“Se fosse pó o meu problema, eu já não estaria mais aqui. Talvez o problema seja mais grave: compulsão sexual”. De Gerald Thomas nessa terça-feira (4/02), falando sobre drogas no ‘saite’.

“A realeza se amarrou no meu show” De Mart’nália, nesse fim de semana, em Gstaad, na Suiça, sobre o casamento de Andrea Casiraghi (filho da princesa Caroline de Mônaco) e Tatiana Santo Domingo. A cantora fez show para os convidados.

“Fazer traqueostomia numa pessoa que vive de falar é uma tortura inimaginável. Não aguento mais esse ‘voto de silêncio’”. Da jornalista Sandra Moreyra, em mensagem escrita sobre o procedimento decorrente da cirurgia para retirada de um tumor no esôfago.

“Nem tudo que está em alta pode ser usado por todo mundo. O ideal é não seguir modas. Elas são passageiras mas podem deixar rastros devastadores”. De César Neubert, cabeleireiro e sócio do Crystal Hair, em entrevista à seção #Ficaadica, neste ‘saite’.

“Acho que sou ingênua. Acabo sempre vendo só o lado bom das coisas. É escolha e também preguiça”. Da atriz Zezé Polessa, em entrevista a este ‘saite’, sobre qual considera ser o seu defeito.

“Que cada um faça aquilo que considera importante, seja o que for: namorar, casar, viajar, trabalhar, transar homem com homem, transar mulher com mulher”. Da jornalista Glória Maria, em entrevista ao ‘saite’, dando suas dicas para quem procura ter um ano mais leve.

“Só se o proprietário construiu um palácio dentro, todo em ouro e diamantes, o que é improvável”. De Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi-Rio, sobre apartamento no Cap Ferrat anunciado por 20 milhões de euros (R$ 66 milhões) em um site estrangeiro.

“Precisam ser reclassificados como ‘elite da imbecilidade’”. Do joalheiro Jack Vartanian, sobre pilotos e donos de helicópteros que estão assustando os frequentadores de Trancoso com seus voos rasantes sobre a praia.

“Na hora da virada, agradeça a oportunidade de todo o aprendizado do ano anterior; faça seus pedidos, deseje de coração o melhor a seu próximo e ao Planeta”. Do tarólogo Raphael Hammoud, dando dicas para receber 2014.

“Falou em apagão, penso nos políticos, cada vez mais corruptos. Acho que o Brasil foi apagado da cabeça de tantos deles – só pensam em si mesmos”. De Lilibeth Monteiro de Carvalho, vice-presidente do Grupo Monteiro Aranha, definindo seu conceito de “apagão”, em entrevista a este ‘saite’.