“Lá em Hollywood, eu pensava: o que o povo vai dizer lá na Bahia?” De Wagner Moura para os colegas atores, no Leblon, nessa terça-feira (10/09), antes da exibição do filme “Elysium”, em que ele contracena com Matt Damon, Jodie Foster e Alice Braga.

“Quando penso em recordações, não quero foto, só dou importância ao momento que estou vivendo” De Ivo Pitanguy, comentando sobre o desejo de ter ou não fotos do Sebastião Salgado, para quem posou em 1980, em matéria para o NYT.

“Uma bolsa Freud com os bons pensamentos é muito elegante… Refinamento na alma é processo de alta costura.” Do psicanalista Manoel Thomaz Carneiro, idealizador do Grupo de Estudos Pensar, em entrevista ao site nesse fim de semana.

“O real objetivo da espionagem americana sobre integrantes do governo brasileiro acaba de ser desvendado. Obama, a cada dia mais grisalho, queria saber a marca da tintura dos cabelos de alguns políticos brasileiros”. Do empresário David Zylberstajn, mostrando seu bom humor em almoço com amigos.

“Morto de vergonha, me desculpo com nossa cidade”. Do ator Luis Salém, depois de ler, aqui no ‘saite’, que tinha sido flagrado jogando uma guimba de cigarro na rua, em Copacabana.

“Tomara que essa rapaziada que fica inflando músculos nas academias nunca precise usar um terno: músculos exagerados deixam qualquer roupa caindo muito mal.” De Regina Martelli, jornalista e consultora de moda, em entrevista ao site no último fim de semana.

“Chamar marido ou namorado de ‘companheiro’ é quase um eufemismo, como os petistas se chamam ou, ainda, os fascistas italianos”. Do estilista Carlos Tufvesson, sobre o fato de a imprensa referir-se aos namorados Glenn Greenwald e David Miranda – brasileiro que ficou detido no aeroporto de Londres – como “companheiros”.

“Seja a Princesa Isabel de si mesma: liberte-se da perfeição – ela não existe, é utópica”. Da atriz Lavinia Vlasak, neste site, nesse fim de semana, dando dicas para o equilíbrio do corpo, mente e alma.

“Não furo fila, de jeito nenhum, não pega bem pra ninguém, obrigado” De William Bonner, nessa quarta-feira (14/08), no lançamento de “Vidas Provisórias”, de Edney Silvestre.

“A químio é uma bomba que pinga lentamente um coquetel de remédios, fazendo um barulhinho monótono. Está acoplada a um cateter implantado em meu corpo. Sinto um leve gosto de metal na boca e penso nos vinhos austríacos”. Da jornalista Sandra Moreyra, em entrevista ao ‘saite’, sobre a luta contra o câncer no esôfago.