“No fundo, talvez por viverem no Brasil, confiam na impunidade.” Do advogado desportivo Theotonio Chermont de Britto, esta semana, opinando sobre o caso do goleiro Bruno.

“Quando for me suicidar, não preciso comprar cadeira elétrica: uso a sua.” Do artista plástico Siron Franco, esta semana, para o jornalista Luiz Gravatá, que instalou em sua cobertura, em Ipanema, uma cadeira movida a energia elétrica, para facilitar a vida de alguns amigos seus.

“A viagem está tudo de bom. Sol, sol e sol… Uma delícia. Estou todo trabalhado no fator 50 e, mesmo assim, superqueimado…”. De Bruno Chateaubriand, nesta quarta-feira, de Cannes, na França, onde está passando férias com André Ramos, comentando que nem o protetor solar está dando jeito no verão europeu.

“Ah, não, doutor! Estou viúva há oito anos e o senhor ainda me receita um remédio chamado Janumet? Me recuso a tomar”. De Odalea Brando Barbosa (de 80 anos), em sua casa, no Jardim Botânico, esta semana, em resposta ao seu médico, que lhe receitou esses comprimidos. Odalea é dona do Instituto Brando Barbosa, que…

“Terminou a Copa do “bafana- bafana”, e agora começam os preparativos para 2014 da “afana-afana”… Construções de estádios? Afana-afana! Ampliações de aeroportos? Afana-afana! Trem bala? Afana-afana!”. Da jornalista Maria Helena R.R. de Sousa, de O Globo, em seu blog, nesta segunda-feira, fazendo as previsões da próxima Copa no Brasil.

“Cabeça feita: Dessa vez a primeira-dama Marisa Letícia exagerou no cabeleireiro! Capaz de o Lula nem reconhecê-la quando voltar da África”. De Tutty Vasques, nesta sexta-feira, sempre irônico, sobre o novo penteado da mulher do presidente.

“Será que o Bruno e seus dóceis amiguinhos jogaram os pedaços da moça (Eliza Samudio) para os rottweilers ou para uma ala da torcida flamenguista?”. Da psicanalista Bia Kunh, esta semana, chocada com alguns comentários de torcedores do Flamengo, meio que defendendo o goleiro Bruno, suspeito de mandante do assassinato de Eliza Samudio, que chocou…

“Que louco tudo isso! Copa do Mundo rolando e goleiro se entregando na DP do Andaraí”. De Flora Gil, nesta quarta-feira, sobre os últimos acontecimentos, tanto no mundo, como no Brasil, especificamente sobre Bruno Fernandes, goleiro do Flamengo, suspeito de assassinar sua ex-amante.

“Sou um sobrevivente; ter recuperado a minha lucidez e a minha serenidade não tem preço”. De Flávio Sarahyba, nesta segunda-feira, sobre sua recuperação em dependência química.