02/10/2018 - 19:00

Treze perguntas para Romario: candidato ao governo do Rio

Dando continuidade ao “Especial Eleições 2018”, a entrevista desta terça-feira (02/10) é com o candidato Romário (Podemos). Já foram publicadas as entrevistas de Eduardo PaesGarotinhoIndio da CostaMarcelo Trindade, Marcia Tiburi e Pedro Fernandes

1
Por que se candidatar ao governo do Rio? 

Porque eu cansei de ouvir promessas. Assim como a população, eu acreditei que eles podiam mudar o Rio de Janeiro. E eles mudaram mesmo, só que para pior. Então decidi eu mesmo fazer essa mudança.

2
A fazer aliança com algum dos seus concorrentes, qual seria? Por quê?  

Eu prefiro focar na minha candidatura, na minha vontade de ser governador do Rio de Janeiro. Muitos que estão ali são responsáveis pelo atual estado em que estamos. Nunca fiz parte dessa quadrilha e nem vou fazer.

3
Das tantas tragédias atuais na vida dos cariocas, qual a que mais o comove?

A saúde. Estamos em 2018, e as pessoas ainda morrem na porta de hospitais. Eu sei o que é essa realidade porque nasci na favela, estudei em colégio público, quando ficava doente ia para hospital público. Sei na prática o que as pessoas passam, e não na teoria. Não dá mais para o povo passar por isso.

4
Qual a ordem de prioridade pra você: educação, saúde e segurança?

Saúde. Claro que a segurança é sempre uma prioridade para qualquer político do Rio de Janeiro, mas a saúde precisa de mais atenção. A secretaria de Saúde foi onde mais se roubou nos últimos anos e quem está pagando o preço é a população. Vou auditar todos os contratos da Saúde, principalmente os contratos com as OSs. Tenho certeza de que os recursos existem. É só não deixar roubar.

5
O senhor colocaria um filho numa escola pública no Rio? Por quê? 

Independentemente de quem estuda na escola pública, ela tem que ser um local seguro, atraente e que estimule o jovem a estudar. A escola tem que falar a língua do jovem. Hoje, os adolescentes fazem tudo com aplicativo, celular. Na escola, eles têm que encontrar essa mesma realidade.

6
Quais as três primeiras providências se eleito?

Reduzir o número de UPPs e colocar mais polícia na rua, auditar todos os contratos do governo, principalmente na Saúde, e acabar com as mordomias e desperdício de dinheiro público.

7
A filha do Eduardo Cunha é candidata, o filho do Sérgio Cabral é candidato, o filho do Jorge Picciani é candidato; todos presos – o que existe de tão atraente na política que não intimida esses jovens nem nessas circunstâncias?

A falta de interesse pelo povo. Eles só estão preocupados em se manter no poder. Não querem saber do que as pessoas precisam nem do que elas passam todos os dias no transporte, nos hospitais, nas escolas. Como eu falei, eles são uma quadrilha.

8
O que pretende deixar de mais importante ao fim de seu governo?

Um governo que melhore a vida das pessoas de verdade. As pessoas têm que saber que elas podem contar com o governo na hora em que ficam doentes, que elas não precisam ter medo para sair de casa. Hoje, a população do Rio está com medo. Os empresários não querem investir no estado porque têm medo. Se eu conseguir resgatar o que o Rio de Janeiro tem de melhor, acredito que cumprirei bem o meu papel.  

9
Que cidade citaria como exemplo? Por quê?  

Eu acho o Rio de Janeiro uma cidade única. Já morei na Espanha, na Holanda e podia morar em qualquer lugar do mundo. Mas moro aqui porque sei da capacidade que nós temos, sei das qualidades, sei que podemos ser muito mais.

10
Qual o seu apreço ou desapreço com a prefeitura do Crivella?

Eu apoiei o prefeito Crivella, mas rompi com ele logo no início do mandato. Ele, assim como os outros, também me decepcionou.

11
E a vida cultural como anda? Qual a última peça, o último filme, o último livro?

Minha vida agora é fazer campanha na rua, sentir o carinho do povo.

12
Sabemos que a União retém quase a totalidade dos impostos arrecadados no Estado do Rio, deixando o governador, digamos, de pires na mão. Qual seria sua proposta para evitar essa romaria a Brasília, cada vez que mais dinheiro é necessário?

Temos que rever muita coisa. Meu futuro secretário de Fazenda, Guilherme Mercês, que conhece muito de finanças públicas, montou meu plano de governo nesse sentido. Vamos rever benefícios fiscais, acordos, contratos. Sempre dentro do que prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal. Vou lançar um pacote de medidas para estimular a nossa economia, gerar empregos e tornar o Rio menos dependente do petróleo e das receitas de royalties. 

13
O que você acha de políticos que mentem?

Acho que os políticos têm que ter a consciência que a população precisa de uma vida melhor e mais digna. Precisa de um governo que retribua tudo que eles pagam de imposto, que não é pouca coisa. Se a gente tem possibilidade de mudar a vida das pessoas, que seja sempre para melhor.


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 17:50

Foto de Chico Alencar com Bolsonaro em 2010 ganha força nas redes

Bolsonaro: foto de 2010 do candidato à presidência mais pontuado, estampada com foto de Médici, publicada pelo deputado Chico Alencar, ganha força nas redes

Ganha força nas redes sociais uma foto publicada pelo deputado Chico Alencar (PSOL), candidato ao Senado, em seu Instagram: “Em 2010, eu estava fazendo campanha em Copacabana, quando encontrei um outro candidato, de ideias totalmente opostas. Em sua blusa, Médici, considerado o presidente mais cruel da ditadura; na minha, estava Gandhi. Cada um escolhe o “guru” com quem mais se identifica. Sigamos escolhendo bem, não só nossos ‘gurus’, mas também nossos candidatos”. O outro candidato falado por Chico é Jair Bolsonaro, como mostra a imagem. Dia 02/10 é aniversario de 149 anos de Mahatma Gandhi. 


Enviado por: Lu Lacerda
02/10/2018 - 17:47

A Fundação Pierre Verger vai lançar nova edição de “Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo”, nesta quinta-feira (04/10), na Travessa de Botafogo, às 19h. A publicação é resultado de pesquisas etnográficas de Pierre Fatumbi Verger que retratam os cultos aos deuses Iorubás, com 250 fotos e textos sobre as cerimônias e características de cada orixá.


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 17:30

Neymar pai e Jr.: gravação para filme da filha de Pelé

Neymar Jr.: craque do PSG deu entrevista para Kely Nascimento-Deluca para o documentário “A Warrior Women of Football” /Foto: Reprodução Instagram

Neymar pai e Kely Nascimento-Deluca em encontro para gravação do filme “A Warrior Women of Football” /Foto: Reprodução Instagram

Neymar Jr. e Neymar pai foram entrevistados por Kely Nascimento-Deluca (cineasta e filha mais velha de Pelé, que mora em Nova York), nessa segunda e terça-feira (01 e 02/10), na sede do clube Paris Saint-Germain, em Paris, com depoimentos para o documentário “A Warrior Women of Football” (em tradução livre, “As guerreiras do futebol”), a ser lançado em 2019. O filme segue a história de jogadoras do mundo inteiro, incluindo a baiana Laís Araújo, que joga como meio-campo da Seleção Feminina Brasileira Sub-20 e atualmente atua no ASA College/Nova York. “A desigualdade no futebol feminino reflete diretamente na desigualdade de cada país retratado. E isso, por sua vez, representa a saúde econômica desses lugares, ou seja, o filme não é apenas sobre o esporte”, disse Kely.

O documentário também vai ter entrevistas com Abby Wambach, ex-jogadora da seleção norte-americana; da ex-tenista Billie Jean King e das ex-jogadoras americanas Mia Hamm e Julie Foudy, além das brasileiras Formiga (Miraildes Maciel Mota), duas vezes vice-campeã olímpica e uma vez vice-campeã mundial, e claro, de Marta Vieira, que joga pelo Orlando Pride, nos Estados Unidos, e acabou de ser eleita como a melhor do mundo pela sexta vez pela Fifa.


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 16:00

Paris: sempre brasileiros envolvidos

Edgardo Osorio entre as joalheiras Anissa Kermiche, a brasileira Ana Khouri, Venyx e Noor Fares /Foto: Lodovico Colli di Felizzano

A meio-italiana-meio-brasileira Bianca Brandolini d’Adda e Caroline Issa, diretora de moda da revista Tank /Foto: Lodovico Colli di Felizzano

A modelo russa Karolina Kurkova e Edgardo Osorio /Foto: Lodovico Colli di Felizzano

As estilistas italianas Lucilla e Luisa Beccaria /Foto: Lodovico Colli di Felizzano

A cantora Caroline Vreeland, bisneta de Diana Vreeland, a lendária editora-chefe da “Vogue” americana, morta em 1989; e a brasileira Chris Pitanguy /Foto: Lodovico Colli di Felizzano

Selby Drummond, diretora de projetos especiais da Vogue americana, e Nati Abascal, socialite e modelo espanhola /Foto: Lodovico Colli di Felizzano

Os eventos paralelos à semana de moda de Paris têm chamado a atenção, sempre com brasileiros entre os convidados ou envolvidos. Nessa segunda-feira (01/10), Edgardo Osorio, o colombiano por trás da grife de sapatos Aquazzura (com sede em Florença, na Itália, chegando brevemente a São Paulo), ofereceu jantar no Hôtel d’Evreux, na Place Vendôme. O evento lançou a coleção de cinco estilistas, entre elas, a joalheira brasileira Ana Khouri, além de Anissa Kermiche, Sabine Getty, Noor Fares e Venyx World por Eugenie Niarchos. Foi um grande vaivém de mulheres maravilhosas. 


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 14:00

Narcisa Tamborindeguy e Marcia Verissimo: comendadoras cariocas

Narcisa Tamborindeguy e Marcia Verissimo: cariocas recebem “A Cruz do Mérito do Empreendedor Juscelino Kubtischek” /Foto: Arquivo Pessoal

Narcisa Tamborindeguy virou de vez “A cara do Rio”, um dos seus bordões. A jornalista e advogada foi uma das condecoradas com “A Cruz do Mérito do Empreendedor Juscelino Kubtischek” nessa segunda-feira (01/10), em cerimônia na Câmara Municipal do Rio, na Cinelândia. O documento homenageia pessoas que divulgam o nome da cidade, além de serviços prestados ao município. Narcisa, com toda a sua irreverência, divulga como ninguém o jeitinho carioca pelos quatro cantos do mundo, além de colaborar com o Lar de Narcisa, em Duque de Caxias, com crianças órfãs. E como é receber esse título? “Já tenho várias comendas. Elas dão sorte, quero fazer coleção”. 

 A produtora de eventos Marcia Verissimo também recebeu a homenagem: “Nasci e moro no Rio a vida inteira. É uma honra enorme pra mim porque amo muito a minha cidade apesar de todos os pesares. Sempre faço trabalhos que elevem o Rio. Trabalho o carnaval como um todo, divulgando para o País inteiro e também fazendo caridade. É como se alguém falasse: ‘Você merece um destaque porque você faz isso pela sociedade'”, diz Marcia, que foi, por exemplo, uma das embaixadoras do recente evento “A loja vazia”, no Barrashopping, que conseguiu arrecadar 5.700 brinquedos, além de material escolar. 


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 13:00

Luis Lobianco: “Gisberta” em curtíssima temporada carioca

Luis Lobianco faz curta temporada do espetáculo “Gisberta”, na Cidade das Artes, na Barra /Foto: Elisa Mendes

Sucesso como Clovinho em “Segundo Sol”, novela de João Emanuel Carneiro, Luis Lobianco vai mostrar todo o seu talento no palco, em curtíssima temporada, nos dias 12,13 e 14 de outubro, na Cidade das Artes, na Barra. No espetáculo “Gisberta” – com direção de Renato Carrera e texto de Rafael Souza-Ribeiro –, o ator mistura política, história, música, teatro, humor, poesia e ficção para falar da personagem-título, brasileira que foi vítima da transfobia e teve morte trágica em 2006, em Portugal. “O mundo passa por uma grande crise de identidade: o que somos essencialmente e onde podemos viver o que somos? Há liberdade para identidade de gênero mesmo que se tenha nascido em um corpo de outro sexo? Gays podem se amar sem exposição à violência? Não tem mais como se esconder no armário. Ser livre ou servir à intolerância: eis a questão”, diz Lobianco. 

Em 2017, Gisberta deu nome ao primeiro centro de apoio aos LGBTQI+, o “Centro Gis”, em Matosinhos, distrito do Porto. “O caso de Gisberta não é conhecido por aqui e decidi que ela vai reviver a partir da arte e será amada pelo público”, finaliza Luis, que não interpreta Gisberta, mas outros personagens a partir de relatos da família, do processo judicial e de visitas ao local da tragédia. A peça estrou no ano passado, no Rio, passou por Brasília, e foi vista por mais de 10 mil pessoas. Ainda este ano, Luis e equipe embarcam para Portugal para apresentações no Porto, em novembro, e  Lisboa, em dezembro.


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 11:40

Museu Nacional: abraço simbólico em volta do prédio

Museu Nacional: para marcar um mês do incêndio, funcionários e alunos vão fazer um abraço simbólico /Foto: Reprodução

Para marcar um mês do incêndio no Museu Nacional, funcionários e alunos vão fazer um abraço simbólico em volta do prédio, nesta terça-feira (02/10). O museu recebeu uma verba de quase R$ 9 milhões do Ministério da Educação que foi direcionada para obras emergenciais que começaram no dia 21 de setembro – e devem terminar em seis meses. Enquanto isso, técnicos continuam o trabalho de segurança para a entrada dos cientistas que vão tentar recuperar parte do acervo. “O dinheiro liberado pelo MEC dá apenas para escorar as paredes, colocar um teto provisório e retirar o entulho. Mas é fundamental que o Brasil trabalhe para que a gente possa recompor o museu o quanto antes”, disse Alexander  Kelnner, diretor do museu.


Enviado por: Redação
02/10/2018 - 11:00

Em casa, por Manu e Marcia Müller: o glamour em casa

Os valores da sociedade foram modificando-se através dos tempos. A noção do glamour, sempre associada ao excesso e ao ilícito também foi  adaptando-se aos novos tempos. Hoje, um volume arquitetônico, seja comercial, seja habitacional, pode ser definido como uma construção glamourosa sem que seja um adjetivo pejorativo. Mas o que é glamour na arquitetura?

É tudo que esteja associado ao luxo sem que este seja importante ou necessário para a existência dessa construção. Porém qual o juízo de valor do que é necessário ou não? Hoje, com a valorização do ser humano, vivemos uma era em que, no centro de tudo, está o seu bem-estar. As necessidades e preferências pessoais se tornam muito mais importantes que as tendências. O legítimo e o lícito são os valores pessoais.

O passado foi se moldando até chegarmos ao momento  atual, em que a noção de glamour tem muito mais a ver com sofisticação e satisfação pessoal do que com excesso e frivolidades – uma  imagem vai muito além da realidade. Assim pode ser definido o glamour em casa: você pode ter um quadro excessivamente valioso, mas apenas um quadro; você pode ter uma cozinha supersimples, mas com uma geladeira incrível. Glamour é ter a personalidade de priorizar aquilo que é inédito e único para você.

Como por exemplo, colocar um móvel antigo lindo na cozinha ou no banheiro, porque são os lugares da casa que você mais usa – o inusitado também é glamour. Ser glamouroso significa ter charme e atitude, bem diferente da ideia antiga, em que glamour significava pessoas a quem davam um juízo de valor errado para o que era importante. Hoje, o glamour é dar valor e importância às suas preferências e escolhas. Glamour é você no centro das suas necessidades e no centro de sua casa!


Enviado por: Redação

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline