“Propostas de trabalho têm aparecido, com antigos e novos parceiros. Ainda estou atordoado por toda essa corrente de afeto e solidariedade. Se antes tinha dúvidas, agora sei que meus acertos foram ainda maiores que os erros”.

Do músico, produtor, diretor, pesquisador e escritor Luís Felipe de Lima, que ficou endividado com a pandemia, sobre a rede de solidariedade com a repercussão da venda do seu violão, que o acompanhava há 25 anos, cuja meta foi batida em 48 horas. Ele vai manter o instrumento.