem dado conta de coibir esse tipo de ação criminosa. Estamos desamparados e abandonados à própria sorte”.

Enviado por: Redação
10/12/2017 - 16:00

MAM Rio: quatro novas exposições

Foto de:

Você, que gosta de arte, está programado: começaram quatro novas exposições no Museu de Arte Moderna, neste sábado (09/12): “O ritmo do espaço”, “Blind Gallery”, “Metaelemento” e móveis e esculturas de Zanini de Zanine. Uma delas, “Metaelemento”, de Lucio Salvatore, com curadoria de Fernando Cocchiarale, reúne vídeos, fotos, pinturas e instalações, tudo com a temática dos incêndios criminosos que devastaram Sant’Elia Fiumerapido, no sul da Itália, região onde vive o artista, em 2004 e neste ano.

Outra exposição, “TOYOTA – O Ritmo do Espaço”, mostra inédita com curadoria de Denise Mattar, reúne trabalhos e instalações do artista japonês Yutaka Toyota, radicado no Brasil, que ocupou o maior espaço do MAM, aproximadamente 1.000 m². O motivo: peças enormes! Por ali, 80 obras pertencentes a diversas instituições na cidade, além de importantes coleções particulares. Veja alguns visitantes que passaram pela abertura, na Galeria.

Enviado por: Redação
10/12/2017 - 13:31

Festa em Stª Teresa: ai, que lindos!

Foto de:

Os convidados para a festa de 13 anos do Hotel Mama Ruisa, em Santa Teresa, nesse sábado (09/12), levaram a sério as instruções do figurino: uma mulher mais linda que a outra – com inspiração nos anos 20. O anfitrião Jean Michel Ruis, recebia elogios por tudo: desde o casarão art déco de 1925 à arquitetura impecável nos cinco quartos com vista para a Urca. Tinha até quem não quisesse mais sair dali, se é que vocês me entendem. Não se sabe que rumo a história tomou – mas isso é assunto absolutamente particular. É ou não é? Veja fotos na Galeria.

Enviado por: Lu Lacerda
10/12/2017 - 12:00

Seis perguntas para José Camarano (da vida de excessos ao desapego)

jose-camarano-red

O produtor José Camarano é outro homem: ele era daquelas pessoas ligadas no 220 volts, aceitava todos os trabalhos que apareciam, comandava as melhores festas moderninhas no Rio, além de ter criado o Gema TV, em 2007, primeiro canal na Internet voltado pra moda, que cobria vários eventos nacionais e também viagens constantes a Paris, Nova York e Tóquio. Sabe, por exemplo, o famoso ensaio de Madonna e Jesus Luz fotografado por Steven Klein pra revista W em 2009? É dele a produção. Vida social ativa: muita noitada, muita bebida, muito cigarro e “otras cositas más”.

Tudo começou a mudar em 2013, quando Zé partiu pra Nova York, na tentativa de ampliar o mercado de trabalho. A cidade lhe deu um choque de realidade. “No início, adorei, mas são sete meses de frio, e comecei a ficar muito estressado. Sou da roça, gosto de cachoeira, do mato, e a única coisa que pensava era sair de lá”, diz. Veio o estalo: dando um Google, ele descobriu o Woofing, ou WWOOF (World-Wide Opportunities on Organic Farms), uma ‘ecovila’ de economia colaborativa no… Havaí. Morou por quatro meses numa comunidade, convivendo com 15 pessoas nada ligadas à moda ou ao fervor das cidades grandes. Aprendeu a plantar, colher e a fazer outros trabalhos voluntários. Nadava com golfinhos todos os dias.

O resultado? Agora, Camarano está de volta à moda e, pela primeira vez na carreira de mais de 20 anos, cria uma coleção de roupas, em colaboração com a marca Ahlma, de André Carvalhal, a ser lançada neste domingo (10/12), no Leblon. Com peças unissex criadas em quatro mãos, a linha é inspirada em sua vivência no Havaí. Hoje, o homem de 37 anos, que veio para o Rio do interior de Minas Gerais (Ubá), aos 18 anos, é outra pessoa: “Voltei para o mesmo lugar, só que diferente”. (Foto: Renato Wrobel)

1
Em que momento aconteceu esse ‘clique’?

Foi gradativo. Há sete anos parei de fazer as festas, fui para análise e tinha certeza que na hora em que parasse tudo daria merda no meu HD interno. Ter a base em Nova York era bem estressante. Quando chegava sexta-feira eu pegava o trem e ia para a montanha, ia ver o mar, mas era tudo sempre lotado. No Rio a gente tem conexão diária com a natureza e lá fiquei totalmente desconectado disso. Queria me limpar, mudar minha alimentação. Como eu já havia mudado todos os meus hábitos alimentares e me livrado de todos os químicos da vida, eu queria me preencher com coisas boas e aprender coisas novas, que eu ainda não sabia. Tive um estresse com a rapidez o mundo moderno. Me deu a louca e só pensava em aprender a surfar. Tive um estresse com o mundo moderno.

2
Por que o Havaí?

Comecei a me sentir um peixe fora d’água em Nova York, porque todo mundo trabalha muito sem reclamar. Acho que o mundo está dopado de Ritalina e isso não é natural. Meu corpo não aguentava mais o ritmo. No fim de 2016 vim para o Rio, no auge da crise, da queda da ciclovia (em São Conrado), fui assaltado e levaram meu iPhone, uma tragédia. Vi que ainda não era hora. Dei um google e descobri a WWOOF. Deixei minhas coisas num daqueles boxes de armazenamento e parti pra lá. Aprendi a plantar, colher, trabalhar com jardinagem. O Havaí tem essa parte espiritual, os golfinhos têm poder de cura… Eu morava numa vila que tinha uma plantação pequena, só para consumo próprio. A natureza virou meu templo, uma filosofia de vida. Ali eu tive tempo de ficar em silêncio, meditar, fazer ioga. Estava aberto a tudo, sem saber do futuro. Não estava aguentando mais a barulheira. Tive que me perder para me encontrar.

3
Como surgiu a ideia do documentário?

Filmei e entrevistei os 15 moradores da fazenda, sem pretensão, porque sempre gostei de audiovisual. Depois de 20 dias de convívio, vi que tinha muito conteúdo. A dona é uma senhora de 74 anos que faz florais. Ela é o personagem principal. Hoje o Havaí está ligado à espiritualidade, sustentabilidade e está sendo considerado a vanguarda do mundo. Tomei muito cuidado para não deixar a minha viagem virar o documentário… O André Carvalhal, por coincidência, me mandou uma mensagem perguntando o que eu estava fazendo no Havaí. Comentei sobre o filme e ele comprou a ideia na hora. Voltei para fechar o projeto com ele.

4
Sua forma de ver o mundo mudou?

Completamente. Hoje o meu apartamento está pelado e só tenho o que preciso. Quando estava na vila, o box em que eu guardava as coisas em NY pegou fogo com meus HDs de trabalhos da vida inteira. Meu passado foi literalmente apagado. Não tenho mais nada, apego nenhum. Continuo gostando de moda, mas acredito na moda funcional, não gosto de nada descartável.

5
Os amigos o criticaram?

Essa reconexão com a natureza me acalmou e a necessidade de agradar o mundo não existe mais. Tive que me afastar de algumas pessoas, mas os amigos de verdade estão sempre comigo. As pessoas são muito ligadas à matéria, nada é seu e você será enterrado sem nada. E ao mesmo tempo não dá pra julgar ninguém porque as pessoas estão em constante processo evolutivo.

6
Acredita que o Rio tem jeito?

A cidade está abandonada, problemática, sem trabalho, mas posso te falar? Pela minha experiência de viagens pelo mundo, o Rio é o melhor lugar. Pelas pessoas animadas e felizes, essa mistura da metrópole com a natureza, o mar. O problema é a fofoca, mas o Rio é foda e tem um potencial enorme. Moro aqui há 20 anos e lá atrás era perigoso do mesmo jeito. Mas a internet deixou todo mundo ‘panicado’, supervalorizando o ruim. Meu plano é voltar com o olhar para o pequeno, chega de megalomania, de luxo. Está na hora de dividir o que temos, colaborar, ajudar o outro. Minha paixão pela cidade só aumentou e acredito que esse seja o melhor momento para se fazer coisas novas e a tentar melhorar. Quero investir no estilo de vida carioca, fazer ações.

Enviado por: Redação
09/12/2017 - 15:10

Bloco “Carnaval Silencioso” faz protesto em Brasília

carnaval-silencioso-a-postar

carna-pistar

Bloco "Carnaval Silencioso" sai em protesto à Lei do Silêncio em Brasília /Fotos: Leonardo Milano/Mídia Ninja

Bloco “Carnaval Silencioso” sai em protesto à Lei do Silêncio em Brasília /Fotos: Leonardo Milano/Mídia Ninja

Pelo sétimo ano, a Andaime Cia. de Teatro saiu às ruas de Brasília, para o protesto “Carnaval Silencioso”, nessa sexta-feira (08/12). Silencioso porque não existe bateria nem carro de som – isso mesmo! Quem olha de longe estranha os integrantes do bloco fantasiados, carregando cartazes e usando fones de ouvido ligados numa frequência de rádio FM. Qualquer celular ou radinho de pilha pode pegar a lista de músicas carnavalescas, ou não, do DJ Ops (do coletivo Criolina). A ideia surgiu em 2009, quando o grupo começou a fazer ações de intervenção nos espaços urbanos da cidade. Foi um sucesso, e o movimento ganhou um apelo político por causa da Lei do Silêncio, já que eles terminam o percurso num endereço em que os bares são mais multados. “Em tempos de cerceamento de direitos, em tempos de avanços de forças conservadoras sobre a liberdade, há resistência pela cultura, pela arte, pelo samba! E antes que reclamem do “barulho”, a proposta do bloco é incomodar pela resistência, sem afrontar as leis, em desobediência civil inteligente”, diz post da Mídia Ninja.

Enviado por: Redação
09/12/2017 - 14:00

‘Neuronhe-se’: exposição sobre Noronha no Rio

fabiula-nua

fabiula-e-emiliano

paulinho-modelo-paola-e-iapona

Na primeira foto, Fabíula Nascimento nua entre as pedras; na segunda, o casal Fabíula Nascimento e Emílio Dantas; na terceira, Paulinho Vilhena, a modelo Paola Antonini e o fotógrafo Iaponã /Fotos: AG.News

Considerada o paraíso brasileiro por muitos, a ilha de Fernando de Noronha, em Pernambuco, é a parada certa de muitos turistas e pessoas apaixonadas pelas belezas naturais. O lugar, já notório, ficou ainda mais conhecido pela forte campanha de artistas, como Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, que têm pousada por lá, Carol Castro, Paulinho Vilhena e Fabíula Nascimento. Em homenagem ao arquipélago, foi inaugurada a exposição “Neuronhe-se”, com imagens do fotógrafo Iaponã (que vive em Noronha), nessa sexta-feira (08/12), na Cidade das Artes. Chama atenção uma foto da atriz Fabíula Nascimento, nua, entre as pedras. “A imagem foi feita na minha primeira viagem a Noronha. Na hora, rolou um bom astral e posei. Gosto dela porque aparece minha tatuagem”, disse. Ahhh, bom! O projeto tem o objetivo de aproximar o carioca da ilha e do projeto social Casa Neuronha, que busca apoio para os jovens moradores.

Enviado por: Redação
09/12/2017 - 13:00

Alô amantes do carteado em Copa: telhado novo na praça!

praca-sezerdelo-correa

Praça Serzedelo Corrêa, em Copacabana, terá o telhado consertado até o fim de dezembro /Foto: Reprodução

Aposentados e amantes do carteado da Praça Serzedelo Corrêa, em Copacabana, podem ficar tranquilos. Segundo a subprefeitura da Zona Sul, o telhado da cobertura onde acontece a jogatina começou a ser reformado no início deste mês, “conforme combinado com os moradores do bairro e frequentadores do local”, diz a página da subprefeitura no Facebook, que fez uma parceria com o Hotel Mar Palace. A base de madeira está sendo reforçada, e o telhado será de fibra, parecido com plástico. A previsão de entrega é até o final de dezembro.

Enviado por: Redação