30/04/2018 - 19:00

Sete perguntas para Zezé Motta (sobre novo show)

zeze-motta-a

Depois de 40 anos de seu álbum de estreia, Zezé Motta está de volta aos palcos, para lançar o álbum “O samba mandou me chamar”, nesta segunda-feira (30/04), no Theatro Net, em Copacabana; depois segue em turnê por várias capitais. Aos 73 anos, Zezé ainda é lembrada pelo papel da sua vida: “Xica da Silva”, de Cacá Diegues, em 1976. O reconhecimento pelo filme ajudou-a a lançar seu primeiro disco, em parcerias com Rita Lee e Roberto de Carvalho, Luiz Melodia e Moraes Moreira. No novo trabalho, 13 faixas de um repertório inédito, com participação de jovens e alguns veteranos, como Arlindo Cruz e Xande de Pilares. Ela gravou “Nós dois” com Arlindo antes da internação do músico, em março do ano passado. Zezé já terminou as gravações das últimas cenas como a Mãe do Quilombo, em “O Outro Lado do Paraíso”.

1
Esse álbum é um antigo projeto. Por que levou tanto tempo?

Sim, tem mais de 10 anos. Minha vida é uma loucura: ao mesmo tempo em que estou lançando um disco, estou com uma série pronta no Netflix, a ‘3%’ (ficção científica de Pedro Aguilera), finalizando uma novela, com dois filmes, uma série de homenagens, com um livro pra ser lançado, um documentário cuja direção assino. Isso só agora. E, aos fins de semana, sempre viajo por este nosso Brasil gigante, cantando por aí. Quando não me chamam como atriz, me chamam como cantora. O povo gosta de mim.

2
Ainda fica nervosa nos palcos?

É como se fosse a primeira vez no palco. Lembro-me da minha comadre Marília Pera: dizia que ficava mais nervosa do que eu com uma estreia minha. Às vezes, quando paro pra observar alguns amigos e até a minha produção, vejo que eles ficam mais nervosos do que eu; então é médio o meu nervosismo comparado aos que me amam (risos). Fico pensando se vai ter público e prefiro não saber quem vai estar na plateia.

3
Como lida com a idade?

Não tenho problema, mas confesso que tive a crise dos 30, 40, 50 e 60; depois cansei – chega. Pra que tanta crise?

4
A novela está na reta final. Qual o balanço que você faz? Alguma produção em vista?

Que foi extremamente importante e me senti honrada em poder mostrar ao mundo, através de um veículo poderoso que é a TV Globo, que, no nosso país, existem centenas de comunidades quilombolas. Em tempos de um candidato à Presidência como o Jair Bolsonaro, que ofende publicamente pessoas negras e quilombolas, temos mais é que mostrar isso na novela das nove.

5
Você luta pelos negros desde muito nova. Como vê a situação atual?

O racismo melhorou e muito, em passos lentos, mais ainda temos muito o que fazer, o que mudar, o que lutar e batalhar. Sinto-me com dever cumprido de poder levantar essa bandeira desde os anos 70, e vejo que hoje o cenário já não é mais o mesmo. Os jovens estão empoderados e alguns me param na rua para agradecer – fico emocionada, mas, claro, temos muito ainda pela frente, infelizmente.

6
E até que ponto você está envolvida no caso Marielle Franco?

O meu envolvimento é total, enquanto brasileira, mulher, humana. Foi um crime chocante, foi uma barbaridade, e não podemos nos calar! Gravei uma faixa linda, ao lado de outras cantoras, para lembrar que esse fato não pode ser apagado. Precisamos de justiça, precisamos que quem cometeu essa maldade pague pelo que fez, e também precisamos cobrar do nosso governo segurança e uma resposta a esse crime; não só esse, mas todos os outros que vêm acontecendo.

7
Como moradora do Rio, você teria um recado ao prefeito da cidade?

Que melhore a educação no nosso estado. A educação é a maior arma para combater essa questão, é o segredo de tudo – basta comparar com os países desenvolvidos. Que o prefeito seja menos intolerante.


Enviado por: Redação
30/04/2018 - 18:00

Gari da Comlurb: na “corda bamba” para limpar a sujeira

gari-leblon-b

Gari da Comlub: uma espécie de equilibrista na corda bamba para limpar a sujeira /Foto: Reprodução Alerta Leblon

A maioria das pessoas esculacham os serviços públicos cariocas, com muita razão, mas observar cenas como essa proeza da foto despertam alguma esperança. É ou não é? Um morador da Lagoa fez o flagra do gari da Comlurb tentando limpar parte dos entulhos jogados do canal da Av. Lineu de Paula Machado (Lagoa), nesta segunda-feira (30/04), um dia depois da feira livre do bairro. Na véspera do Dia do Trabalhador, pode ser uma inspiração – repare que ele está se segurando com as pernas um dos canos da rede de drenagem enquanto tenta “pescar” a sujeira.


Enviado por: Redação
30/04/2018 - 17:00

Tatiana Weston-Webb: surfista vai competir pelo Brasil

tatiana-weston-webb

Tatiana Weston-Webb: surfista que antes competia pelo Havaí agora representa o Brasil /Foto: Reprodução Instagram

A surfista Tatiana Weston-Webb, filha de mãe brasileira, mas criada desde duas semanas de vida na ilha de Kauai, no Havaí, vai disputar as competições da World Surf League (WSL) pelas cores da bandeira brasileira; até então, ela representava o Havaí, como anunciou, nesta segunda-feira (30/04). O convite partiu da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf) e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para ela tentar uma vaga nas Olimpíadas de Tóquio 2020 – a modalidade entrou para a lista de esportes olímpicos no ano passado. Nas Olimpíadas, o Havaí, que, no circuito mundial, é considerado um país à parte, compete pela bandeira dos Estados Unidos, o que acirra a disputa pelas vagas.

Tatiana estaria fora, já que ocupa a quarta colocação no ranking e apenas as duas primeiras são escolhidas. “Esta é uma decisão importante para mim e sinto-me verdadeiramente abençoada por ter sido criada na linda ilha do Kauai, mas o Brasil é o país onde nasci e sempre fez parte de quem eu sou. Sempre foi um sonho competir nas Olimpíadas e vou tentar o meu melhor para me qualificar como um dos poucos surfistas capazes de representar o País”, disse Tatiana.


Enviado por: Redação
30/04/2018 - 16:00

Missa para Guido Schäffer: 1º surfista que pode virar santo

Guifo Schäffer: surfista "Servo de Deus" ganha homenagem nesta terça-fira (01/05), na praia do Recreio /Foto: Reprodução

Guifo Schäffer: surfista “Servo de Deus” ganha homenagem nesta terça-fira (01/05), na praia do Recreio /Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (01/05), o cardeal Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio, vai benzer pranchas durante o evento “D.I.A” (da expressão em latim Duc In Altum ou “buscando águas profundas”) no Posto 11, na praia do Recreio. O evento é realizado há nove anos, em homenagem ao surfista Guido Schäffer, que morreu afogado quando surfava no dia 1º de maio de 2009, na mesma praia, aos 34 anos. À época, estava prestes a concluir o seminário para se tornar padre; sua perda causou grande comoção. Em 2014, Guido recebeu do Vaticano o título de “Servo de Deus”, e foi dado início ao seu processo de beatificação – ele pode ser o primeiro surfista do mundo a ser beatificado.

Antes do seminário, Guido cursou a faculdade de Medicina e fez atendimentos no Ambulatório da Providência, em São Cristóvão, para pessoas carentes – sua atuação é, ainda hoje, tida como modelo pelos profissionais. Ele também atuava com as irmãs Missionárias da Caridade, ordem criada por Madre Tereza de Calcutá, e era reconhecido pelo atendimento aos moradores de rua. Em 2017, foi criada a Associação Guido Schäffer – sob a presidência do padre Jorjão, da Paróquia Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, onde estão os restos mortais de Guido -, com o objetivo de divulgar a vida e obra do surfista como modelo de vida cristã para ajudar bancar o processo de beatificação e canonização. Ainda no evento, Adoração ao Santíssimo Sacramento, missa por Dom Roberto Lopes, delegado para a Causa dos Santos no Rio, com a presença dos padres amigos de Guido.


Enviado por: Redação
30/04/2018 - 15:00

Quer saber o futuro? Que tal o “Slava de Santa Sara Kali”?

 “Slava de Santa Sara Kali”: festa cigana vai ter atrações musicais, infantis e oraculistas /Foto: Divulgação

“Slava de Santa Sara Kali”: festa cigana vai ter atrações musicais, infantis e oraculistas /Foto: Divulgação

Para quem ama a cultura cigana, uma das mais antigas do Oriente, as produtoras Alice Pellegatti, Connie Lopes e Yara Portes reuniram-se para fazer o “Slava de Santa Sara Kali” (ou a “Princesa da Beleza Negra”, a padroeira dos ciganos), dia 6 de maio, no Circo Voador. Durante o dia inteiro, música, dança, culinária, expositores e oraculistas. “O Circo vai se transformar num mercado árabe com gambiarras iluminando as palmeiras centenárias e bandeiras hasteadas. Uma grande tenda de Santa Sara vai ser montada para o atendimento dos oraculistas: tarólogos, astrólogos, cartomantes e jogo de runas. As pessoas vão poder se vestir como ciganos e fazer fotos”, diz Yara, bailarina e presidente do Instituto Dharma. Entre as atrações musicais, Encanto Cigano e Cia. do Portal do Oriente, além de um breve ritual para apresentar um pouco da espiritualidade cigana.


Enviado por: Redação
30/04/2018 - 14:00

Bebel Moraes e Daniel Mattar: mais cariocas em Lisboa

_u1a9193

O casal carioca Bebel Moraes e Daniel Mattar acaba de abrir a Brisa Galeria, de fotos contemporâneas, no Chiado, em Lisboa / Foto: Divulgação

Entre os cariocas que se mudaram para Lisboa, estão Bebel Moraes e Daniel Mattar, segundo ela, para realizar o maior projeto do casal: ter uma galeria de fotos contemporâneas. Acabam de inaugurar a Brisa Galeria, no Chiado, depois de quatro meses de obras. A série “Pigmento“, do Daniel, fotógrafo conhecido no Rio, é a exposição principal deste momento. “Nos mudamos para Lisboa há 5 meses, com uma vida completamente diferente da que tínhamos no Brasil. Deixamos para trás pequenos luxos, e hoje, além de trabalhar diariamente, cuidamos de tudo nosso – eu cozinho, Dani lava a louça e damos muito valor às coisas simples da vida”, diz a produtora de moda. Perguntado por que deixaram a cidade carioca, Bebel diz: “Apenas abrimos o leque; mantemos nossa base no Rio, de que, aliás, temos o maior orgulho. Lisboa é um namoro antigo, e está em momento especialmente vibrante – estamos apaixonados pela cidade. Essa base na Europa facilita nosso trabalho de artes plásticas, que sempre foi um projeto de vida.”


Enviado por: Lu Lacerda
30/04/2018 - 13:00

Festival LGBT faz concurso de drags

drag-queen-a

“Milkshake Festival”: segunda edição do evento vai ter concurso de “Rainha drag queen Brasil 2018” /Foto: Reprodução

Atenção drags do Brasil: as inscrições para o “Concurso Cultural Rainha Drag Queen”, na 2ª edição brasileira do Milkshake Festival, estão abertas até o dia 11 de maio para participar do evento no dia 2 de junho, em São Paulo, na Arena Anhembi, véspera da Parada Gay da cidade. Como prêmio, a vencedora vai ganhar uma viagem com acompanhante, para curtir o Milkshake em Amsterdã, na Holanda, nos dias 28 e 29 de julho. No evento, show de Pabllo Vittar, Preta Gil, Wanessa, Gretchen e vários DJs nacionais e internacionais, além do retorno aos palcos do Balão Mágico, grupo infantil dos anos 80, em sua formação original, comemorando 35 anos.


Enviado por: Redação
30/04/2018 - 12:00

Capítulo “fofice” para a Maratona do Rio

maratoninha-bpg

“Maratoninha Gloob”: Maratona do Rio vai ter atração também para as crianças no dia 2 de junho /Foto: Divulgação

Novidade da “Maratona do Rio”: a criançada vai poder participar do maior evento de corrida da América do Sul, no dia 2 de junho, no Aterro do Flamengo, a “Maratoninha Gloob”. “Trazer as crianças para o evento é um sonho antigo. Será uma oportunidade incrível para os corredores levarem seus filhos”, explica João Traven, sócio-diretor da Spiridon Eventos, uma das empresas que organizam a prova. Podem participar crianças de 3 a 10 anos em percursos de 100 a 800 metros – são 1.000 vagas disponíveis (mais 1.000 acompanhantes). O evento vai ter música e a presença dos personagens do canal Gloob, como os Detetives do Prédio Azul, Ladybug e Alvin, além de brinquedos e animadores. Haverá também outras novidades, como a disputa de 10km e o “Desafio Cidade Maravilhosa” (21km + 42km). Já a tradicional prova de 42km será realizada no dia 3 de junho e espera receber 39 mil pessoas do País e do mundo inteiro. Mais informações no site da Maratona do Rio.


Enviado por: Redação
29/04/2018 - 17:34

Mais importante é que vire um espaço afetivo do Rio.

 

 

De Lauro Cavalcanti, diretor da Casa Roberto Marinho, recém-inaugurada no Cosme Velho. 


Enviado por: Lu Lacerda
29/04/2018 - 15:30

Nelson Sargento: “Quero estar lúcido pelo menos até 2030”

nelson-sargento-a

grupo-dose-certa-e-chacal-do-sax

“90 anos da Mangueira”: Nelson Sargento recebeu homenagem especial da escola; na segunda foto, o grupo Dose Certa e Chacal do Sax tocando para uma quadra lotada /Fotos: Thiago Mattos

Nelson Sargento quase chorou durante a comemoração de 90 anos da Mangueira, nesse sábado (28/04), na quadra da escola. A história do autor do samba “Agoniza mas não morre” se confunde com a própria verde e rosa – desde os 12 anos convivendo com sambistas como Cartola e Nelson Cavaquinho. Aos 93, Sargento teve uma surpresa do presidente da escola, Chiquinho da Mangueira – depois da feijoada e entre os shows, ele foi chamado para inaugurar uma placa em sua homenagem eternizada na parede ao lado de Cartola, Jamelão e das fotos de Dona Zica e Dona Neuma. “Digno da mais alta patente do samba. Entre obras imortais, em sua poesia profetizou que o samba agoniza, mas não morre. Orgulho da Nação Verde e Rosa!”, diz a inscrição. Nelson praticamente perdeu o fôlego. “É um dos reconhecimentos mais significativos da minha vida. Essa atual gestão da escola (Chiquinho e o carnavalesco Leandro Vieira) está atenta às raízes e isso me deixa muito feliz e lúcido – tenho a palavra de São Pedro que vou estar assim pelo menos até 2030”, diz Sargento depois de recuperado do “susto”.

A festa começou cedo, com queima de fogos, hasteamento das bandeiras do Brasil e da escola ao som do Hino Nacional e do Hino da Mangueira, lavagem da quadra com água de cheiro, no ritmo dos atabaques e cantigas em saudação aos ancestrais fundadores da escola querida por tantos, 19 vezes campeã do carnaval carioca. Depois começou a feijoada com vários shows: Alcione, Beth Carvalho, Tantinho da Mangueira, Roberta Sá, o grupo Dose Certa, Marquinho China, Zé Luiz do Império e as velhas guardas da Portela, Vila Isabel e do Salgueiro. E, por fim, entrou a bateria da verde e rosa sob o comando do Mestre Wesley, além da apresentação do novo intérprete Marquinho Art’Samba.


Enviado por: Redação
Página 1 de 27123451020Última »

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline