02/04/2018 - 17:40

Bebel Gilberto e Otto: atrações do Manouche, na Casa Camolese

bebel-e-otto-a

Bebel Gilberto e Otto: cantores serão as primeiras atrações da inauguração do clube Manouche, na Casa Camolese /Fotos: Reprodução Instagram

O Manouche, uma espécie de clube intimista no subsolo da Casa Camolese, de Cello Macedo e Vik Muniz, no Jockey Club, no Jardim Botânico, será inaugurado nesta quinta-feira (05/04), com show de Bebel Gilberto. Em visita ao País em meio às gravações de seu novo álbum em Nova York, onde mora há anos, ela também vai se apresentar no sábado (07/04). Já nos dias 13 e 14 de abril quem sobe ao palco é Otto. “O formato é intimista, mas a pegada segue o mesmo ritual, intensa e dançante”, diz o cantor e compositor pernambucano, que vai apresentar seus sucessos além de canções do recente álbum “Ottomatopéia”, de 2017. A programação deste mês também inclui a festa La Pompe (dia 21), inspirada no jazz cigano e um cabaré burlesco criado especialmente para o clube pelas cantoras Silvia Machete Simone Mazzer (dias 27 e 28).

O espaço tem capacidade para 95 pessoas sentadas ou 150 em pé. “A ideia é que se desça as escadas e deixe do lado de fora um tanto do pragmatismo.  Teremos um palco multifacetado, com shows, teatro, performances, poesia, exibição de filmes e, eventualmente, algumas das melhores festas da cidade, porque como dizia Pina Bausch, dancemos, caso contrário estamos perdidos”, diz Cello. A curadoria da programação é da atriz Fernanda Torres e a artista plástica Adriana Varejão.


Enviado por: Redação
21/11/2017 - 17:00

Otto vai cuidar da filha do seu percussionista, morto esta semana

Otto e Marcos Axé: cantor posta foto ao lado do percussionista e faz homenagem /Foto: Reprodução Instagram

Otto e Marcos Axé: cantor posta foto ao lado do percussionista e faz homenagem /Foto: Reprodução Instagram

O cantor Otto acaba de publicar uma homenagem em suas redes sociais, na tarde desta terça-feira (21/11), ao percussionista Marcos Axé, que morreu aos 39 anos no último domingo (19/11), depois de sofrer uma parada cardíaca, momentos antes de o cantor se apresentar no Mimo Festival, em Olinda. Otto também prometeu cuidar da filha de Marcos, a pequena Olivia, de quem é padrinho. “Um pedaço da minha alegria se foi. Um companheiro, um compadre, uma luz que há 20 anos pousou em minha vida. Fizemos uma amizade verdadeira, um amor e uma confiança, uma troca. Convivi, aprendi e mergulhei na maior pessoa que conheci… O mais vivo e alegre companheiro. Um anjo. Marco Axé, te amo e te amarei. Minha afilhada Olivia será amada, cuidada e protegida. Vai meu negão”.

Marcos Antônio Alves da Silva, autointitulado Negrito Guapo, começou a carreira na banda Lamento Negro, nos anos 1990, no bairro de Peixinhos, em Olinda – vizinho de Chico Science. Em nota divulgada na página da Prefeitura de Olinda (PMO) no Facebook, o prefeito Professor Lupércio decretou luto oficial de três dias.


Enviado por: Redação
10/11/2017 - 17:30

Diretora do MIMO destaca atrações do festival

Lu Araújo: diretora geral e artística do festival MIMO comenta sobre atrações e crise cultural /Foto: Divulgação

Lu Araújo: diretora geral e artística do festival MIMO comenta sobre atrações e crise cultural /Foto: Divulgação

Começa nesta sexta-feira (10/11), a 14ª edição do “MIMO Festival”, no Rio. O maior evento de música gratuito no país vai além dos shows e concertos instrumentais – também leva ao público mostra de cinema e uma programação educacional, com workshops de grandes músicos e fóruns de ideias. Em 14 anos, Lu Araújo, diretora geral e artística, produziu 350 shows e levou 200 exibições de filmes para mais de um milhão de pessoas em cidades históricas do país, como Olinda, Paraty, Tiradentes e Ouro Preto. Mesmo em tempos de crise cultural, Lu tenta lutar contra a maré. “A minha força se redobra diante deste desafio, mas acho importante considerar que o MIMO sempre andou na contramão da crise. Nunca foi fácil realizar um festival deste porte e com uma programação internacional tão intensa e de graça. Acredito que, em momentos economicamente difíceis, a cultura torna-se ainda mais necessária ao bem-estar das pessoas”, diz ela.

É a terceira vez no Rio, ocupando locais como a Igreja da Candelária, Outeiro da Glória, Marina da Glória, Cine Odeon e Museu da República. Entre as atrações, Criolo, Otto, o encontro dos rappers Emicida e Rael com a portuguesa Capicua no projeto “Língua franca”, o cantor e compositor baiano Russo Passapusso, o pianista Benjamim Taubkin, o cineasta e músico Emir Kusturica & The No Smocking Orchestra, da Sérvia; Mali Vieux Farka Touré, que foi considerado pelo jornal inglês “The Guardian” ‘o novo herói da guitarra africana’, entre tantos.

E como consegue fazer uma seleção tão incomum e chamar o publico? “Não cair no lugar comum é uma escolha. Não temos interesse algum em ser apenas mais um festival de música. O que de fato interessa é promover o contato do público com sons reveladores de outras culturas, a que dificilmente o público tem acesso no Brasil. No entanto, a maioria das atrações está bombando nos palcos e festivais do mundo”. O MIMO segue para Olinda entre 17 a 19 de novembro.


Enviado por: Redação