xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

“Entretenimento a dois” acessível: o portal Guia de Motéis destaca que a inflação foi mais alta, em 2016, que o reajuste dos preços cobrados nos motéis / Foto: reprodução

O portal Guia de Motéis acaba de divulgar o levantamento anual de 2016, que mapeia o preço médio dos valores mais altos e os mais acessíveis das suítes nas principais capitais do país. Direcionada para o setor, a pesquisa ressalta os pontos positivos: segundo os dados, os motéis se tornaram uma opção mais acessível de “entretenimento a dois”, considerando que o reajuste dos valores cobrados ano passado foi de 4,57% (contra 5,51% em 2015) e a inflação encerrou 2016 em 6,29%.

Mas o que chama a atenção é que, mesmo na oitava posição no ranking de aumento de preços, o Rio pratica valores mais altos que Florianópolis, que teve a mais alta variação no país de 2015 para 2016, de 6,53%. Sexo (ou o que você quiser) num motel no Rio ficou mais caro até que em São Paulo: enquanto os quartos mais acessíveis custaram para os cariocas em torno de R$ 74,71, os de São Paulo giraram em torno de R$ 51,69. Em Brasília (alguém lá pensa nisso?), a média ficou em R$ 57,60; em Florianópolis, em R$ 63,18.

De acordo com a ABMOTÉIS ((Associação Brasileira de Motéis), o Brasil possui aproximadamente 5 mil motéis que movimentam R$ 3,5 bilhões por ano. A perspectiva para 2016 era de crescer 20% em faturamento, mas com o cenário de crise os motéis tiveram uma retração de 10% a 15% e um aumento de custos em torno de 20%, principalmente com energia elétrica. O segmento espera crescimento de 5% para 2017.

Share
Enviado por: Marcia Bahia

1 comentário para "Motéis do Rio: mais caros que os de São Paulo e Brasília"

  1. 20/04/2017 - 02:08 Enviado por: Ronaldo

    É sintoma conhecido da lei de oferta e procura que todo economista conhece. O brasileiro mais chegado a esse nobre esporte é de longe o carioca, logo, as vagas nos motéis são escassas e tornam-se valorizadas. Gostar, todos afirmam que gostam, porem materializar tal preferência pela assiduidade é coisa do Rio e olha que é difícil manter-se focado convivendo com os Cabral, Pezão e Eduardos Paes da vida.