Os gatos estão se dando bem nesta pandemia

Os gatos estão se dando bem na pandemia: os de quatro patas; os de dois estão sempre ótimos. Segundo dados do programa Adote Petz, que funciona em 54 cidades do Brasil (com mais de 90 protetores e ONGs cadastrados), o número de gatos adotados foi maior do que o de cães em 2020: 57%, contra…

Jockey:  Os velhos problemas estão de volta  

Moradores da Gávea se reuniram para fazer uma petição online a vários órgãos da Prefeitura para o fim das “festas abusivas no Jockey Clube”. Segundo o texto no Avazz.com, “som altíssimo, público aglomerado, sem uso de máscara em shows ao vivo e em festas de música eletrônica que perturbam o sono e contribuem para disseminação…

A gincana da vacina: Eduardo Paes, Flávio Dino e João Doria

Podemos dizer — vendo de fora — que está muito divertida essa corrida de prefeitos e governadores pela vacinação da covid em seus estados/cidades. Os mais, digamos, eufóricos na corrida eleitoral, oops, da vacina, são Flávio Dino, governador do Maranhão, João Doria, de São Paulo, e Eduardo Paes, prefeito do Rio. Nesta segunda (14/06), Doria…

Cinco perguntas para André Ramos (maior festeiro do Rio): “As prioridades mudaram e nos forçaram a ter outro olhar sobre o que um dia foi importante”

A expressão “Petit Comité” nunca esteve entre as preferidas do empresário André Ramos, nem no Rio, nem em Paris, onde ele adora passar temporadas. Adorava, claro! Agora, imagina você, uma pessoa acostumada a dar festas e festas, de repente sem poder fazer nada há mais de um ano? A realidade é isoladinho-em-casa, na Gávea, onde…

Opinião, por Eduardo Affonso: Quando eu crescer…

O filósofo e escritor Luiz Felipe Pondé disse uma vez que, quando crescesse, queria ser Paulo Francis. Elis Regina um dia quis ser Ângela Maria. Roberto Carlos andou querendo, lá nos primórdios, ser João Gilberto. O Destino, entretanto, costuma ter outros planos e nos deixa crescendo ao léu, e nos tornando nós mesmos. Eu quis…

O Dia dos Namorados inesquecível do biólogo Mario Moscatelli

“No dia dos namorados de 1990, lá estava eu fugindo do Brasil. Motivo: salvar minha vida, sentenciada à morte por contrariar interesses econômicos da especulação imobiliária que detonava áreas de preservação ambiental na Baía de Ilha Grande. Não fazia nada de excepcional como chefe do departamento de controle ambiental da prefeitura de Angra dos Reis. Apenas…

De Próprio Punho, por Anna Penido, educadora, viúva do jornalista Gilberto Dimenstein: “Depois que ele se foi, não tive medo da dor, por entendê-la inevitável”

Assim que Gilberto partiu, passei a dormir do outro lado da nossa cama. Inicialmente, pensava que a minha decisão tinha a ver com a vontade de estar mais perto dele, de me moldar às marcas deixadas por seu corpo no nosso colchão. Mais adiante, percebi que evitava a experiência de me defrontar com a ausência…