BLOG

17/09/2018 - 17:00

Cristo Redentor: 50% de desconto para cariocas

Cristo Redentor: ingressos para moradores do Rio voltam a ter valor promocional a partir de 1º de outubro /Foto: Reprodução

A promoção de 50% no preço do ingresso para cariocas visitarem o Cristo Redentor vai voltar a partir de 1º de outubro – mês dos 77 anos do cartão-postal -, depois de quatro anos suspensa. O anúncio foi feito pelo empresário Sávio Neves, presidente da concessionária Trem do Corcovado, nesta segunda-feira (17/09). A promoção funcionou durante 12 anos, entre 2002 e 2014, e agora vem com outra novidade: quando o turista comprar o ingresso, poderá fazer uma doação de um valor correspondente a US$ 1 dólar (cerca de R$ 4,16) à Mitra Arquiepiscopal, dentro da campanha “Amigos do Cristo”. Toda a renda vai para a manutenção da estátua e da Capela Nossa Senhora Aparecida, comandada pelo padre Omar Raposo. O monumento recebe uma média de 600 mil turistas por ano e, segundo Sávio, o número já foi bem maior. “A crise econômica no País e no estado do Rio levou ao afastamento dos turistas. Também notamos que nossos problemas com segurança pública contribuiu”, disse. Na alta temporada, o valor do bilhete é de R$ 75; na baixa, R$ 62.


Enviado por: Redação
17/09/2018 - 16:00

A homenagem a Emeric Marcier e sua arte sacra

“Emeric Marcier”: Laura Carneiro entre Fabiana e Marcos Scorzelli /Foto: Marco Rodrigues

“Emeric Marcier”: Ana Paula Protásio com Mathias Marcier – Eliana e Chico Caruso /Fotos: Marco Rodrigues

“Emeric Marcier”: Tessy Callado e Marco Rodrigues – Júlio Bandeira e Paula Fiuza /Fotos: Marco Rodrigues

“Emeric Marcier”: Evandro Carneiro com Luiza e Mathias Marcier /Foto: Marco Rodrigues

Nesse fim de semana, foi inaugurada a exposição “Emeric Marcier” (1916-1990), na Galeria Evandro Carneiro Arte, no Gávea Trade Center, homenageando o artista considerado o maior pintor de arte sacra no Brasil. Ali estão 28 trabalhos em telas a óleo e aquarelas com parte do acervo inédito, cedido pelo filho do artista, Mathias Marcier. Está lá, por exemplo, “Autorretrato” (1990), uma das últimas telas produzidas por ele.


Enviado por: Redação
17/09/2018 - 15:20

Márcio Braga, em forma aos 82, chama atenção 

O casal Ana Paula Almeida e Márcio Braga: o ex-presidente mais vitorioso da história do Flamengo chama atenção em evento carioca /Foto: Ari Kaye

Uma das arquitetas que estiveram na abertura do CasCor Rio, nesse domingo, ficou chocada ao ouvir a amiga jurar que Márcio Braga teria mais de 70 anos. Deram um Google, ali, na hora, e descobriram ser 82, completados dia 14 de março. Aí, então, sentiram-se ainda mais surpreendidas: o ex-presidente do Flamengo chegou acompanhado de de Ana Paula Almeida, que tem um jeito bem jovem. Ao saber que são casados, a arquiteta, de 55 anos, comentou que, na idade dela, talvez seja considerada uma anciã pra ele. De toda forma, fez a fina. 


Enviado por: Redação
17/09/2018 - 14:00

Frans Krajcberg: mostra relembra momentos do artista

“Respiração Krajcberg”: Liana Pérola, Lea e Israel Klabin /Foto: Marco Rodrigues

“Respiração Krajcberg”: Cristina Penna e Monica Alvares – Edna e Flávio Teruszkin /Fotos: Marco Rodrigues

“Respiração Krajcberg”:Fernando Barrozo do Amaral, Leonel Kaz, Marcia Barrozo do Amaral e Marcio Doctors /Foto: Marco Rodrigues

“Respiração Krajcberg”: Luiz Garrido, Ruth Levy e Eduardo Cantindiano /Foto: Marco Rodrigues

Frans Krajcberg (1921-2017) ganhou uma exposição na Casa Museu Eva Klabin, na Lagoa, a “Respiração Krajcberg”, com curadoria de Marcio Doctors, nesse fim de semana. Vai fazer parte do circuito da ArtRio que fica em cartaz até fevereiro. A mostra reúne sete grandes trabalhos, além de fotos e videoinstalações que recuperam momentos de destruição da 2ª Guerra Mundial e das queimadas florestais, que repercutem os momentos dramáticos da vida do artista – polonês naturalizado brasileiro, que chegou ao Brasil para reconstruir a vida depois de perder a família num campo de concentração.

Tem também retratos de Frans feitos por Luiz Garrido e imagens da viagem ao Alto Amazonas com o crítico e filósofo Pierre Restany e, ainda, com o pintor Sepp Baendereck, quando foi redigido o “Manifesto Rio Negro”, lido na exposição por Israel Klabin. Tudo tendo como trilha sonora o Choro nº 10, de Villa-Lobos, e Canticum Naturale, de Edino Krieger. “Ele foi uma pessoa que enfrentou a destruição e encontrou força de vida através da arte; defendia uma causa sem usar o trabalho como panfleto político”, disse Doctors. 


Enviado por: Redação
17/09/2018 - 13:00

Carla Bensoussan: carnaval de rua do Recife em SP

Carla Bensoussan: empresária quer mostrar o frevo do Nordeste em São Paulo /Foto: Divulgação

A empresária Carla Bensoussan, “embaixadora do frevo”, nome por trás das maiores festas de Pernambuco, vai levar o carnaval de rua do Recife para São Paulo, nesta quarta-feira-feira (19/09), na Casa Miracolli, no Jardim Paulista, com shows de Alceu Valença, Elba Ramalho, Nena Queiroga e Almério. “O carnaval de rua do Recife é a mais forte expressão da diversidade cultural do Nordeste. É preciso um olhar que preserve essa cultura”, diz Carla. Este ano, a folia recifense aconteceu em 44 lugares oficiais, em toda a cidade, além dos 800 blocos, mais de 300 agremiações, 1.354 artistas contratados e 2,7 mil apresentações durante os dias de festa.


Enviado por: Redação
17/09/2018 - 11:30

Ney Matogrosso: “Onde está a blasfêmia?”

“Queermuseu”: Ney Matogrosso e Fabio Szwarcwald antes da apresentação do cantor no encerramento da exposição Queermuseu /Foto: Diana Sandes

E teve Ney Matogrosso nesse domingo (16/09), dia do encerramento da “Queermuseu” no Parque Lage, o de melhor, incluindo a exposição em si, que levou mais de 40 mil pessoas às cavalariças, em 30 dias. A direção estendeu a visitação até as 22h, já que as filas atravessavam as áreas do Parque e chegavam a mais de duas horas de espera. Chamava a atenção o ecletismo do público: tinha de tudo – e, no fim, muitos pularam na piscina e ficaram nus. O show foi surpresa de Ney, que visitou a mostra semana passada e aceitou o convite do diretor da Escola de Artes Visuais, Fabio Szwarcwald. E já entrou cantando “Olhos nos Olhos”, de Chico Buarque, acompanhado pelo violonista Zé Paulo Becker. O repertório foi de Cartola e Noel Rosa a Kid Abelha. Já na primeira música, alguns se jogaram à piscina, gritando: “Gostoso”. Ney se disse muito impressionado com todo o movimento contra a censura. Ao ser perguntado sobre a ostensiva polêmica causada pela Queermuseu (onde tudo é tão comunzinho), ganhando tanta repercussão exatamente por ter sido censurada, se é que vocês me entendem, respondeu não ver razão alguma e disse ter saído das salas de exposição com uma única incógnita: “Onde está a blasfêmia?”

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por M O N I C A V I L L E LA (@monicavillela) em


Enviado por: Redação
16/09/2018 - 15:00

CasaCor: dos Müller para os arquitetos 

Patricia Quentel, Flavia Pardini, Patricia Mayer e Marcia Müller /Foto: Vera Donato

Nando Grabowsky, Paulo Müller com o casal Paula e Luiz Carlos Nabuco /Foto: Vera Donato

Chicô Gouvêa e Adriana Mattar /Foto: Miguel Sá

Luciana Araújo e Paulo Reis – Lucio Salvatore e Constança Basto /Fotos: Miguel Sá

Paulo Müller e Narcisa Tamborindeguy /Foto: Vera Donato

Heckel Verri e Zé Ronaldo Müller – Amelinha Azeredo e Arthur Heygate /Fotos: Miguel Sá

Marise Müller e Hilma Bandeira – Manu e Antonia Müller /Fotos: Vera Donato

Clarissa Schneider, Monica Barbosa e João Mansur /Foto: Vera Donato

Djailton, o famoso DJ, que deixou alguns interessados em seu passe, ao saber que ele pode ser motorista, barman, decorador (ele fez os arranjos do jantar) ou ainda maître /Foto: Vera Donato

Antes do começo de cada edição do CasaCor, tem sempre um jantar na casa de um dos arquitetos, desses bem conhecidos – o que não falta no Rio são talentos da arquitetura. Este ano, foi na casa do cirurgião plástico Paulo Müller, a pedido da irmã, Marcia, uma das participantes do evento, junto à filha Manu. O apartamento da Avenida Atlântica, com projeto dela, é sempre surpreendente para aqueles que nunca estiveram ali, como os tantos paulistas da área que estão no Rio.

Noite de brisa, sem o calorão habitual, em qualquer lugar, mas a casa do médico é um dos pontos mais frios da cidade carioca, seja inverno, seja verão, comparável à temperatura do restaurante Gero ou qualquer lugar de graus negativos.

Seriam 40 convidados; pelo número de amigos de Marcia Müller, viraram 80 (isso, com esforço na seleção), sem o anfitrião saber. Quando Adriana Mattar, a chef, percebeu a situação, mandou buscar mais comida e resolveu o assunto sem o menor estresse: que maestria no improviso, na mobilidade, no treinamento! Quanto à bebida, ali tem sempre para um batalhão. Depois de todos saciados, com centenas-de-tacinhas-emborcadas, o anfitrião ficou tranquilo e a arquitetada, alegre – como sempre!


Enviado por: Lu Lacerda
16/09/2018 - 12:00

Seis perguntas para Fernanda Diniz (filme com Angelina Jolie)

Fernanda Diniz é a cara do Brasil – e que cara! Por isso mesmo, foi selecionada para estrelar “Malévola 2”, continuação da Disney, ao lado de Angelina Jolie, Elle Fanning e Michele Pfeiffer. O filme chega aos cinemas dia 29 de maio de 2020. Nascida em Manaus, a moreníssima meteu o pé do Brasil aos 16 anos, para morar entre Lisboa e Londres, com a família, depois de algumas participações em novelas da TV Globo. Aos 32, seu currículo é abrangente: já interpretou italiana, espanhola, marroquina, venezuelana, fez séries, novelas e acaba de protagonizar a comédia de humor negro “Red Evil”, ainda sem data de estreia.

Um detalhe para que ela entrasse no mercado hollywoodiano foi atravessar a barreira da língua, sempre observando atores que conseguem trabalhar em mais de uma indústria cinematográfica. As filmagens de “Malévola 2” acabaram de terminar, mas o trabalho continua a toda: ela será uma das protagonistas de “Team Joy”, ao lado de Jesse Williams (o Dr. Jackson Avery de “Greys anatomy”), com direção de Joe Tripician.

1
 Quando decidiu ser atriz? 

Sempre esteve em mim, desde criança; não me lembro de sonhar com outra coisa. Eu era uma indiazinha na Amazônia, sonhando em conquistar o mundo. Não sabia como, mas isso é o que me fascina nas crianças: elas não têm limites na criatividade. Quando nos tornamos adultos, é que o medo vai limitando nossos sonhos, e aí deixamos de acreditar que é possível. No meu caminho, tive que superar a extrema timidez e falta de confiança. Pelo menos, fiz um pacto comigo mesma de que nunca iria me abandonar e lutei para superar esses aspectos limitantes e seguir meu coração. Comecei minha carreira de atriz no Brasil, paralelamente também fui modelo e, como morei em vários países, aproveitei para estudar teatro e línguas. Não voltei a trabalhar no Brasil, mas tenho muita vontade. Tenho uma ligação forte com as minhas raízes no Amazonas. 

2
Você se acha uma pessoa exótica? 

Felizmente, nunca me senti categorizada como exótica – vou tendo oportunidades de fazer papéis bem variados. Acho que depende mais das aptidões para línguas e sotaques e, como falo fluentemente inglês, espanhol e italiano, sempre se abrem mais portas. Agora estou me dedicando em aprender o sotaque britânico.  

3
Como é representar a Amazônia nesse circuito tão competitivo?  

Uma honra. Amo dizer para o mundo que sou da Amazônia, que tive a sorte de crescer correndo na floresta, subindo às árvores, dançando na chuva e criando muitos animais em casa. Óbvio que o Amazonas não é só isso, mas essas são as lembranças mais gostosas que tenho. As pessoas ficam fascinadas em ouvir e ver o quanto sou conectada a isso, mesmo no frenesi das grandes capitais. A indiazinha não sai de mim. 

4
Como surgiu a oportunidade de fazer “Malévola 2”?  

O diretor de elenco me chamou para o teste. Por sorte, eu já tinha visto o primeiro filme e foi fácil entrar nesse mundo. As gravações começaram em maio e vão durar alguns meses. O teste foi bem simples. Antigamente ficava muito nervosa; agora aceito o que o universo me oferece – obvio que fazendo o trabalho de casa da melhor forma que posso. A melhor coisa que fiz foi aprender a meditar e usar essa ferramenta para me manter calma. 

5
E Jolie? 

Ela é uma pessoa muito simples. Agora entendo. Angelina não é deste mundo, gente! Um amor de pessoa! Generosa com toda a equipe. Há muita camaradagem nessa produção, e eu tenho me sentido muito bem acolhida. Mas não costumo tietar ninguém porque acredito que cada pessoa tem algo muito especial e único, mas a admiro em especial pelo trabalho humanitário que ela faz. Tenho certeza de que vou aprender muito com todos os atores incríveis desse filme, e estou amando estar nessa aventura, é um sonho de criança realizado!  

6
O que temos aí para o seu futuro?  

Acabei recentemente as gravações de “Red Devil”, ainda sem nome em português. Estamos em fase de pós- produção, e tenho muito carinho por esse projeto. É um crime cósmico; estou louca para vê-lo nas telonas. Fora isso, em breve vou começar os ensaios de uma peça de teatro em espanhol, em Londres. 


Enviado por: Redação
15/09/2018 - 19:00

Relançamento de “Os Bossa Nova”: vem aí show no Blue Note

Na primeira foto, Marcos Valle, Roberto Menescal, Carlos Lyra e João Donato; na segunda, o casal Maria Beltrão e Luciano Saldanha com as filhas Ana Beltrão e Maria Beatriz Saldanha; na terceira, Daniel, Memê e Charles Gavin; na quarta, os casais Carlos Uchoa e Andrea Buffara, Patricia Peltier e Gilberto Buffara, nesta foto, Joaquim Ferreira dos Santos, Arthur Dapieve, Lilian Sapucahy e Marya Millen no lançamento de “Os Bossa Nova” / Fotos: Vera Donato

O CD “Os Bossa Nova”, de 2008, com João Donato, Roberto Menescal, Carlos Lyra e Marcos Valle, nomes tão importantes para a música brasileira, foi relançado pela Biscoito Fino, com festa na Lagoa, nessa sexta-feira (14/09). O movimento musical que começou na década de 50, na Zona Sul do Rio, está comemorando 60 anos e segue a toda. No próximo dia 22 vai ter show no Blue Note, na Lagoa. 


Enviado por: Lu Lacerda
15/09/2018 - 12:21

Segundo Sol: vamos dar férias ao elevador Lacerda?

Segundo Sol, de João Emanuel Carneiro: vamos dar umas férias ao elevador Lacerda? Foto: reprodução Bahia Turismo

Chama atenção em Segundo Sol, de João Emanuel Carneiro (cheio de fãs na Zona Norte, na Zona Sul ou em qualquer zona), além do padecimento interminável de Luzia Batista (Giovanna Antonelli), a repetição diária da imagem do elevador Lacerda, ilustrando a cidade onde passa a história: Salvador. Aparece quase tanto quanto Beto Falcão (que maravilha de artista é aquele Emilio Dantas?). O que não falta na capital baiana são cenários espetaculares para dar uma variada, “concedendo” umas férias ao famoso elevador. Quanto à Luzia, comenta-se que o salário da Antonelli é lá no céu – ainda pouco diante do que ela vem sofrendo. Merece cachê “roliudiano”.


Enviado por: Lu Lacerda
Página 2 de 2.89912345102030Última »

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline