20/05/2018 - 13:30

Os 90 anos de Luiz Carlos Barreto

Foto de:

Em seu convite de aniversário, o cineasta Luiz Carlos Barreto, o Barretão, aparece numa montagem vestindo a camisa da Seleção Brasileira com o número 90 abaixo do escudo e uma das mãos no ouvido, como se tivesse acabado de marcar um golaço. Nesse clima elevadíssimo, ele reuniu muitos amigos para comemorar nove décadas, nesse sábado (19/05), no Itanhangá. “Não importa se faço 20, 40, 60 ou 90! O que importa é a idade que eu sinto. Tenho os anos de que preciso para viver livre e sem medos. Para seguir sem medo pelo caminho, pois levo comigo a experiência adquirida e a força de meus anseios”, dizia o convite, com frase atribuída a José Saramago.

Entre um pratos de feijoada, muito champanhe e caipirinhas, um mix de gerações – entre crianças, jovens e amigos da vida inteira. Lucy Barreto, mulher do aniversariante e parceira de trabalho há 64 anos, produziu um vídeo com depoimentos carinhosos de pessoas que acompanham os 73 anos de carreira de um dos nomes mais importantes do cinema brasileiro. Fernanda Montenegro fez sucesso com a criançada, que pediu uma foto coletiva com a atriz. “Você não pode imaginar: agora, os velhos é que estão com tudo, cheios de novos fãs”, disse ela à fotógrafa. Flamenguista doente, o bolo era uma homenagem ao seu time do coração, com um bonequinho vestindo a camisa rubro-negra. E assim seguiu o almoço, que começou às 14h e foi até altas horas. Veja as fotos.

Enviado por: Redação
20/05/2018 - 13:00

Ivens Machado: abertura de primeira mostra depois de sua morte

Foto de:

A turma das artes já estava com altas expectativas para a inauguração da exposição “Corpo e Construção”, a primeira de Ivens Machado depois da sua morte, em 2015, aos 72 anos, na Carpintaria, espaço da Fortes D’Aloia & Gabriel, no Jardim Botânico, nesse sábado (20/05). São cinco esculturas em materiais como concreto, ferro e entulho de obra, feitas entre 1991 e 2006, além de um tríptico fotográfico com o registro da sua “Performance com bandagem cirúrgica”, de 1973. O trabalho de catalogação e conservação das obras foi feito pela designer Mônica Grandchamp, assistente de Ivens por muitos anos, e pela galerista Márcia Fortes, que espera que a mostra seja um passo para divulgar ainda mais o trabalho de Machado, inclusive no exterior – ela levou uma de suas esculturas para a feira Frieze de Nova York, no início do mês. Confira quem passou por lá na Galeria.

Enviado por: Redação
20/05/2018 - 12:00

Seis perguntas para Eduardo Faveret (sobre canabidiol)

eduardo-faveret-d

Eduardo Faveret é o nome quando se fala em tratamentos à base de canabidiol, uma das 113 substâncias químicas encontradas na cannabis (substância extraída da maconha). O neurologista, do Instituto Estadual do Cérebro (IEC) e diretor da Associação de Apoio à Pesquisa a Pacientes de Cannabis Medicinal (Apapi), acaba de participar do seminário internacional sobre o assunto no Museu do Amanhã, neste fim de semana, ainda envolto em muita polêmica esbarrando em burocracias, preconceitos e falta de conhecimento. Faveret acompanha mais de 300 pacientes que fazem uso do remédio, liberado para importação em 2014 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

1
Quando o canabidiol produzido no Brasil terá qualidade comparável ao americano?  

As alternativas estão se multiplicando. Antes, era só nos Estados Unidos, onde é vendido como suplemento alimentar; então, o controle é menos rigoroso. Aqui, já existe uma cooperativa, a Abrace Esperança, na Paraíba, que já tem uma autorização para o cultivo coletivo. Existem várias outras em funcionamento no País, produzindo óleo com qualidade, mas que não são reguladas – daí o risco de ter pessoas que fraudam, exatamente porque não é uma coisa totalmente oficial.

2
Quais as mudanças que seus pacientes tiveram com o canabidiol?  

Mudanças no controle das crises epiléticas (entre 10% e 20% ficaram completamente controladas), no tratamento de câncer, esclerose múltipla, ansiedade, depressão, dor etc. E estamos falando de pacientes que eram resistentes a todos os outros tipos de tratamento. Cerca de 45% tiveram uma melhora muito grande, e 80% tem alguma melhora. Também percebi uma melhora na ansiedade, sono, humor, tensão, doenças inflamatórias em geral, melhora do colesterol, obesidade, depressão, lúpus, diabetes, parte cognitiva e motivacional.

3
Que medicamentos podem ser substituídos pelo canabidiol?  

Tem pessoas que estão tomando vários medicamentos para uma doença só. O canabidiol age de forma conjunta, ajudando nas diabetes, doenças inflamatórias, como as autoimunes; na psiquiatria, ele é um medicamento revolucionário por ter o menor perfil de efeitos colaterais e atuar de forma ampla; pode substituir vários anticonvulsivantes, anti-inflamatórios, que fazem mal para os rins, e os corticoides, que causam imunossupressão, e ajuda a combater a osteoporose. O canabidiol também substitui remédios para dor, como os opiáceos (derivados do ópio), o que já aconteceu em países com acesso liberado ao medicamento, que diminuiu em seis vezes o consumo de morfina e derivados, além de remédios de quimioterapia.

4
Pela sua intimidade com o assunto, sendo médico, falta muito para ser liberado, sem a burocracia atual com a Anvisa?  

Eu acredito que não falta muito para ser liberado. Deve acontecer ainda neste governo, mas, se não for agora, só depois das eleições; aí também vai depender muito de quem entrar e de qual rumo o País vai tomar. Mas, sem dúvida, pelo avanço em todos os países em termos de ciência e que não há explosão de consumo, que há a redução de mortes por conta da diminuição dos efeitos colaterais, a gente tem que batalhar pra isso acontecer rápido. Do contrário, vamos ficar só comprando coisas de outras nações.

5
Qual a melhor administração do remédio?  

Uma delas seria a via oral, a de menor aproveitamento porque, ao cair no estômago, ele vai ser transformado no fígado, e você vai ter uma perda grande dos fitocanabinoides. Então, melhor que ingerir, seria colocar as gotinhas na mucosa da boca para deixar absorvendo por alguns minutos. Tem pessoas que fazem nasal, por spray ou sublingual. Existe também a administração transcutânea, usada na pele da nuca; e o fumo ou vaporização – na primeira tem a fumaça que contém outras substâncias, não sendo a ideal; já a vaporização do óleo (como naquele cigarro eletrônico) dá resultado em 10 minutos – muito interessante em casos de dor e ansiedade. O problema é que, na vaporização ou no fumo, o efeito dura menos, de quatro a cinco horas, enquanto, na mucosa, você pode tomar só duas vezes ao dia.

6
Acredita que existe um preconceito, uma confusão no uso da substância como remédio e o uso recreativo?  

Ainda existe bastante preconceito da população geral, mas principalmente dos médicos, que ainda estão muito pouco informados. É preciso trabalhar isso na grade curricular do profissional de saúde. Os próprios médicos ainda confundem o canabidiol com o THC, uma substância psicoativa que tem algum risco psiquiátrico e cognitivo para uma população específica. Podemos dizer que o uso social ou recreativo também é um uso medicinal, até certo ponto, porque, da mesma forma que algumas pessoas tomam uma taça de vinho para relaxar, usam a canabis para dormir melhor, para aumentar a libido; então, muitas vezes, é uma necessidade, mesmo que ainda não seja claro que ela é uma pessoa doente, mas usa para o seu bem-estar. Existe, claro, a situação do abuso: a pessoa que tem uma tendência às drogas e que vai passar a fazer uso regular de forma pesada, diária, que vai comprometer o dia a dia.

Enviado por: Lu Lacerda
19/05/2018 - 18:00

Marqueteiro de Crivella vai trabalhar com Flávio Rocha

daniel-braga

Daniel Braga: gestor da comunicação digital da Prefeitura do Rio, vai ser o marqueteiro de Flávio Rocha, candidato à Presidência da República / Foto: reprodução

Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, candidato à Presidência da República pelo PRB, já tem o seu marqueteiro: Daniel Braga – tudo foi definido na casa de Flávio, no Jardim América, em São Paulo, nessa sexta-feira (18/05). Com talento especial para as redes sociais, Daniel já trabalhou, por exemplo, com o presidente Michel Temer e com o prefeito João Doria e é atualmente gestor da comunicação digital da Prefeitura do Rio. Os cariocas em geral não têm percebido grandes mudanças na imagem de Crivella nos últimos meses, não. Espera-se, com o presidente da Riachuelo, que os resultados sejam mais imediatos visto que as eleições são dia 7 de outubro. Ele vai acumular os dois cargos.

Enviado por: Lu Lacerda
19/05/2018 - 16:30

Lagoa ganha novos moradores: 120 caranguejos

lagoa-voluntaiors

“Movimento Conhecer para Conservar”: ação com 250 voluntários solta 120 caranguejos na Lagoa, além da limpeza e replantio de vegetação /Foto: Divulgação

Na tarde deste sábado (19/05), antes da ventania na cidade, 250 voluntários divididos em nove grupos se uniram para a ação “Movimento Conhecer para Conservar”, criado pelo AquaRio em parceria com o Instituto Manguezal, do biólogo Mário Moscatelli, na Lagoa. Um dos grupos soltou 120 caranguejos da espécie guaiamum, trazidos de Guaratiba, na vegetação de mangue, além de fazerem a limpeza e o replantio de 100 mudas típicas das margens da Lagoa. Moscatelli já plantou mais de 4,5 mil mudas de mangue nas margens da Lagoa, recuperando 75% do ecossistema do local.

Enviado por: Redação
19/05/2018 - 15:00

Peça “Contracapa” estreia no Rio

postar-roberto-frota-priscila-vidca-e-rocio-duran

postar-heitor-martinez-e-saulo-rodrigues

postar-norma-thire-e-sergio-fonta

“Contracapa”: na primeira foto, Roberto Frota, Priscila Vidca e Rocio Durán; na segunda, Heitor Martinez e Saulo Fernandes; na terceira, Norma Thiré e Sérgio Fonta /Fotos: Cristina Granato

Estreou, nessa sexta-feira (18/05), o espetáculo “Contracapa”, com texto inédito de Suzana Nascimento e direção de Priscila Vidca, na Casa de Cultura Laura Alvim, sobre as escolhas que as pessoas fazem ao longo da vida e suas respectivas consequências. No palco, José Karini, Rocio Durán, Saulo Rodrigues e Roberto Frota, feliz da vida, comemorando seus 50 anos de carreira, depois de ter lançado seu primeiro livro, o romance policial “Mão de flor”.

Enviado por: Redação
19/05/2018 - 13:00

De Próprio Punho, por Claudia Matarazzo: Meghan X Harry

harry-e-meghan-2

“O que percebi do casamento real foi a emoção: das músicas escolhidas, o coral gospel, o discurso dramático do pastor americano e a troca de olhares entre os noivos – nunca antes na história da Inglaterra, a monarquia divertiu-se de verdade em uma cerimônia de casamento. Era visível no olhar de todos os convidados e, principalmente, nos sorrisos espontâneos do irmão do noivo, William, e do pai, Charles, o quanto se divertiam e se emocionavam a cada etapa. Harry derretia-se literalmente de amor: seu olhar para Meghan e o beijo fora do protocolo assim que saíram da igreja disseram tudo. Ela, por sua vez, mostrava-se devidamente encantada, porém no controle: ciente dos olhos do mundo e da mídia sobre sua pessoa, exibiu uma compostura de dar inveja à própria Rainha Elizabeth II, que tem mais de 60 anos de tarimba.

O vestido da Maison Givenchy (mas de uma estilista inglesa diretora da marca na Inglaterra) prova que ela saberá ceder sempre que necessário: prestigiou os ingleses em detrimento, entre outros, da amiga canadense Jessica Mulroney, com quem provavelmente tinha mais afinidade, e deu aos filhos dela o privilégio de acompanhá-la no carro e levarem seu véu. Diplomacia é isso. E, de quebra, entrou com um lindo vestido elegante, simples e com metros e metros de véu em delicada renda, pra princesa nenhuma botar defeito. Finalmente, se alguém ainda duvida da aprovação da avó de Harry a Meghan, basta ver a tiara de diamantes escolhida por Elizabeth II para a noiva: nada menos do que a de sua própria mãe; a peça é uma das mais lindas e importantes da fabulosa coleção da Torre de Londres.

Eu acho que “felizes para sempre” talvez seja um exagero romântico, mas que o casamento começou muito bem, cheio de emoção e beleza, não resta dúvida! Meghan Markle não é, nem de longe, a primeira plebeia a se casar com um príncipe: a argentina Máxima Zorreguieta casou-se com o príncipe Willem-Alexander e virou uma rainha; Rania da Jordânia, idem; Letízia da Espanha, também…. No entanto, Meghan traz uma carga extra de encanto, aliás, carga dupla de diversidade: afrodescendente e americana (que, para os ingleses, exerce um fascínio quase como se fosse de outro planeta). E mais: as plebeias que se casaram com outros príncipes não suscitam esse clamor global.

Qual a diferença desses príncipes da Casa de Windsor!? Para começar, essa é uma monarquia que, desde sempre, se orgulhou de ser monarquia e jamais pediu desculpas por sua nobreza. Isso faz diferença. As outras casas reais insistem em levar uma vida discretíssima, perto do normal. A Rainha Elizabeth (e seus ancestrais) nunca fizeram isso; ao contrário: saem de carruagem em meio ao trânsito, comparecem com coroa e cetro em atos públicos oficiais, o que é tradição, e – principalmente – mantêm uma relação de amor-ódio-respeito com a mídia, que está sempre pronta a divulgar exatamente o que eles querem. Só que, como boa filha de italianos, acho que a rainha podia liberar para os convidados dos jardins (cerca de 2 mil) um “fish and chips” básico; afinal, é uma das mulheres mais ricas do mundo.”

Claudia Matarazzo é jornalista, cerimonialista e palestrante.  

Enviado por: Lu Lacerda
19/05/2018 - 12:00

“Shell Open Air”: noite de festa na Marina da Glória

postar-tais-araujo-e-lazaro

martnalia-e-cinara-leal

isabel-fillardis-e-samantha

jonathan-e-marcello-melo

iza-tony-e-pretinho

“Shell Open Air”: na primeira foto, o casal Taís Araújo e Lázaro Ramos; na segunda, Mart’Nália e Cinara Leal fazendo o símbolo do Pantera Negra; na terceira, Isabel Fillardis e Samantha Schmütz; na quarta, Jonathan Azevedo e Marcelo Melo; na quarta, Iza todo-poderosa, Tony Tornado e Pretinho da Serrinha /Fotos: Felipe Panfili

A Marina da Glória ficou lotada nessa sexta-feira (18/05), no evento Shell Open Air, com a exibição de “Pantera Negra”, o 10º filme de maior bilheteria de todos os tempos. Gente que já assistiu ao longa, não estava nem aí para o repeteco no enorme telão à beira da Baía de Guanabara, com o Pão de Açúcar ao fundo e o Corcovado lá atrás. A noite foi uma festa à cultura negra e um desfile de estilos – roupas, cabelos e atitude. O casal Taís Araújo e Lázaro Ramos estava lá no meio da plateia, atentos à história do rei-guerreiro da nação africana fictícia de Wakanda. Mas a exibição pode ter sido apenas uma desculpa para assistir aos shows do evento: no palco, Pretinho da Serrinha ao lado da Big Black Band com convidados como Iza, a cantora da vez, Jonathan Azevedo e Tony Tornado. Foi um bailão real, daqueles que ninguém conseguia ficar parado: a atriz Samantha Schmutz sambava ao som de “Sorriso Negro”; Isabel Fillardis fazendo a passista ao som de clássicos do samba; Mart’nália chegou atrasada, toda esbaforida, achando que o evento ainda acontecesse no Jockey – deu de cara com os cavalos. Mas ela chegou a tempo de conferir a noitada boa. O evento segue até 3 de junho, de quarta a domingo.

Enviado por: Redação
18/05/2018 - 19:50

Gisele Bündchen: lançamento de livro e bate-papo em SP

gisele-bunchen-sp

pedro-paulo-diniz-paul-gi-e-outro

Gisele Bündchen lança livro em São Paulo e participa de bate-papo com Pedro Paulo Diniz, Paul Hawken e Carlos Nobre /Foto: AG.News

Se tem Gisele Bündchen, tem frisson: a modelo esteve nesta sexta-feira (18/05), no MAM-SP, para lançar o seu livro “Drawdown – 100 iniciativas poderosas para resolver a crise climática”. Espaço lotado, a maioria, fotógrafos e jornalistas, além dos fãs, que a seguem como novela. Gisele esteve com o empresário Pedro Paulo Diniz, que a apresentou ao projeto Believe.Earth e, desde então, virou porta-voz da causa; do editor da publicação, Paul Hawken, e do cientista Carlos Nobre. “Paul fez um trabalho incrível, mostrando soluções criativas e eficazes para cuidar do nosso meio ambiente. E adivinha quem é a chave para toda essa mudança? Nós!”, escreveu ela nas redes sociais, momento antes do evento. Natureba, ela bateu um papo sobre sua rotina sem consumismo, o uso de marcas ecologicamente corretas, consciência ambiental etc. Ano passado, ela abriu o Rock in Rio, falando sobre o Believe.Earth e também ganhou o prêmio Eco Laureate durante o Green Carpet Fashion Awards, evento que encerrou a Semana de Moda de Milão.

Enviado por: Redação
18/05/2018 - 19:30

Programe-se: agenda para o fim de semana

agenda-14

Por mais que você não esteja tão feliz como Meghan Markle – por se tornar a sua-alteza-real-princesa-Harry-de-Gales neste sábado (19/05) -, espera-se também não fique tão triste quanto o Zé Dirceu: a partir desta sexta-feira (17/05), voltou à prisão, onde vai dividir uma cela coletiva na Penitenciária da Papuda, em Brasília. Isso, aos 70 anos.

Já que o programinha ideal é para lugares fechados, vamos às sugestões de shows em áreas bem cobertas: nesta sexta-feira (18/05), Diogo Nogueira apresenta-se no Vivo Rio, com o show “Munduê”, a partir das 20h; a banda jamaicana de reggae “The Congos” toca no Circo Voador, também nesta sexta; no sábado (19/05), no Vivo Rio, tem show de Rita Pavone e, no Circo Voador, da cantora Mariene de Castro, com a turnê “Santo de Casa”; no domingo (20/05), o cantor de heavy metal Ozzy Osbourne diz “adeus” aos palcos cariocas no Jeunesse Arena, na Barra, com sua turnê de despedida “No more tours”.  

Baiana, amiga da coluna, quer saber onde encontrar homens no Rio do tipo que faz a gente precisar-de-máscara-de-oxigênio. Oi? A não ser entre o povo de 20, só se for o paulista inquilino do Cabral! (rsrs)

Programou tirar o branco desse corpão com muita vitamina D natural? Pode tirar o guarda-sol do porta-malas. Segundo o Climatempo, vem frente fria por aí, já neste sábado (19/05); a temperatura pode cair 10 graus no domingo (20/05). Sugestão: sexo, cinema, restaurante com esse marido com hálito de hortelã.

Se você é do tipo carioca apaixonado por Portugal (como metade da Zona Sul carioca), pode gostar: a partir desta sexta-feira (18/05), na Cidade das Artes, na Barra, o “Portugal 360”, com palestras, degustações e arte. Dentre as atrações, a fadista Ana Moura, queridíssima dos portugueses, apresenta-se no domingo (20/05), às 20h.

Para avó, pai, filho, periquito e papagaio: o “Baile da Cutia”, neste sábado (19/05) e domingo (20/05), reúne integrantes do bloco carnavalesco Sargento Pimenta e elenco para uma apresentação de diferentes ritmos musicais, com interação de todo o público, em uma grande festa. A montagem acontece no palco do Teatro Glauce Rocha, no Centro.  

O Shell Open Air é um ótimo programa para os mais românticos: na Marina da Glória, com uma vista linda. Só filmaço; o único problema é não haver mais ingresso. Tem shows gratuitos também. Mais informações, no site.

Quer entrar no clima do casamento Real? Corre pro Londra, no Fasano, neste sábado (19/05), que vai rolar o projeto “Vinyl Sessions”, com muito rock britânico dos DJs Marcelo VRe, Rick Miranda e José Roberto Mahr. A lista de convidados é de Ricardo Dale. 

Programinha gratuito: o festival de teatro e dança “Palco Giratório”, na Escola Sesc, recebe a pernambucana Flávia Pinheiro para apresentar o solo “Como manter-se Vivo”, nesta sexta-feira (18/05). No sábado (19/05), é a vez do espetáculo “Contato Sonoro”. A programação, com montagens de diversas partes do País, segue durante a semana. Mais informações, pelo telefone (21)3214-7404.

Quer a bunda e o par de pernas da Lais Ribeiro, amor? Saia desses lençóis de mil fios, desabrace desse travesseiro de pluma de ganso húngaro e vamos suar esse corpinho!

No teatro, duas estreias ótimas com sessões durante todo o fim de semana: “Capitães de Areia”, com texto de Jorge Amado, ganha versão musical com adaptação de Marcello Caridad, no Teatro Gláucio Gil, em Copacabana; no Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, Rocio Durán vive uma escritora dividida entre sua família e o passado, no espetáculo “Contracapa”. 

É claro que não deixaríamos o melhor do Rio de fora das nossas sugestões, né?! Na arte, a Galeria da Aliança Francesa, em Botafogo, inaugura a mostra “France e Motion Le Voyage Animé”, com fotos do beninense Ishola Akpo, do brasileiro Edu Monteiro, do americano David Schalliol e da espanhola Lourdes Segade. Os 35 trabalhos em exposição foram feitos na França. Outra sugestão é a mostra “Victor Becheret (1894 – 1955)”, do artista ítalo-brasileiro que participou da Semana de Arte Moderna, em 1922, e outras grandes artistas, na Pinakotheke Cultural, também em Botafogo.

Ilustração: Edgar Moura

Enviado por: Lu Lacerda
18/05/2018 - 17:50

Clima denso no prédio do Sérgio Cabral é passado

predio-adriana-b

Clima denso no prédio de Sérgio Cabral, na Aristides Espíndola, é coisa do passado: agora é a vez de três divorciados, ótimos partidos, ocuparem o local /Foto: Reprodução

Aquele clima, digamos, denso, quando se falava no apartamento de Adriana Ancelmo e Sérgio Cabral, na Rua Aristides Espíndola, no Leblon, é passado. Vou atualizar o chip pra você: entre os cinco andares, dois apartamentos estão vazios; nos outros, só mora gataria – e solteira. Na cobertura, um recém-divorciado; no quarto andar, o paulista (já falado aqui) que alugou o do ex-governador; no primeiro, uma linda divorciada. Três solteiros, digamos, ótimos partidos, no Leblon, não é coisa rara. O segundo e o terceiro (de Maciste Granha de Mello Filho e Orlando Diniz) também já foram alugados e estão em pequenas obras. Daqui a pouco, todos meio que dando sopa no Antiquarius.

Enviado por: Lu Lacerda
18/05/2018 - 16:40

Moradores de favela da Maré recebem “comunicado” de traficantes

comunicado-vila

Supostos traficantes da Vila Pinheiro, no Complexo da Maré, envia comunicado a moradores sobre segurança do bairro /Foto: Reprodução Alerta Leblon

Uma seguidora da página “Alerta Leblon”, no Facebook, publicou a foto de um comunicado que mais parece roteiro de ficção, escrito, supostamente, por traficantes da Vila Pinheiro, uma das muitas favelas do Complexo da Maré. O texto diz: “Somos nós que fazemos a segurança do bairro para que não haja estupros e roubos às residências de nossos moradores. Quem estiver com problemas, venha até os amigos da ‘boca’, não chame a polícia para evitar confronto entre bandidos e policiais. O morador que for pego de contato com policial, serão tomadas as providências cabíveis”. Um dos comentários da postagem diz que “isso é que é intervenção”. Que tal?

Enviado por: Redação
18/05/2018 - 15:00

Único remanescente de Emerson, Lake & Palmer toca no Rio

carl-palmer-a

Carl Palmer: baterista faz show no Rio em homenagem aos colegas da banda Emerson, Lake & Palmer /Foto: Reprodução

Carl Palmer, um dos bateristas mais conhecidos do mundo, fundador de bandas como Emerson, Lake & Palmer e Asia, chega ao Brasil na próxima semana para os shows “Emerson Lake & Palmer Lives on!”, no dia 24 de maio em São Paulo e 25 no Rio. A banda perdeu em 2016 dois de seus fundadores: o tecladista Keith Emerson e o baixista e cantor Greg Lake, com isso, Palmer leva adiante o legado do trio nessa turnê-tributo reinventando clássicos como “Lucky Man” e “Tarkus”. Além da música, o trabalho como artista plástico vai ser rodado num telão, além de fotos e imagens da banda.

Enviado por: Redação
18/05/2018 - 14:00

“Sim à Igualdade Racial”: premiação no Copa

Foto de:

Está firmado o sucesso do jantar “Sim à Igualdade Racial”, a tirar pela terceira edição, nessa quinta-feira (17/05), no Copacabana Palace, em noite lotada. A noite é beneficente, promovida pelo Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), da ex-modelo e ativista Luana Génot. Glória Maria, a embaixadora da campanha, foi uma das apresentadoras ao lado de Regina Casé e Luis Miranda. “Eu já nasci dizendo sim à igualdade racial. Qualquer coisa diferente disso é cafona”, disse Glória. Foram premiadas empresas e pessoas que se destacaram nos setores Educação, Empregabilidade e Cultura durante 2017. Uma das ganhadoras foi a executiva Rachel Maia, ex-presidente da Pandora no Brasil, na categoria “Lideranças Negras”, fazendo parte de um grupo que representa somente 0,04% dos presidentes negros de empresas no País.

Um dos pontos altos foi a apresentação da jornalista Maíra Azevedo, a Tia Má, sucesso nas redes sociais, contando histórias cotidianas, antes da homenagem à Marielle Franco, vereadora assassinada em março. “Quando matam uma de nós, querem executar todas as outras; por isso é nosso dever multiplicar a voz de quem foi silenciada, mas jamais calada”, disse Maíra, que chamou ao palco Luyara Santos, filha de Marielle. “Minha mãe era nossa força, e conviver com essa dor não tem sido fácil. A arrancaram de nós de uma maneira brutal e covarde. Se não fosse minha fé, não estaria aqui falando com vocês, mas a luta deve continuar e, por ela, vamos seguir. O legado de Marielle nunca será apagado”, disse. Logo depois, Iza, acompanhada apenas de um percussionista, começou o show.

Enviado por: Redação
18/05/2018 - 12:40

Martinho a Vila: homenagens pelos 80 anos continuam

postar-os-martinhos-nill-marcondes-martinho-da-vila-junior-vieira-e-victor-hugo

postar-cleo-ferreira-e-babi-xavier

_postar-nill-marcondes-e-ana-ferguson

“Martinho da Vila 8.0 — Uma filosofia de vida”: na primeira foto, os quatro Martinhos, Nill Marcondes (que interpreta o cantor na fase adulta), o próprio Martinho da Vila, Junior Vieira (juventude) e Victor Hugo (infância); na segunda, as mulheres de Martinho, Babi Xavier da ficção e Cléo Ferreira da vida real; na terceira, o ator Nill Marcondes com a roteirista e autora Ana Ferguson /Fotos: Cristina Granato

Martinho da Vila fez 80 anos em fevereiro, mas as comemorações continuam. Nessa quinta-feira (17/05), estreou a peça “Martinho da Vila 8.0 — Uma filosofia de vida”, no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea, com passagens pouco conhecidas da trajetória do compositor. O espetáculo começa com o nascimento de Martinho, em 1938, e é baseado no livro “Memórias póstumas de Teresa de Jesus”, que ele escreveu sobre a mãe, e em diversas entrevistas com o cantor, com curadoria de Cléo Ferreira, mulher do artista. O legal foi ver os quatro Martinhos juntos – além do original, os atores Victor Hugo (infância), Junior Vieira (juventude) e Nill Marcondes (adulto). Todo sorridente, praticamente uma marca registrada, ele foi homenageado no fim da peça com um presente do elenco: o primeiro álbum em vinil da carreira, de 1969, que leva seu nome. O sambista acompanhou de perto toda a produção e ajudou a roteirista e autora Ana Ferguson com áudios e informações. Também no elenco, a atriz Ana Miranda como Dona Teresa de Jesus e Babi Xavier como Cléo.

Enviado por: Redação