Comunicação não violenta, por Marie Bendelac: como ser mais feliz praticando a autoempatia?

Como podemos nos conectar com nossas necessidades e sentimentos para orientar escolhas mais conscientes? Muito mais do que uma ferramenta essencial para a assertividade na comunicação com os outros, a Comunicação Não Violenta (CNV) é, também, poderosa para o autoconhecimento, a autoempatia e autocompaixão. Marshall Rosenberg, pai da Comunicação Não Violenta, pontua que “tudo o…

Doze perguntas para Julius Wiedemann (diretor da Taschen): “Se conseguiu fazer algo dar certo no Brasil, você consegue fazer em qualquer lugar”

Para os apreciadores de livros de artes visuais, arquitetura, cinema e design, a Taschen é a Disney do mercado editorial, digamos assim. Nos 20 dos seus 40 anos de existência, comemorados em 2020, a editora alemã conta com um sotaque carioca: entre seus diretores executivos da área de Design e Cultura Pop, está Julius Wiedemann,…

Opinião, por Eduardo Affonso: a alma das palavras

Sou aquele sujeito que lê dicionário como quem lê romance. Cada verbete é um personagem, uma subtrama. Sou aquele cara estranho que não acredita na alma da Bíblia, mas nas almas do Aurélio, do Michaelis, do Houaiss. Porque a estrutura de arame e madeira das esculturas de gesso, o elemento de sustentação em torno do…

Entrevista “Invertida”, com Eduardo Paes: “Não quero ver minha cidade morrendo” 

Sempre entrevistamos  todos os candidatos. Para as eleições deste ano, resolvemos esperar o segundo turno. Conversamos com Eduardo Paes (DEM), nesse pingue-pongue, às vésperas da eleição para a Prefeitura do Rio, tendo como adversário o atual prefeito, Marcelo Crivella.  Em pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (28/11), tudo diz que Paes pode voltar ao posto que…

Meio ambiente, por Mario Moscatelli: “Futuro prefeito, não me venha com a historinha de que faltam recursos”

O tema ambiental não é  assunto muito interessante para a maioria dos políticos, visto que não rende muitos votos. Por conta disso, a pasta ambiental é tida como a “menina feia” do secretariado, potencialmente mais produtora de problemas do que supostos dividendos políticos para os ícones das políticas local e nacional. Enfim, questão cultural típica…