“A minha vida não importa. Eu sou um mero canal, mero instrumento para o Brasil ter uma cara diferente, ter uma chance de sair dessa”.   De Hans Donner sobre seus designs inovadores e do novo relógio Onne.

“Eu usava cocaína, heroína, álcool, maconha, ecstasy; já usei tudo. Meu nariz chegava a escorrer sangue, quase morri, vivia sempre com lenços na bolsa”.   De Iolanda Figueiredo sobre o uso de drogas nas décadas de 70 e 80.

“Não abro mão da liberdade de me sentir feliz gorda. A sociedade não entende e não admite a minha gordura. Estabeleceu-se que ser magro é obrigação. Não, obrigação é respeitar o desejo e a liberdade das pessoas. Tem algo de errado em ser gordo e se achar bonito?”.   Da empresária Alexa Archer, sobre a…

“O Silvio trabalhava na Globo no tempo em que comecei. Eu só o via de longe; eu era nada pra ele. Essa é minha chance de passar esse tempo com o maior ícone da TV brasileira – sempre tive essa vontade”.   De Glória Maria ao pagar R$ 35 mil por uma visita guiada no…

“Saber que um médico faz um procedimento desses em casa é chocante. Além de não ser ético, tanto quanto ficar expondo na Internet fotos de antes e depois, o que inclusive não é permitido pelo código de ética médica.”   De André Maranhão, presidente da Sociedade de Cirurgia Plástica, regional Rio, sobre o caso “Dr.…

“No atual momento, as confissões antigas se transformaram em desabafo. Mais do que confessar, as pessoas querem desabafar”.   De Padre Jorjão sobre as novas aflições dos cariocas. 

“Lamento que meu nome tenha caído na boca do povo de um modo tão antiético, associado a algo que remete a essas piadas. Essa é a atitude do nosso prefeito, que deveria era cuidar das pessoas como prometeu.”   Da empresária Marcia Kemp, sobre ter o mesmo nome que Márcia Nunes, assessora de Crivella.

“Quero saber se quem faz a coisa certa tem a cabeça a prêmio! Saio tranquilo, mas estou sofrido”.   De Fabio Szwarcwald, diretor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, sobre a demissão do cargo, nesta quarta-feira (11/07).