“Por favor, fique longe da lista dos mais vendidos. Raramente um livro bom vai parar nesta lista. E quem não gosta de livros bons não gosta de si mesmo.” Da filósofa Marcia Tiburi, em entrevista ao site, nesse fim de semana.

“Empresto até o meu marido; meu esplendor, jamais”. De Luciana Pittigliani, destaque da Beija-Flor, neste fim de semana, sobre quem levantou suspeitas de que ela teria emprestado seu esplendor à Quitéria Chagas, destaque da Vila Isabel

“Tá na hora é de voltar pra casa… Porque ainda é carnaval”. Do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, respondendo a um casal de foliões que o abordaram no carnaval pedindo “Volta, FHC”.

“Grande Rio ate morrer, não mudo nunca de escola! Amo desde os seguranças que trabalham lá até o presidente, Jaider Soares!” De Marina Mantega, depois de desfilar na Grande Rio, escola de samba para a qual torce, nessa segunda-feira (11/02), na MarquÊs de Sapucaí.

“Sempre falei por aí como a minha letra (caligrafia) era maravilhosa, atualmente escrevo como um médico; sempre comentei que eu andava como uma pantera negra, hoje vivo numa cadeira de rodas”. De Carmem Mayrink Veiga, esta semana, sobre o olho grande, em entrevista ao site.

“O Rio Grande do Sul tem um alto nível de cirurgia reparadora, entre os melhores que existem. Não vou me colocar diante dos outros, como se não estivessem capacitados”. Do cirurgião plástico Ivo Pitanguy, em entrevista ao site, esta semana, sobre a tragédia de Santa Maria, no último domingo (27/01).

“As clínicas não curam ninguém! Fui internado inúmeras vezes e não foi por isso que me livrei das drogas”. Do empresário João Flávio Lemos de Moraes, em entrevista ao site nesse fim de semana.

“Alguém já me viu fazendo propaganda de mim? Quero processar”. De Andrea Dellal, nesta terça-feira (22/01), sobre seu novo e falso perfil que apareceu no Facebook.

“A beleza é como a felicidade, cada um tem a sua; por isso trate de se conformar com a que Deus lhe deu, mas não abra mão da plástica, do silicone, do implante capilar, dos produtos todos da Sisley e da maromba.” Do novelista Aguinaldo Silva, em entrevista ao “saite”, nesse fim de semana.