“A corrupção mata mais do que uma epidemia qualquer. A violência está muito ligada a corrupção, cada vez mais com quadrilhas bem articuladas e aparelhadas. O que fazer pra se pegar o corrupto? Não é fácil, o crime é muito unido, é organizado. A sociedade é que não está organizada”.

Da psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva sobre a palestra “Perfil de personalidade do transgressor contumaz”, nos dias 12 e 13 de abril, no Centro Cultural Veneza, em Botafogo. Ela é a única médica no meio de oito juristas, incluindo o juiz federal Marcelo Bretas (um dos principais nomes da Lava Jato carioca). 

“Logo me veio à memória o que Nana estava fazendo ali na passeata de 68, na foto histórica ao lado de Odete Lara, contra a ditadura. Ela foi extremamente grosseira e não precisa causar polêmica para vender disco”.

Do estilista Ronaldo Fraga sobre as declarações de Nana Caymmi à Folha de São Paulo, em que atacou Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil (com quem foi casada nos anos 60) ao falar de seu apoio ao Presidente Jair Bolsonaro.

“Foi na tenacidade e persistência de seu Joaquim e dona Lourdes (pais) que me apoiei quando vim para o Rio, com escasso dinheiro no bolso, morando em quartos de empregada e vagas de pensão, buscando trabalho e enfrentando o descrédito por não ter quem me indicasse”. 

De Edney Silvestre sobre os pais, que serão homenageados na minissérie “Se eu fechar os olhos agora”, trabalho de Ricardo Linhares adaptado do livro homônimo de Edney, com estreia dia 15 de abril na TV Globo.