De próprio punho, por Arturo Isola (empresário): “Na vida, o importante não é a trajetória, e sim a paixão” 

Há quatro anos, resolvi investir no setor de bebidas. Em 2017, meu único objetivo era criar algo em que eu acreditasse, ao lado do meu sócio, Alexandre Mazza (artista plástico). Nunca imaginei que a Amázzoni chegaria onde está tão rápido — dois anos depois, ganhamos o primeiro prêmio, o “World Gin Awards”, como o Melhor Produtor…

De Próprio Punho, por Simone Jordão (curadora de moda): “Muitos dizem que 2020 foi o ano que não existiu para realizações. Não foi o meu caso”

Até precisamente cinco dias antes da decisão de distanciamento social imposta no Rio, eu estava voando de volta para o Brasil, saindo de uma Nova Iorque totalmente perdida em termos do que estava para acontecer. Até hoje, não sei como não peguei covid em NY, já que fui a restaurantes, teatros e eventos de moda…

De Próprio Punho, por Anna Penido, educadora, viúva do jornalista Gilberto Dimenstein: “Depois que ele se foi, não tive medo da dor, por entendê-la inevitável”

Assim que Gilberto partiu, passei a dormir do outro lado da nossa cama. Inicialmente, pensava que a minha decisão tinha a ver com a vontade de estar mais perto dele, de me moldar às marcas deixadas por seu corpo no nosso colchão. Mais adiante, percebi que evitava a experiência de me defrontar com a ausência…

De Próprio Punho, por Maria Vasco (poeta e artista plástica): “Sou artista de antes, durante e, se sobreviver, de depois da pandemia” 

Faço sempre alguma coisa errada. Tento me acertar mesmo que desencontrada. Sou artista de antes, durante e, se sobreviver, de depois da pandemia. Sou artista de todo dia. Ah, como podemos estar, como estou depois de um ano e meio de desamparo, de estupor por tanta dor causada por uma pandemia, o despreparo e o…

De próprio punho, por Juliana Borges (empresária de bem-estar): “Nossos espaços de ioga estão morrendo nesta pandemia. Vamos fechar se as pessoas não voltarem” 

Há nove anos, comecei a praticar ioga. Em quatro meses, aquilo transformou a minha vida, mas soube que o estúdio onde eu praticava fecharia. Ali, resolvi comprá-lo para que eu pudesse beneficiar as pessoas como fui beneficiada. A partir daquele momento, passei a viver, respirar e a amar a ioga. Ao longo desse caminho, vi que ela fez…

De Próprio Punho, por Silviano Santiago (escritor — lançando “Menino sem Passado”): “Tentei dar voz a esse riso inocente e cruel nas minhas memórias da infância”

O poeta Murilo Mendes percebeu que a injustiça e a violência são as atitudes mais bem compartilhadas pela espécie humana, animal e vegetal. Em poema, começa pelo diálogo entre a inocência e a crueldade: “A inocência perguntou à crueldade / Por que me persegues? / A crueldade respondeu-lhe: / E tu, por que te opões…

De próprio punho, por José Barreto Hotten (advogado): “Não há mãe em nossa família. Há apenas dois pais babões, cheios de uma alegria atômica”  

Bernardo, meu filho, nasceu no início de maio, ou seja, a cada seis ou sete anos, seu aniversário será comemorado no Dia das Mães, tal como foi a celebração do seu primeiro ano de vida. Esse periódico reencontro emocional com sua mãe biológica é apenas uma das questões que lhe caberão significar com sua maturidade…

De próprio punho, por Stella Rebecchi (terapeuta corporal): “Você não é uma sem-vergonha, sem caráter, fraca. Você tem uma doença chamada alcoolismo!”

Minha vida foi pautada por vícios lícitos: cigarro e álcool. Sobre o primeiro, acabo de escrever a “Cartilha Oxigênio Pleno” para quem quiser, no site. Não vou falar, aqui, de todos os males que o cigarro traz. Acho que todos que querem parar conhecem muito bem; só fingem que, pra eles, não faz tanto mal…

De Próprio Punho, por Christina Oiticica (artista plástica): “Nossa vida de antes, minha e do Paulo, continua quase a mesma; o que mudou foram os nossos sentimentos e a maneira de olhar o mundo”

  Como falar da pandemia, como falar das pessoas, como falar deste momento? Muito difícil, pois temos que falar de dentro e fora de nós. Penso que eu gostaria de ter crescido mais espiritualmente.  Será  que aprendi alguma coisa? Não sei — esse aprendizado é lento e difícil de medir. Como eu e o Paulo começamos…