O Dia dos Namorados inesquecível do biólogo Mario Moscatelli

“No dia dos namorados de 1990, lá estava eu fugindo do Brasil. Motivo: salvar minha vida, sentenciada à morte por contrariar interesses econômicos da especulação imobiliária que detonava áreas de preservação ambiental na Baía de Ilha Grande. Não fazia nada de excepcional como chefe do departamento de controle ambiental da prefeitura de Angra dos Reis. Apenas…

De Próprio Punho, por Anna Penido, educadora, viúva do jornalista Gilberto Dimenstein: “Depois que ele se foi, não tive medo da dor, por entendê-la inevitável”

Assim que Gilberto partiu, passei a dormir do outro lado da nossa cama. Inicialmente, pensava que a minha decisão tinha a ver com a vontade de estar mais perto dele, de me moldar às marcas deixadas por seu corpo no nosso colchão. Mais adiante, percebi que evitava a experiência de me defrontar com a ausência…