“Em pouco mais de um ano, quase meio milhão de pais, mães, filhos, irmãos, cônjuges e amigos se foram. Paralisados em um grande luto coletivo, divididos entre negacionistas e apáticos, os brasileiros acabam acreditando que esse é o nosso destino. Só nos resta rezar e torcer pelo melhor — ou, pelo menos, pior — e para a morte nos esquecer”.

Da médica intensivista Cassia Righy, da Fiocruz, colaboradora do site, sobre a falta de expectativa dos brasileiros com a pandemia.

Leia Mais