“Toda vez que o tio revê fotos ou gravações do início da carreira, sente uma esquizofrênica vergonha-alheia-de-si-próprio. É grave, doutor?”. De William Bonner, apresentador do Jornal Nacional (Rede Globo), nesta quarta-feira, tentando decifrar um diagnóstico com seus seguidores do Twitter.

“Silvio Santos mudará seu famoso bordão “Quem quer dinheeeiroooo?” para “Quem tem dinheirooooo?”.” Do “Sensacionalista”, jornal online insento de verdade, nesta terça-feira, sobre o rombo do banco Panamericano, que pertence ao apresentador de TV.

“Só tem vaga para uma Marta no time de 11 mulheres que Dilma Rousseff ficou de escalar em seu Ministério”. Do irreverente Tutty Vasques, nesta quinta-feira, fazendo um trocadilho com a melhor jogadora de futebol do País e a política paulista.

“Eu queria ter uma coluna no jornal feito o Arnaldo Jabor só para espinafrar quem falasse mal do meu trabalho”. Da cantora Olivia Byington, nesta terça-feira, falando sobre a coluna de Jabor, onde ele comenta sobre críticas negativas ao seu filme, “A Suprema Felicidade”.

“Só eu envelheço? Carrego todo mundo comigo, entrego mesmo. Eu vejo a galera toda dizendo que tem 28, 30 anos… Não vou fazer a Glória Maria e esconder a idade”. De Bruno Chateaubriand, que tem 35 anos e não esconde de ninguém, nesta sexta-feira, surpreso por alguns contemporâneos cismarem em mentir a data do nascimento.…

“Calorias são bichos que encolhem nossas roupas enquanto dormimos”. Do cantor Leo Jaime, nessa quarta-feira, durante jantar harmonizado no restaurante da chef Roberta Sudbrack, no Jardim Botânico, respondendo sobre as muitas calorias consumidas.

“Amigos de José de Abreu estão preocupados! O ator havia prometido seguir o exemplo de Paulo Betti e não pagar mais mico em palanque político”. De Tutty Vasques, nesta quinta-feira, sobre a aparição do ator no primeiro discurso da presidente eleita, Dilma Rousseff, que ganhou várias piadinhas pela internet como papagaio de pirata.

“Não vou te sequestrar nem estou te perseguindo. Fica tranquilo”. De Narcisa Tamborindeguy para José Serra, nessa terça-feira, no Parigi, em São Paulo, depois de dar de cara por três vezes seguidas com o político, no restaurante.

“No discurso, Dilma agradeceu a todo mundo. Só se esqueceu de agradecer a Deus que usou e abusou no segundo turno. Mas na vitória… Não”. De Cesar Maia, nesta segunda-feira, sobre o esforço da candidata eleita para conquistar fiéis durante a campanha.

“Alguém me explica a diferença entre noite de autógrafo e missa de corpo presente?”. Do jornalista, roteirista e escritor João Ximenes Braga, sobre como a experiência de autografar livros pode ser entediante, nessa quinta-feira, ao lançar “A dominatrix gorda”, livro que reúne crônicas do caderno ELA, do jornal O Globo, na livraria DaConde, no Leblon.