O escritor Francisco Azevedo lança o romance “A roupa do corpo”, concluindo a tetralogia iniciada pelo best-seller “O arroz de Palma”, seguido por “Doce Gabito” e “Os novos moradores”, em live da Livraria Argumento, na quinta (10/12), às 20h, em bate-papo com a juíza e escritora Andrea Pachá.

Na quinta (10/12), diretamente de Salvador, o cantor, compositor e instrumentista Tiganá Santana (voz e guitarra) se apresenta na série Música #EmCasaComSesc, às 19h, acompanhado pelos músicos Sebastian Notini (percussão) e Ldson Galter (contrabaixo acústico).

Estilo de vida, por Karen Couto: cura portátil!

O futuro da Medicina é “frequência”, e, de acordo com Nikola Tesla (inventor sérvio no campo da engenharia  mecânica e eletrotécnica), “se você quer descobrir os mistérios do universo, pense em termos energéticos, vibratórios e frequência (Mhz).” Se você está vibrando em ”FM”, significa que está conectado com todos nessa frequência e é afetado por ela.…

Oito perguntas para Tati Leite (Benfeitoria): “Não podemos reduzir a filantropia num País tão desigual quanto o Brasil”

As vaquinhas virtuais foram a solução pra muita gente na pandemia; vários projetos foram financiados, ou simplesmente sobreviveram. No entanto, essas correntes solidárias vão muito além do que fazer um depósito num site. Aí é que entra a carioca Tati Leite, criadora da Benfeitoria, uma das principais plataformas de financiamento coletivo. Só nos últimos oito…

Patricia Guerreiro: depois de alguns quilos a mais na quarentena, artista passou a se perguntar o significado de “Corpos Perfeitos”, título da sua exposição

Depois de alguns quilos a mais durante o isolamento, Patricia Guerreiro passou a se perguntar o significado de corpos perfeitos. Resolveu, então, profissionalizar aquilo que ama fazer, cerâmica: “Comecei a engordar, como muitas pessoas na quarentena. Eu já pesei 102 kg quando tinha uns 20 anos; emagreci 40 kg e tenho me mantido”. Contudo, ela queria questionar…

Opinião, por Andréa Pachá (juíza — sobre o caso do Ninho do urubu): “Um dos maiores clubes do Brasil não estabelecer parâmetros aceitáveis para permitir que os familiares retomem a vida”

Era 8 de fevereiro de 2019. Inesquecível o sentimento experimentado naquela manhã, diante das notícias que não paravam de chegar. Dez adolescentes mortos, em um incêndio no contêiner que servia de dormitório, em um dos maiores clubes de futebol do Brasil. O horror era potencializado pela chegada de novas informações: em uma vistoria, a vulnerabilidade…