05/04/2018 - 20:00

Seis perguntas para Zezé Polessa (sobre a polêmica do registro de artista)

zeze-polessa-b

O meio artístico está mobilizado com a votação marcada para 26 de abril, no Supremo Tribunal Federal (STF), que pode extinguir a existência do registro profissional de artista (DRT). Segundo publicação do STF, a decisão poderá “acabar com a obrigatoriedade de diploma ou certificado de capacitação das profissões de artista e técnico em espetáculos de diversões”. A Procuradoria Geral da República (PGR) alega que a atividade “não se trata de profissão, mas sim de livre manifestação artística”. No Rio, os grupos Movimento de Artistas e Atores (MOVA) – criado por Antonio Fagundes em 2013 – e o Movimento de Artistas de Teatro do Rio (MATER) entraram na briga para encontrar uma solução e marcaram uma reunião com a classe para dia 9 de abril, no Teatro XP, no Jockey.

Zezé Polessa, uma das 150 integrantes do MOVA, conta que, entre as resoluções, está um encontro com a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, para entregar-lhe, em mãos, um documento feito pelos artistas. “Perder nossos direitos é como perder massa magra depois de certa idade. Acredito que a Drª Cármen terá bom senso e consideração com a categoria. A novela é um fenômeno cultural do nosso País, apreciada no mundo inteiro. Não ter o DRT atinge a sociedade”, diz Zezé. O assunto está rendendo tanto que nessa quarta-feira (04/04), diversos atores gravaram um vídeo em protesto, entre eles a própria Zezé, Murilo Benício, Júlia Lemmertz, Malu Mader, Débora Falabella, Mateus Solano, Drica Moares e Cissa Guimarães.

1
Como você recebeu a notícia?

Alguém colocou no grupo de Whatsapp do MOVA. Primeiro temos que entender o que é a petição, conversar com os advogados. Por enquanto, temos uma denúncia de irregularidade de um sindicato de atores no Centro-Oeste, de que eles exigiram dinheiro de um artista para que ele pudesse tirar o DRT (Departamento Regional de Trabalho). O DRT é concedido se você mostrar uma formação universitária, ou fizer um curso técnico, ou se você provar sua experiência por trabalhos feitos. Meu DRT (tirado em 1979) foi uma conquista – não tive que dar dinheiro nem nada disso, foi clássico e ético

2
Em que essa petição pode afetar a classe?

A gente não vai deixar de escrever nossa identidade social como ator ou atriz, músico, trapezista ou malabarista. Podemos ter o registro, mas a desobrigatoriedade de um DRT acaba com a necessidade de um sindicato, que é a representação de uma classe. A gente precisa deles para requerer inúmeros direitos. Perder isso é tirar um espaço profissional. Isso foi uma luta de mais de 50 anos.

3
E no caso dos novos atores?

Sem sindicato, não tem como provar se ele é ator ou atriz. Se uma pessoa vem do interior e diz que fez teatro por 10 anos na sua cidade, mas quer o registro no Rio, como fazer se não existe um órgão regulador? Não pode qualquer um colocar ‘ator’ na carteira de trabalho. Ia ficar uma bagunça! A menos que se crie, fora de um sindicato, um órgão que vá discriminar isso. Mas, na reunião, vamos ouvir essa galera nova, porque esse é um movimento da categoria e não dos atores famosos que aparecem na novela – esses não precisam nem escrever na carteira de trabalho, já está na cara.

4
Acredita que isso seja um retrocesso?

Parece que a gente está falando de uma época passada, quando a gente ouvia dizer que Dercy Gonçalves tinha o registro de prostituta na carteira. Ser artista era uma coisa ligada a vagabundagem. É um atraso isso.

5
Existe uma solução?

Sugiro reavaliar os sindicatos porque essa denúncia me parece muito frágil, como se a pessoa estivesse doente e você a matasse sem dar tratamento. O sindicato está doente porque é corrupto, e você não vai tratar a questão, e matar os atores? Tem que avaliar. A própria classe artística deveria vigiar esses comportamentos, ser mais ativa.

6
Está confiante no resultado?

Estou confiante no bom senso da Drª Cármen Lúcia e na consideração com toda uma categoria, porque a arte do ator, da novela, é parte da cultura do país dela. Tirar direitos do sindicato enfraquece a autoestima, tira um pouco de espaço de ser e estar; então a gente está tentando entender tudo isso, porque somos atores né? Confesso que li a petição umas 10 vezes. Vamos dar sugestões, como, por exemplo, fechar o tal sindicato irregular ou fazer eleição imediata para mudar a diretoria atual. E também vamos descrever mais profundamente sobre o trabalho do ator.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 19:00

Thiago Gagliasso: “Não soube lidar com a pressão do sobrenome famoso”

Thiago Gagliasso: ator entra em cartaz com "Um quase Gagliasso" no Laura Alvim /Foto: Divulgação

Thiago Gagliasso: ator entra em cartaz com “Um quase Gagliasso” no Laura Alvim /Foto: Divulgação

Quando alguém cita o sobrenome Gagliasso associa logo a Bruno, aquele dos olhos-azul-Noronha, marido de Giovanna e pai de Titi. Não foram poucas as vezes em que Thiago, o irmão caçula, passou por poucas e boas por isso. “Na época, não soube lidar com a pressão de ter um sobrenome de peso no mercado, fazendo a mesma coisa que meu irmão. Eu tinha apenas 18 anos quando fiz um contrato longo de novela e não soube me adaptar. Mas acabei encontrando um trabalho em que podia misturar diversão e arte”, diz ele. Desde 2011 afastado da atuação, ela volta com a peça “Um Quase Gagliasso”, de sua autoria, na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, nesta quinta-feira (05/04), até dia 31 de maio, todas as quintas.

No espetáculo, Thiago mostra, com muito humor, como funcionam os bastidores do meio artístico interpretando um ator em início de carreira que trabalhou por 10 anos na TV e migrou para o mercado publicitário e de entretenimento – qualquer semelhança não é mera coincidência. Desde 2013, Thiago integra a Fábrica Entretenimento, produzindo e comandando a lista de eventos cariocas, como o Camarote Rio na Sapucaí, a festa “Baila Comigo”, a “Tardezinha”, com show de Thiaguinho que roda o País.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 18:00

Filho de João Gilberto: “Desculpas, pai, não consegui manter os abutres longe de você”

Marcelo Gilbeto, filho de João Gilberto (na foto), faz desabafo nas redes sociais /Foto: Divulgação

Marcelo Gilbeto, filho de João Gilberto (na foto), faz desabafo nas redes sociais /Foto: Divulgação

Marcelo Gilberto, filho de João Gilberto, colocou a boca nas redes sociais, nesta quinta-feira (05/04), uma semana depois do pedido de interdição do cantor, por desejo de sua filha, Bebel Gilberto. Em texto escrito em inglês, ele desabafou sobre o caso. “Meu pai foi efetivamente sequestrado e alienado de mim e da minha família. Ele viu a minha filha, Sofia Gilberto (2 anos), apenas uma vez e só porque precisamos responder ao arrombamento de sua porta para eu poder abrir uma investigação com a polícia, a pedido dele”, escreveu Marcelo, afirmando que só ficou sabendo sobre as providências de Bebel através da mídia. “Estou muito preocupado com a condição do meu pai, mas eu tenho que dizer que, no tempo que passei no Brasil, achei que as autoridades e leis brasileiras fossem dar um jeito — constantemente descritas como protetoras dos idosos —, mas foram lamentavelmente inúteis para a situação do meu pai. Desculpas, pai, eu não consegui manter os abutres longe de você.” João é pai também de Luiza, do relacionamento com Claudia Faissol.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 17:00

Festa de 80 anos da Hípica aberta ao público

isabella-de-salignaac

80 anos da Hípica: show de Isabella de Salignac, que canta de Rolling Stones a Amy Winehouse /Foto: Divulgação

A Hípica continua em festa neste fim de semana, ainda pelas comemorações dos seus 80 anos, com tudo aberto ao público. De lambujem, tem competição das melhores nas pistas, com a 2ª etapa do Ranking 80 anos, sábado e domingo, a partir das 9h. E, ainda, show com Isabella de Salignac, que canta de Rolling Stones a Amy Winehouse. Tudo de graça, exceto a tradicional feijoada do clube. A mostra de carros antigos segue também.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 15:51

Malu Mader: embaixadora de projeto de alfabetização

8x7a1541

8x7a1382-1

No alto, os padrinhos do projeto de Alfabetização e Letramento Fernanda Keller e Flávio Canto, a embaixadora Malu Mader, a vice-presidente de relações institucionais e sustentabilidade, Claudia Romano e o presidente do Grupo Estácio, Pedro Thompson. Nesta foto, Claudia Romano com Laís Souza, também uma das madrinhas do projeto / Fotos: Divulgação

Malu Mader foi nomeada, oficialmente, embaixadora do projeto “Alfabetização e Letramento”, gratuito para jovens e adultos, na Universidade Estácio de Sá, unidade Tom Jobim, na Barra, nesta quinta-feira (05/04). Os cursos vão começar no dia 9 de abril, a princípio, atendendo 25 alunos analfabetos em cada uma das 91 unidades espalhadas pelo País. Entre os padrinhos das turmas, o ex-judoca Flávio Canto, a triatleta Fernanda Keller e a ex-ginasta Laís Souza. “Convidamos os padrinhos e madrinhas porque eles tiveram esse sonho junto com a gente, de educar para transformar. Estamos todos muito emocionados”, diz Cláudia Romano, vice-presidente de relações institucionais e sustentabilidade, à frente do projeto, ao lado de Pedro Thompson, presidente do Grupo Estácio.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 14:10

Marina Ribas: primeira individual

[nggallery id=8591]

Marina Ribas inaugurou sua primeira individual, “Erectas”, no Art in Progress do Rio Design Leblon, de Gilza Velloso e Cláudia Sehbe, em parceria com Fábio Swarcwald, diretor da Escola de Artes Visuais (EAV), do Parque Lage. Por lá, passaram 150 pessoas para conhecer os oito trabalhos da artista em pedras de mármore de até 150 quilos, cortadas em formas geométricas e unidas por hastes de metal, em esculturas e instalações. “São trabalhos que retratam minha filosofia de vida. Sou budista e vejo a realidade sem escapismos. Este jogo de forças no qual se equilibra a sociedade está presente nos trabalhos”, diz ela, que já atuou em áreas da moda e arquitetura, mas resolveu arriscar-se nas artes plásticas depois de sete anos de aula com Iole de Freitas na EAV. “Ela vendeu seis obras, uma para colecionador, o que é muito bacana para quem está começando”, diz Gilza.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 13:00

Tudo pronto para a inauguração do “Quarteirão Cultural Marielle Franco”

placa-marielle

“Quarteirão Cultural Marielle Franco”: plaquinha de inauguração pronta para o evento desta quinta-feira (05/04) na Cinelândia /Foto: Divulgação

Tudo pronto para a inauguração do primeiro Quarteirão Cultural do Rio, na Cinelândia, nesta quinta-feira (04/04), inclusive a plaquinha da foto, em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada no dia 14 de março. O espaço fica na esquina das ruas Álvaro Alvim e Alcindo Guanabara, em frente à Câmara de Vereadores, onde Marielle trabalhou por mais de 15 meses, e terá apresentação do Coro Voz do Rio de Janeiro e o sax do músico Chacal. Segundo Nilcemar Nogueira, secretária municipal de Cultura, uma das lutas da vereadora era por acesso e promoção da cultura para todos, independentemente de classe social, cor da pele ou religião. Em comunicado, a direção do Teatro Rival Petrobras, comandado por Leandra Leal, afirma que “o quarteirão cultural é uma luta muito antiga e vai oficializar a tradição da boemia carioca, representando a possibilidade de retomar a agitação desse longo processo de resistência cultural que o teatro representa. Estamos sensibilizados também com a homenagem à vereadora, que tanto frequentou nossos eventos”.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 12:00

Centro Cultural dos Correios inaugura quatro exposições

 

_dsc6832-dudu-garcia-patricia-secco-ricardo-hachiya-e-jaime-acioli-exposic%cc%a7a%cc%83o-ar-de-patricia-secco-abril-2018-foto-cg

colagem-2

colagem-sem-titulo-1

colagem-1

Na primeira foto, Dudu Garcia, Patricia Secco, Ricardo Hachiya e Jaime Acioli; na segunda, Roberta Damasceno e Francisco Lucas, seguidos de Claudio Pereira e Marcia Peltier; na terceira, Ricardo Hachiya e Jorge Barata, seguidos de Monica Athayde e Rô Thibal; na quarta, Patricia Secco e Leo Gandelman, seguidos de Beth e Dudu Garcia / Fotos: Cristina Granato

Foram inauguradas quatro exposições com diferentes formas de arte, de uma só vez, nessa quarta-feira (04/04), no Centro Cultural do Correios – logo de cara, as 50 pipas coloridas de Patrícia Secco, na mostra “Ar”. Esse trabalho está entre os maiores sucessos da artista, que armou o grande mural “Políptica”, sobre animais em extinção. Dudu Garcia levou 18 quadros da “Carvão”; o artista transformou o vegetal em arte nas telas de 1,80 x 1,20. “Gosto de usar materiais orgânicos. Meu trabalho foge do tradicional”, comentou. Foi muito elogiado. E tinham também as esculturas de Ricardo Hacchia com “Ferro”, que, em suas mãos. pode se dobrar com a mesma leveza e maleabilidade do papel. A fotografia de Jaime Accioly retratou as plantas como se fossem humanos em “Seres” – ele ampliou os vegetais 20 vezes para destacar suas formas. O vaivém entre as salas do espaço foi grande, mas, em dado momento, todos se juntaram em volta do show do saxofonista Leo Gandelman.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 11:13

O artista plástico e fotógrafo Almir Reis, famoso por retratar as belas paisagens do Rio, abre a exposição “O Mergulho”, nesya quinta-feira (05/04), no Via Sete Arpoador, das 19h às 22h.


Enviado por: Redação
05/04/2018 - 11:10

Desta sexta-feira (06/04), a domingo (08/04), o Américas Shopping recebe o evento ‘Rock 80 Festival’, ao som de várias bandas e DJs que tocarão grandes sucessos dos anos 80 e 90. Uma das atrações é o músico Rodrigo Santos, ex-Barão Vermelho. A programação acontece na sexta-feira, das 17h às 23h, no sábado, das 14h às 23h e, no domingo, das 14h às 22h, no piso G3. Com entrada franca, o Festival convida o público a doar 1 kg de alimento não perecível em prol da Ação Social Recreio.


Enviado por: Redação
Página 1 de 212