BLOG - EM CASA, por Marcia Müller

03/09/2013 - 19:00

Em casa, por Marcia Müller: Cadeiras com nacionalidade…

Adoro cadeiras. Elas são esculturas úteis e, quando ergonometricamente bem feitas, podemos passar horas e horas sentados sem sentir.

Cadeiras têm que ser atemporais, mesmo as com superdesign. O importante é terem formas que, com o tempo, não envelhecem e também o estilo não cansa.

Por isso, moda em decoração não combina …

As cadeiras francesas são superfemininas, além de entrarem em qualquer ambiente.

Do supermoderno ao romântico, elas sempre dão um charme a mais.

Nos ambientes ultramodernos, as cadeiras francesas quebram a frieza do estilo contemporâneo e, nos ambientes mais clássicos, é um complemento indispensável!

Essas cadeiras cabem em qualquer espaço e são ultrapráticas.

Mostro duas situações de projetos meus onde cadeiras desse mesmo estilo compõem ambientes totalmente diferentes: uma no quarto; outra, numa sala de estar.

Se você tem uma cadeira antiga pequena, use-a em qualquer lugar da sua casa – ela vai fazer a diferença!


Enviado por: Redação
27/08/2013 - 19:00

Em casa, por Marcia Müller: E o mundo gira…

Mapas são sempre divertidos, úteis e decorativos, além de superelegantes.

Existem muitos colecionadores que gastam pequenas ou grandes fortunas colecionando mapas antigos exclusivos, guardados a sete chaves ou expostos como grandes obras de arte. E são mesmo!

Tenho um cliente que compra verdadeiras preciosidades: mapas antigos para os quais podemos passar horas olhando e imaginando como os relevos mudaram etc..

Mapas são uma verdadeira aula de História.

Os mapas e globos antigos nos contam o passado e os atuais nos abrem portas para o cosmo…

Gosto de usar os dois!

Adoro indicar globos para os ambientes, principalmente quando são realmente usados.

Mapas ou globos não precisam estar em um escritório ou em uma sala intima. Globos podem ficar em cima da mesa de jantar, da mesa de centro e até mesmo pendurados no teto.

Já usei mapas pintados direto nas paredes, indicando a localização da casa, ou globos soltos em cima de mesas de centro.

Acho muito gostoso ficar girando um globo terrestre, imaginando a próxima viagem ou mesmo onde ficam aqueles lugares distantes e diferentes…

Mostro alguns exemplos de projetos meus onde usei esses adoráveis e elegantes objetos! O globo suspenso em cima da mesa foi no projeto da Manu Müller.


Enviado por: Redação
20/08/2013 - 19:20

Em casa, por Marcia Müller: Desenhando outra vez….

Falo sempre sobre as possibilidades de personalizar uma parede, pois considero as paredes, muros que nos cercam, fundamentais, porém sem graça se apenas nos cercam.

Adoro quando uma parede é desenhada, mesmo se você tiver uma coleção de quadros, ainda assim o desenho nas paredes (algo bem ancestral, que ficou no nosso inconsciente) faz com que o ambiente fique muito mais exclusivo e elegante.

O desenho direto na parede deve ser muito bem escolhido para a harmonia do ambiente.

Adoro desenhos em salas de jantar, sala de estar, banheiro, enfim, na verdade, na casa toda…

Gosto tanto de desenho nas paredes que algumas vezes deixo um revestimento próprio para que os donos da casa possam eles mesmo desenhar, colocar receitas, avisos etc…

Mesmo se a letra não for bonita, mas sendo sua, desenhar nas paredes torna os ambientes superacolhedores .

Se você gosta de uma frase, uma situação ou uma palavra, escrever na parede uma dessas situações transforma completamente o significado dessas palavras.

Adoro palavras soltas, ou simplesmente letras e, quando desenhadas nas paredes, elas ganham uma outra dimensão e força.

Gosto também de “tromp’loiel” , uma palavra francesa que significa enganar de vista, quando se pinta direto na parede uma imitação de um quadro etc…

Mostro algumas situações de projetos meus onde os desenhos nas paredes despretensiosamente se harmonizam e dão charme ao ambiente.

Até  mesmo aqueles que você  pode fazer e curtir.


Enviado por: Redação
13/08/2013 - 19:00

Em casa, por Marcia Müller: Cubas e formas

Como um acessório tão funcional e prático, com um conceito concreto específico, desperta a criatividade para tantas formas?

Acredito que tudo que inclui água faz com que a nossa imaginação fique maior e ainda mais curiosa. A cuba lembra fonte, uma imagem sempre lúdica e romântica.

As várias formas de usar uma cuba só fazem os lavabos e banheiros cada vez mais aprimorados e lindos.

Os metais, como as torneiras, estão cada vez mais diferenciados, e também acompanham toda a criatividade das cubas diferenciadas.

Alguns modelos são eternos e clássicos – eu, pessoalmente, adoro pias clássicas de louça com pés da Deca. Colocados de forma convencional num espaço pensado não como um banheiro, mas como uma sala de banho, ganham uma elegância atemporal.

As outras cubas desenhadas em diversos materiais, como vidro, mármore, resina, madeira, aço etc., também têm o seu lugar nos banheiros desenhados com uma total personalização, pois as cubas sob medida são específicas para o local e de tamanho exato para ele.

Ao desenhar uma cuba, é importante saber a sua profundidade, para que o jato d’água não retorne. Já vi algumas lindas pias, mas que, ao serem usadas, o banheiro inteiro fica molhado!

O importante também é a especificação da torneira – se ela for muito longa ou muito curta, tudo isso faz com que a pia, apesar de ter um lindo design, seja um lindo desastre!

Existem inúmeras marcas nacionais ou internacionais com catálogos deslumbrantes, onde as lindas cubas fazem com que nós, arquitetos, ao detalhar e especificar um banheiro, possamos escolher entre mil maravilhosas possibilidades!

Ao especificar uma cuba, deve-se verificar sempre a harmonia entre a cuba, a torneira e o espaço do banheiro. Importante como o desenho de uma cuba é o conforto físico!!!

Mostro projetos onde coloquei uma pia de vidro; outras duas esculpidas em pedra do próprio terreno da casa; uma perto da piscina; outra, na casa de hóspedes; uma outra da Valvée, como um cilindro em resina preta; e outras duas, tradicionais da Deca, com armários em baixo.


Enviado por: Redação
06/08/2013 - 18:50

Em casa, por Marcia Müller: Mesa de centro: ter ou não ter…

fotos: Marcia Müller e Patricia Thompson (composição da sala com as mesas de vidro)

Se for para seguir tendência (palavra que detesto; pior que essa, só “está na moda “), mesa de centro já era…

Mas, não acho que a casa deva seguir nenhuma tendência; aliás, casa não combina com moda, e sim com personalização!

Acredito em novos produtos, novas tecnologias de morar bem com conforto e muita qualidade.

Por isso, voltando à mesa de centro, gosto de usá-la quando a sala é espaçosa entre o sofá e poltronas, colocada para ser um apoio de tudo que se encontra ali por perto.

Mesa de centro não precisa estar no centro!

Pode ser uma peça de arte, pode ser feita de livros, um pufe, até a clássica, com uma coleção em cima.

A ideia que mais me agrada na mesa de centro é a versatilidade do uso, além da composição no espaço com o volume do sofá. Gosto muito de grandes sofás com mesas de centro em diferentes alturas e tamanhos.

Deixar espaços livres deve ser uma preocupação constante do arquiteto e do designer na ambientação; entretanto, um uso adequado e proporcional da mesa de apoio, além de ser ultraconfortável, é, acima de tudo, prático!

Mostro quatro projetos em que usei mesas de centro. Uma mesa de centro em um projeto meu em Madrid, que é uma escultura, peça da coleção da minha cliente.

Outra, bem simples, de madeira, dando uma continuação no visual descontraído. Outra, uma, na verdade, duas, bem no estilo minimalista, baixas e de vidro; apoio para jornal, revista, controle remoto, óculos, livros etc… E a outra, de madeira também, que serve de apoio para esse ambiente descontraído de leitura.


Enviado por: Redação
30/07/2013 - 18:30

Em casa, por Marcia Müller: Estante… uma adega de livros

Considero estante um dos complementos mais elegantes numa casa.

É na estante que guardamos a radiografia de quem somos: o que você lê diz o que você é!!!

Então está tudo lá… Mesmo se você não lê, mas vê livros de fotos , ou se compra livros lindos apenas pela capa ou pela encadernação, ainda assim a estante retrata nossos hábitos, memórias e costumes.

A estante pode ter todas as formas , mas o recheio é preenchido por quem a usa. Esse é o melhor lado da estante: a personalização.

Eu, pessoalmente, adoro uma estante lotada de livros, objetos etc… Quanto mais usada, mais bonita. E quanto mais cheia, mais elegante.

Uma estante também pode ser linda vazia, com um lindo design e poucos e exclusivos objetos e livros .

Comparo uma estante a uma adega de livros… Deixamos ali os livros e aos poucos abrimos e lemos ou relemos.

Ela existe desde o tempo das grandes bibliotecas que armazenavam papiros em vez de livros, e sua essência ainda é a mesma – um local de exposição daquilo que gostamos, um elemento que guarda nosso gosto.

Gosto de estante em todos os lugares da casa – no quarto, na sala de jantar, na cozinha, na sala; enfim, estante bem colocada com a proporção e o design certo não tem erro e sempre transforma um ambiente frio em local charmoso e totalmente a sua cara.

Existe lugar melhor na casa?

Mostro três projetos em que coloquei estantes em locais totalmente diferentes; uma na sala de jantar; a outra, de correr, como um painel e porta; e outra, com prateleiras em concreto e caixas de madeira sustentável.


Enviado por: Redação
23/07/2013 - 19:00

Em casa, por Marcia Müller: Uma varanda…


Herança das casas coloniais portuguesas, a varanda, nas casas tropicais, tem função tanto estética como funcional. Quando falamos numa casa avarandada, a lembrança que nos vem imediatamente é a de uma casa fresca e confortável! A varanda faz com que a insolação seja barrada por ela, além de criar um local superagradável externo .

As varandas podem transformar-se num estar da casa mais utilizado e também o mais simpático . Quando a casa não é urbana, com certeza, a varanda é uns dos lugares que mais gosto de transformar em estar, sala de jantar ou mesmo em uma circulação.

Nem todas as varandas precisam ser cobertas; em alguns casos, pode ser meia coberta. Poder utilizar uma varanda, dando a ela uma ambientação com móveis leves e que resistam ao tempo, torna a casa sempre muito mais agradável. Além de dar ao volume arquitetônico uma leveza na fachada, ao projetar uma varanda, considero sempre a posição do sol.

O importante na varanda, além da sua extensão na arquitetura, é sua função (tão bem usada pelos nossos colonizadores portugueses): ela refrigera naturalmente, filtra e transforma o sol dos trópicos!

Mostro alguns projetos em que utilizei a varanda meia coberta como circulação externa, e o formato sinuoso acompanha, em um caso, o riacho que circunda a casa e a outra, as árvores que já existiam no terreno bem antes da casa. Em outra foto, uma varanda bem urbana na cobertura, onde o pergolado de venezianas em alumínio branco móveis filtra o sol . Adoro fazer arquitetura que reconheça o lugar onde está!!!


Enviado por: Redação
02/07/2013 - 19:00

Em casa, por Marcia Müller: Sofás

Nada é mais importante do que o sofá para a nossa casa. É nele que descansamos e recebemos os amigos; e também é nele que completamos a ambientação. O sofá, por ser um objeto de grande volume, tem que estar dentro do partido arquitetônico, para ser confortável, e tem que ter um lindo desenho! Tudo isso em um só…

E pode ter certeza que, mal escolhido, não vai ser simplesmente desconfortável e ocupar muito espaço. Um sofá mal escolhido estraga uma decoração. Existem aqueles desenhos atemporais que geralmente são os de que mais gosto; não só porque não são descartáveis, mas também porque se adaptam a todo estilo.

Gosto das linhas simples e, geralmente, forrados de linho ou couro. Em algumas situações: peles ou mantas. Existem inúmeras lojas com lindos sofás para o nosso deleite, mas, importante como um colchão é provar, sentar e se jogar para conferir o conforto total. Não esqueça que, por ter um grande volume, tem que compor com o estilo da sua casa. Pergunte sempre para o seu arquiteto ou designer o tamanho, para que a proporção fique equilibrada.

Nas fotos, coloco os tipos de sofá e poltrona que considero eternas e muito elegantes, para qualquer estilo e qualquer ambiente.


Enviado por: Redação
25/06/2013 - 18:30

Em casa, por Marcia Müller: Colorir a casa!

Colorir sempre foi para nós, desde crianças, uma tarefa divertida e alegre. Também é assim quando colorimos uma casa! A princípio, quando se fala em colorir a casa, podemos até pensar em algo infantil ou, até mesmo, exagerado. Porém saiba que, com certeza, uma casa colorida é uma casa alegre. Pode ser até bem discreta e elegante e, ao mesmo tempo, cheia de cor.

Aqui, no nosso país tropical, com o tórrido verão escaldante, determinadas cores ajudam a fazer essa temperatura subir… Socorro!!! Por isso, é muito importante quando se colore uma casa e tem-se noção da sensação que as cores provocam e, é claro, do equilíbrio e elegância em usá-las. Gosto muito de colorir uma casa: nas cortinas, em uma parede, na marcenaria, num poltrona ou sofá… Na hora de usar a cor, o importante é não ultrapassar um limite!

Cores quentes, em lugares como quarto, eu não aconselho, e cores frias, em lugares como cozinha, eu também não gosto. Nos meus projetos, sempre procuro usar a cor apesar de amar materiais neutros e primários, por exemplo, linho, couro e algodão. Acho que a cor sempre traz um ingrediente importante para nossa casa – “a alegria” – e a lembrança de que vivemos num país tropical colorido e luminoso!!!

Mostro dois projetos feitos por mim. Em um, cortinas pintadas pela Mucki deram a cor que desejei para o espaço; no outro, um grande quadro de listras multicoloridas, pintado também pela Mucki, alegra a sala.


Enviado por: Redação
18/06/2013 - 19:30

Em casa, por Marcia Müller: Ainda no inverno…

O acabamento dessa lareira, no encontro com a parede, é de ferro para que o calor do fogo não fique em contato com a madeira do revestimento.

Uma bancada de concreto segue na horizontal, duas chaises na lateral. A coifa ou chaminé fica suspensa; atrás, em uma parede curva, fica o parador para as lenhas

Mesmo ainda que não tão frio assim, sentar em frente à lareira e ver o fogo aceso … Como isso é bom!! Reunir amigos em volta, tomar um vinho, tudo isso combina muito com estar feliz em casa.

A imagem da lareira acesa imediatamente nos faz lembrar de como é bom ficar em casa num dia frio, com os amigos, ou mesmo com um bom livro . Lareira complementa, aquece, agrega, e é também um excelente antimofo natural. Para as nossas casas tropicais e o nosso clima úmido, recomendo uma sempre que posso .

Projetar uma lareira requer, antes de tudo, uma técnica precisa. Aberturas e angulações, altura correta da chaminé – itens superimportantes para que a fumaça não retorne – materiais térmicos e antifogo por motivos óbvios! Mexer com fogo é bem sério; em casa então nem se fala!!

Das duas lareiras que projetei, uma é bem moderna. Uma bancada de concreto segue na horizontal, duas chaises na lateral. A coifa ou chaminé fica suspensa; atrás, em uma parede curva, fica o parador para as lenhas. Eu gosto muito de ver as lenhas de topo, uma visão que possibilita ver o nó das madeiras naturais. Amo madeira e, por isso, valorizo tudo que envolve madeira, e, nesse caso, ver as madeiras assim parece uma escultura.

Na outra mais clássica, o revestimento da parede em madeira de demolição com policromia (madeira vinda de um teto de fazenda antiga demolida) dá o diferencial à lareira. O acabamento dessa lareira, no encontro com a parede, é de ferro para que o calor do fogo não fique em contato com a madeira do revestimento.

Existem lareiras prontas em ferro para serem revestidas, já quase prontas, mas ,ainda assim, o olhar do arquiteto faz toda a diferença na composição no ambiente e no estilo. Nada, porém, se compara à sua forma pessoal e intransferível de usar e abusar desse elemento tão lúdico e confortável nesses dias de inverno tropical …


Enviado por: Redação
Página 23 de 25« Primeira102122232425