28/05/2017 - 12:00

Sete perguntas para: Arnaldo Chuster, psiquiatra – sobre corrupção

foto-nova

Arnaldo Chuster é o único psiquiatra e psicanalista brasileiro a fazer parte de uma sociedade psicanalítica americana, o Instituto Psicanalítico de Newport, na Califórnia. Com o consultório em Ipanema, é sempre convidado a fazer palestras sobre sobre os mais variados assuntos: em janeiro deste ano, por exemplo, falou em Los Angeles (EUA), sobre “O caminho não trilhado – a procura da verdade inatingível como o centro do processo psicanalítico”; neste fim de semana, estará em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, dando aula sobre corrupção, tema desta entrevista. Chuster é membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, da Associação Psiquiátrica do Rio, da Associação Psicanalítica do Rio e da Associação Psicanalítica Internacional (IPA) e, ainda, estudioso do trabalho do psicanalista britânico Wilfred Bion. “Sérgio Cabral se deteriorou ética e moralmente à medida que foi se tornando cada vez mais mentiroso e arrogante”, diz.

1
Em que fase da vida começa a tendência à corrupção e por que?

“A base da corrupção é o amor pelo poder. Ele se origina da intenção de controlar os perigos existentes em nós mesmos, como o caráter incontrolável do desejo, da agressividade e do desamparo perante tais impulsos. Uma das maneiras de controlar as situações penosas é buscar a onipotência para obter segurança. Indivíduos que têm esse aspecto exacerbado de ambição pelo poder como meio de obter segurança podem se tornar ditadores, mas também podem vir a ser criminosos, bandidos, corruptos. Naturalmente, nos perigos da depressão econômica, com toda destruição, isso pode acarretar a oportunidade dos tiranos. A experiência de lidar com onipotência e desamparo começa na primeira infância. Quando essa experiência é falha, o indivíduo está vulnerável a ser corrupto, o que significa tentar de qualquer jeito alcançar uma forma de poder sobre os outros, enquanto nega em si próprio a fraqueza de caráter”.

2
O que faz alguém ser vulnerável à corrupção?

“Basicamente, duas coisas tornam uma pessoa vulnerável à corrupção: falhas na primeira infância, na capacidade de lidar com os sentimentos de ambição e agressividade, e, na segunda infância, um bombardeio acentuado com símbolos adquiridos, heteronímias, que dificultam a imaginação criativa e a capacidade de discernir entre o certo e o errado. Os recentes atos nas manifestações em Brasília demonstram minhas teses. Pessoas que escolhem PT, CUT, MST etc. e que são os responsáveis pelo vandalismo. Fazem isso porque porque são vulneráveis ao crime. E são vulneráveis porque desde a infância não conseguem controlar a agressividade e ambição de outra forma além da onipotência”.

3
Existe alguma relação entre ter mais ou menos dinheiro para virar um corrupto?

“Não existe relação com ter mais ou menos dinheiro para ser corrupto, mas com a ambição descontrolada e a agressividade. O dinheiro é revestido de um caráter onipotente que controla e encobre as falhas da personalidade”.

4
Como funciona a cabeça e a consciência de um corrupto?

“O corrupto é basicamente um indivíduo arrogante que despreza o conhecimento da verdade. Ele precisa de pessoas ingênuas para interagir e firmar uma cumplicidade. Sem elas, ele não conseguiria agir”.

5
Por que às vezes alguém que foi corrupto não confessa, ainda que com obviedades, como supostamente está fazendo o ex-governador Sérgio Cabral?

“Tem a ver com a resposta anterior. O indivíduo arrogante recorre à mentira como forma de tentar enganar os ingênuos e se manter como dono da verdade. Sérgio Cabral se deteriorou ética e moralmente à medida que foi se tornando cada vez mais mentiroso e arrogante. Teve o respaldo, obviamente, de outros mentirosos”.

6
O que faria alguém que foi criado sob bases éticas ser corrompido?

“Quem tem uma base ética sólida não é corrompível. A primeira regra ética básica é não fazer aos outros aquilo que não deseja que se faça consigo próprio. Esse é um princípio amoroso, e são as falhas na capacidade real para amar que levam aos desvios éticos. Somente o amor e a sabedoria podem contrapor-se à ambição desenfreada e ao ódio à verdade”.

7
Existe “cura” pessoal para a corrupção?

“Existe ‘cura’, mas, infelizmente, não para todos. Em certas personalidades, a necessidade da mentira se infiltrou tanto e se associou com o desejo de poder, que essa pessoa tornou-se um caráter psicopático. Não conseguem conceber o mundo sem mentir, agir de forma arrogante e tentar manipular os demais. Para haver ‘cura’, é preciso de um mínimo de tolerância à verdade e ao amor. Quem não suporta a ambos, como tanto temos visto na política, não tem solução real. Eles são como as portas do Inferno de Dante, onde se lê: aqueles que por aqui passam deixem para trás as últimas esperanças”.

Enviado por: Redação
27/05/2017 - 13:31

Cristo Redentor iluminado de verde para o Glaucoma

cristo

No alto, o Cristo Redentor iluminado de verde pelo Glaucoma; nesta foto, Isis Penido, padre Omar e Fernando Bicudo / Fotos: Sebastião Marinho

No alto, o Cristo Redentor iluminado de verde pelo Glaucoma; nesta foto, Isis Penido, padre Omar e Fernando Bicudo / Fotos: Sebastião Marinho

O Cristo Redentor passou a última noite iluminado de verde, pelo Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, 26 de maio – Lei Federal foi criada no governo Fernando Henrique Cardoso. Isis Penido (presidente da Abrag-Rio (Associação Brasileira dos Amigos, Familiares e Portadores de Glaucoma) convidou inúmeros amigos para a missa com o padre Omar, no Corcovado. Isis avisava: “No Brasil, existem seis milhões de portadores de glaucoma, sem sintoma, ou seja, não sabem. Essa doença pode causar cegueira.” dizia, abrindo os olhos de todos ali.

Enviado por: Lu Lacerda
27/05/2017 - 12:00

Cristina Cordula: casamento com empresário francês

Cristina Cordula e Frederic Cassin: Ex modelo carioca vai se casar com o presidente do canal de televisão francesa M6, em julho

Cristina Cordula e Frederic Cassin: Ex modelo carioca vai se casar com empresário da área de cosméticos 

O convite de casamento da ex-modelo carioca Cristina Cordula com empresário da área de cosméticos, o francês Frederic Cassin, já começou a ser distribuído. A cerimônia vai ser em Capri, em 7 de junho, com três dias de festa. Cristina, que vive na França há anos e tem um filho, Enzo, do primeiro casamento, está à frente de quatro programas no canal do futuro marido.

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 20:00

Teatro, por Claudia Chaves: ”E se eu não te amar amanhã?”

e-se-eu-na%cc%83o-tea-amar-amanha%cc%83_1_foto-de-paula-kossatz

Triângulos, sejam eles equiláteros, isósceles ou escalenos são sempre interessantes de se observar. Santíssima Trindade, símbolo maçon, os triângulos estão presentes nas culturas cristã, hindu, egípcia e babilônica. Triângulo também fala de início, meio e fim – e corpo, alma e espírito. O espetáculo ”E se eu não te amar amanhã?”, no Teatro Leblon, mistura esses elementos em um triângulo amoroso/amigo/sexual, com texto inédito de Julia Spadaccini e direção de Sandra Werneck.

Luana Piovanni (Samantha) e Leonardo Medeiros (escritor) representam um casal que têm os impasses mais comuns do mundo. E o amigo, Zé Roberto, interpretado por Marcelo Laham, torna ainda mais comum a história de amor. A forma de se apaixonar, o aborrecimento do casamento e o estado em que se fica recém-separado.

“No cinema sempre gostei de dirigir atores. Como é a minha primeira viagem nesta área, espero aprender muito e colaborar com a minha experiência”, “Nos  encontramos, Julia e eu, e conversamos muito. Foi uma empatia, uma intuição que eu estava escolhendo a pessoa certa, para escrever o que eu estava querendo”, comenta Sandra.

Poderia ser mais uma comédia, um pequeno drama. Mas ”E se eu não te amar amanhã?” é construída como se constrói a vida. Parte-se de um ponto, não se consegue seguir em linha reta, volta-se atrás, vira-se de lado, marcha a ré, aceleração, freada, ”pit-stop”. E qual história de amor não é assim?

Serviço:
Teatro do Leblon
Quintas a Sábados às 21h
Domingo às 19h

tarja-claudiachaves

Enviado por: Redação
26/05/2017 - 18:30

Artistas (na plateia) que têm mais apelo com o público

beatriz-fatima-bernardes-e-laura-8x7a7582

debora-falabella-e-murilo-benicio-8x7a7594

sasha-e-bruna-marquezine-8x7a7605

fernanda-gentil-e-priscila-montandon-8x7a7793

De cima para baixo, Fatima Bernardes com as filhas Beatriz e Laura; Sasha Meneghel e Bruna Marquezine; Debora Falabella e Murilo Benicio; Fernanda Gentil e Priscila Montandon / Fotos: Reginaldo Teixeira/CS Eventos Divulgação

O cantor britânico Ed Sheeran atraiu uma multidão ao Jeunesse Arena, na Barra da Tijuca, nessa quinta-feira (25/05): 16 mil pessoas, segundo consta. Entre eles, muitos artistas com os filhos, tanto crianças quanto adolescentes! Alguns têm um apelo muito maior com o público, como o casal Fernanda GentilPriscila Montandon ou Fátima Bernardes e as filhas Beatriz e Laura. O momento de maior gritaria foi quando Ed saiu do palco, voltando em seguida com a camisa da seleção: a garotada enlouqueceu. A saída por um único portão deixou alguns convidados revoltados, os pais, na maioria.

Enviado por: Redação
26/05/2017 - 18:00

Peças do antiquário de Herchcovitch e Fábio Souza agora no Rio

lz-studio
lz-studio-2

Na primeira foto, Fabio Souza, Alexandre Herchcovitch, Rony Meisler e Anny Meisler; na segunda, André Carvalhal; na tereceira, Paola Ribeiro; nesta foto, Luiz Felipe Burdman Marcela Oliveira Bruna Eckhardt e Diogo Damatta na LZ Studio, em Ipanema / Fotos: Ari Kaye

Na primeira foto, Fabio Souza, Alexandre Herchcovitch, Rony Meisler e Anny Meisler; na segunda, André Carvalhal; nesta foto, Luiz Felipe Burdman Marcela Oliveira Bruna Eckhardt e Diogo Damatta na LZ Studio, em Ipanema / Fotos: Ari Kaye

Peças do antiquário À La Garçonne (de Alexandre Herchcovitch e Fábio Souza) já podem ser encontradas no Rio: Anny Meisler, dona da LZ Studio, fez parceria com o casal e organizou coquetel na loja, em Ipanema, nessa quinta-feira (25/05), para comemorar. Alguns arquitetos estão adorando dispor dessas peças que bombam em São Paulo. Foi lançado também mais uma edição da LZ Arte, com artistas, tais como Lattoog, Ani Cuenca, Gian Baldacconi.

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 17:32

Jornalistas participam de evento do câncer de mama por solidariedade

Marcelle Medeiros, presidente da Fundação Laço Rosa, entre as jornalistas Larissa Erthal e Ana Paula Araújo no Fórum de Políticas Públicas para Câncer de Mama / Foto: divulgação

Marcelle Medeiros, presidente da Fundação Laço Rosa, entre as jornalistas Larissa Erthal e Ana Paula Araújo no Fórum de Políticas Públicas para Câncer de Mama / Foto: divulgação

Aconteceu, nessa sexta-feira (26/05), o encontro de mulheres com câncer de mama com gestores, associações médicas, ONGs e parlamentares, promovido pela Fundação Laço Rosa – instituição de políticas públicas para o câncer de mama e defesa de direitos de pacientes: o Fórum Nacional de Políticas Públicas para o Câncer de Mama. Foi apresentada uma pesquisa inédita do Instituto Data Folha com o panorama da doença nas quatro capitais líderes desse mal: Rio, São Paulo, Porto Alegre e Distrito Federal. Entre os dados mais alarmantes, está o que revelou que, em média, as mulheres esperam até 4,4 meses para o diagnóstico, 3,5 meses entre o diagnóstico e o início do tratamento e outros 2,6 meses para a radioterapia. Cirurgia de reconstrução de mama são mais de 8 meses. “É um processo muito lento para quem não tem tempo a perder”, disse a jornalista Ana Paula Araújo, apresentadora do evento com a colega Larissa Erthal – ambas participaram por solidariedade!

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 16:30

Reinaldo Azevedo: jornalista que teve conversas com Andrea Neves vazadas, é o novo contratado da BandNews FM

Reinaldo Azevedo: jornalista que teve conversas com Andrea Neves vazadas, é o novo contratado da BandNews FM / Foto: reprodução IG

Reinaldo Azevedo: jornalista que teve conversas com Andrea Neves vazadas, é o novo contratado da BandNews FM / Foto: reprodução IG

Depois de ter suas conversas com Andréa Neves vazadas esta semana e, por essa razão, ter se demitido da revista Veja e da Jovem Pan, Reinaldo Azevedo, colunista da Folha de São Paulo (e com reputação, ao contrário de muitos políticos), acaba de ser contratado pelo Grupo Bandeirantes para atuar na rádio. Além da conversa com a irmã do senador afastado Aécio Neves, um diálogo particular com a mãe do jornalista também veio à tona, causando muita revolta em toda a classe. A partir de agora, Reinaldo vai manter a coluna semanal no jornal paulista, comentários para o ‘Rede TV News’, blog com postagens na mesma rede, e programa diário na BandNews FM. Sobre o vazamento, o ministro Edson Facchin mandou investigar o caso, depois de Azevedo ter entrado com ação no Supremo Tribunal Federal.

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 15:15

Carol Lenz: nome da estamparia carioca faz exposição

carol-2
joana-cesar
vitor-e-priscila

Na primeira foto, Ana Petrik, Juliana Couto, Carolina Lenz e Fernanda Nobre; na segunda foto, Joana Cesar e Sergio Meirelles; na terceira foto, Vitor Brasil e Priscila Jansen; nesta foto, Carol Lenz com Graça e Arnaldo Cesar Coelho na exposição em Ipanema / Fotos: Miguel Sá

Na primeira foto, Ana Petrik, Juliana Couto, Carol Lenz e Fernanda Nobre; na segunda foto, Joana Cesar e Sérgio Meirelles; na terceira foto, Vitor Brasil e Priscila Jansen; nesta foto, Carol Lenz com Graça e Arnaldo Cesar Coelho na exposição em Ipanema / Fotos: Miguel Sá

Conhecida no meio da moda, por fazer as estampas de muitas das principais marcas brasileiras, Carol Lenz (e sua vida sempre colorida!) inaugurou a exposição “Bastidores”, nessa quinta-feira (25/05), no Felice Café, em Ipanema. A mostra revela como é feito o processo de estamparia de uma roupa, do tecido até a peça final. Com vários painéis de seda, cada um com 2 metros de comprimento e quadros com ilustrações de estampas já conhecidas, muita gente passou por lá. Carolina é sócia do “Coletivo Estampa”, plataforma online para o mercado de varejo e indústria da moda têxtil e decoração. Atualmente, atende clientes de todo o Brasil, e também Nova York, Califórnia, Londres e até marcas da China e da Austrália. Os textos de apresentação foram assinados pela artista Joana César. Várias gerações estiveram lá, desde amigos da família, como o comentarista Arnaldo Cesar Coelho, até outros tantos nomes ligados à moda.

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 14:00

Andrea Marques: 10 anos da marca e começo de parcerias

Andrea Marques, Patricia Mayer, Michelle Lima e Patricia Marques: todas comemorando a estilista em Ipanema / Foto: Joselito Siqueira

Andrea Marques, Patricia Mayer, Michelle Lima e Patricia Marques: todas comemorando a estilista em Ipanema / Foto: Joselito Siqueira

Às vésperas de completar 10 anos de marca própria, Andrea Marques se mantém fiel às raízes. Ex-“aluna” da estilista Maria Cândida Sarmento – trabalhou por 14 anos como diretora criativa da Maria Bonita Extra -, Andrea rema com força e estilo contra a maré: faz roupas além das tendências, com uma equipe enxuta de funcionários, para sua única loja no Rio, o que dá sempre um clima de maior exclusividade. Criteriosa na hora de firmar parcerias, Andrea acaba de assinar uma colaboração com a Blue Bird Shoes, de sapatos feitos à mão. O lançamento foi nessa quinta-feira (25), em Ipanema.

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 13:40

Marco Maggi: exposição em Ipanema

marco-e-gabi

miguel-e-paula

marco-3

Na primeira foto, Marco Maggi - Gabriela Moraes; na segunda, Miguel Pinto Guimarães e Paula Marinho; na terceira, Fernanda Moraes e Maria Antonia Ferraz; nesta foto, Nadia Nightingale e Lucca Malta na galeria Nara Roesler, em Ipanema / Fotos: Paulo Jabur

Na primeira foto, Marco Maggi e Gabriela Moraes; na segunda, Miguel Pinto Guimarães e Paula Marinho; na terceira foto, Fernanda Moraes e Maria Antonia Ferraz; nesta foto, Nadia Nightingale e Lucca Malta, na galeria Nara Roesler, em Ipanema / Fotos: Paulo Jabur

Muitos cariocas estiveram na Galeria Nara Roesler, em Ipanema, nessa quinta-feira (25/05), para abertura de “O Ouro e o Mouro”, do artista uruguaio Marco Maggi, que vive em Nova York. “O Ouro e o Mouro” é formada por desenhos produzidos em 2017, além do vídeo Global Myopia, de 2015, que mostra a obra homônima mostrada na 56ª Bienal de Veneza, em 2015. “Meu único objetivo é escrever texturas ou criar desenhos de alta “in-definição” que promovam pausas e tornem o tempo visível”, disse o artista.

Enviado por: Lu Lacerda
26/05/2017 - 12:00

Marisa Monte: gravação de DVD do cantor Silva

Marisa Monte: a cantora deve participar de gravação com o capixaba Silva, no próximo dia 8, em São Paulo, o DVD de seu álbum "Silva Canta Marisa" / Foto: reprodução IG

Marisa Monte: a cantora deve participar de gravação com o capixaba Silva, no próximo dia 8, em São Paulo, o DVD de seu álbum “Silva Canta Marisa” / Foto: reprodução IG

O cantor capixaba Silva vai gravar, no próximo dia 8, em São Paulo, o DVD de seu álbum “Silva Canta Marisa”, em que só solta a voz em sucessos de Marisa Monte, como “Beija Eu” e “Infinito Particular”. A participação da cantora no vídeo não é confirmada, mas, como a presença dela no show do Rio, em abril no Vivo Rio, também não foi, e ela apareceu, os fãs estão contando com sua voz ao vivo na Casa Natural Musical, onde será gravado o DVD.

Na apresentação carioca, Marisa cantou três músicas: “Noturna”, que gravou com Silva para o novo álbum, a sua “Velha Infância” e “Feliz e Ponto”, do CD anterior dele, “Júpiter”, lida na simplicidade de uma folha de papel.

Enviado por: Lu Lacerda
25/05/2017 - 19:00

Moda, por Bebel Schmidt: como usar bijoux no inverno

colagem-1

Sempre comento por aqui sobre a força dos acessórios numa produção; e hoje é dia de falar de bijoux. Muitas vezes, a dúvida é como usá-los no inverno, já que as mangas são compridas, temos gola rulê, etc… Enfim, o corpo fica coberto.

Para facilitar e nos inspirar, mostro algumas opções e dicas de como as peças podem ser usadas!

Lembrando…

1- Colares longos aumentam o busto (bom para quem tem seios pequenos).
2- Colares curtos e médios valorizam o colo e desfocam a atenção para quem tem peito grande ou é gordinha.
3- Braceletes colocados por cima de mangas compridas aparecem mais e dão acabamento à blusa.
4- Com cabelos soltos ou presos, invista em brincos.

Sinta-se segura com a produção escolhida e que seja de acordo com sua personalidade!!!

colagem-2

colagem-3

Visite também o isfashionmag.com.br

Bjkss

Bebel

tarja.bebelschmidt

Enviado por: Redação
25/05/2017 - 18:18

O que Sérgio Moro disse sobre absolvição de Cláudia Cruz

claudia-cruz

Cláudia Cruz: jornalista é absolvida por Sérgio Moro - quatro momentos de Cláudia aqui no site / Fotos: Bruno Ryfer e Armando Araújo

Cláudia Cruz: jornalista é absolvida por Sérgio Moro – quatro momentos de Cláudia aqui no site / Fotos: Bruno Ryfer e Armando Araújo

Foi este o argumento de Sérgio Moro sobre absolvição de Cláudia Cruz, nesta quinta-feira (25/05), pelas acusações de lavagem de dinheiro e evasão de divisas: “Embora tal comportamento seja altamente reprovável, leva à conclusão de que a acusada Cláudia Cruz foi negligente quanto às fontes de rendimento do marido e quanto aos seus gastos pessoais e da família. Não é, porém, o suficiente para condená-la por lavagem de dinheiro”. Segundo as investigações da Lava-Jato, as contas vinculadas aos cartões de crédito usados por ela eram abastecidas com propinas recebidas pelo ex-deputado, o marido, Eduardo Cunha. A tese da defesa da jornalista é de que ela desconhecia a origem do dinheiro das contas vinculadas aos seus cartões de crédito. Essa tensão circundava a vida da jornalista há quase um ano, desde junho do ano passado. Tendo sido Cláudia Cruz sempre personagem aqui no site, resolvemos dar a informação.

Enviado por: Lu Lacerda
25/05/2017 - 16:30

Dussek no MIS: “Demorei 40 anos para deixar de ser metido. Hoje sou modesto, apesar de loiro”

_mg_0012

A cantora Leiloca, ex-Frenéticas, Eduardo Dussek, Rosa Maria Araújo, presidente do MIS e o jornalista Artur Xexéo durante o “Depoimentos para a Posteridade”, no MIS / Fotos: Guilherme Maia

O cantor, compositor e ator Eduardo Dussek foi o convidado do mês na série Depoimentos para a Posteridade. Cantarolando muito animado, um verdadeiro showman, chegou ao museu em seu Fusca conversível – uma de suas grandes paixões -, com a amiga e cantora Leiloca, também sua entrevistadora no debate. Ali já estavam os jornalistas Artur Xexéo, Bernardo Araújo e o produtor cultural Haroldo Costa, para a sabatina de quatro horas.

Infância: “Sempre fui uma criança metida. A verdade é que demorei 40 anos para deixar de ser metido. Hoje sou modesto, apesar de loiro. Mesmo criança, eu já bebia. Sei que é politicamente incorreto dizer isso, mas é verdade. Meus pais são europeus – sou filho de uma húngara e um tcheco e, na Europa, é tradição oferecer, aos domingos, vinho misturado com água e açúcar para crianças. Por isso, desde os 6 anos eu já bebia.”

Madame Satã: “Quando tinha 11 anos, fui com minha irmã a um bar de uma uruguaia na Lapa. As pessoas dançavam, tinha muita cantoria. Eis que chega uma pessoa diferente no salão. Começou um burburinho no ambiente e, quando perguntei quem era, foram logo dizendo que se tratava de Madame Satã. Aquela figura me encantou de cara. Eis que ela veio em minha direção e me chamou para dançar, em par. Era todo ‘boyzinho’. No final da dança, recebi até um beijo na mão. E pensar que até hoje me perguntam quando saí do armário, mas, lá em casa, era closet, sempre.”

Encontro com músicos e artistas: “Fui morar em um apartamento na Rua Álvaro Ramos, em Botafogo, com Luiz Fernando Guimarães. Roque Conceição e Luiz Fernando de Castro, nos anos 70. Ali era uma rua onde só vivia gente do cinema. Fazíamos encontros com apresentações artísticas, onde, no final, passávamos o chapéu para arrecadar uma grana. Gil apareceu para me ver, pois começaram a comentar pela cidade sobre nossas apresentações. Eu, todo maquiado, com um salto enorme, bem David Bowie, e ele, de macacão largo, bem Gil. Depois vieram Gal e toda a baianada da música.”

Carmen Miranda: “Minha primeira composição foi aos 11 anos, ‘A baianinha’, uma marchinha carnavalesca em homenagem a Carmen Miranda. E foi justamente, aqui no MIS, em uma exposição sobre ela, que vim visitar com minha mãe, que fiquei encantado com a Carmen. Quando voltamos pra casa, compus esta canção da forma mais natural possível. Acho que Carmen me guia até hoje, em todos os meus trabalhos.”

Enviado por: Lu Lacerda