BLOG - EM CASA, por Marcia Müller

20/05/2014 - 19:00

Em Casa, por Marcia Müller: Verde Limão e Amarelo

As cores verde limão e amarelo, intensas, são do tipo “amo ou detesto”. No meu caso, amo.

Verde e amarelo são refrescantes, alegres e luminosos.

Verde acalma ou energiza, mas, acima de tudo, verde é lindo!

Gosto do verde-verde e sobretudo do verde limão. Essa cor pode ficar despojada e elegante ao mesmo tempo – com móveis clássicos, suaviza o ambiente.

O mesmo eu posso dizer do amarelo !!!

A designer que mais usa coloridos intensos com tecidos nobres como seda, cetim, linho e veludo é a inglesa Triccia Guild.

No início da sua carreira ela começou tímida, com uma coleção alegre e associada a situações externas e despojadas.

Hoje, os seus tecidos estão nos ambientes mais clássicos e elegantes do mundo. Outros designers trabalham com ela na elaboração de lindos tecidos, usando os coloridos exclusivos dela.

A coleção de Christian Lacroix para Triccia Guild é deslumbrante, as cores incríveis, os estampados e bordados simplesmente divinos…

Colocar esses tecidos em casa é um luxo !!!

Mas mesmo se você não usar tecidos exclusivos, ainda assim você pode desfrutar de uma casa super colorida e alegre.

A Suvinil tem tons lindos e pintar uma parede ou mais paredes nessas cores fica elegante e refrescante!!!!!

Acima de tudo, escolher uma cor passa por nosso gosto pessoal e, principalmente, pelo nosso humor.

Tenho experiências incríveis com clientes que, dependendo do momento em suas vidas, optaram por cores claras, neutras ou super coloridas.

Por isso, aconselho adotar, sempre, uma cor que lembre calma e alegria. Por mais que a vida mude, a casa sempre tem que estar em sintonia com os nossos melhores momentos e lembranças…

Mostro ambientes em meus projetos com cores vibrantes e almofadas da designer inglesa Triccia Guild, a que mais usa e abusa desses tons incríveis.


Enviado por: Redação
13/05/2014 - 19:04

Em Casa, por Marcia Müller: Separando ambientes

Paredes nem sempre são as melhores opções para dividir um espaço. Muitas vezes, é muito mais leve e elegante dividir um espaço utilizando um painel, móvel ou biombo.

Principalmente, se for o caso dessa distinção de ambientes não precisar ser total, ou seja, se não for necessária uma vedação de som e luz.

Num mesmo espaço você pode ter vontade de fazer uma separação entre a sala de jantar e a sala de estar, sem colocar parede ou porta. Apenas uma diferenciação, sem precisar bloquear ou separar completamente um espaço do outro.

Eu prefiro sempre assim.

Faço muito pouco uso de paredes e acho que elas são necessárias, apenas, em locais como banheiro, quartos, área de serviço (pelo vapor da cozinha e não porque é feio ver a área) .

Na maioria das vezes fica muito mais elegante, contemporâneo e prático portas-painéis, divisórias baixas ou venezianas móveis para fazer essa separação.

As portas móveis dão ao espaço uma dinâmica prática de expandir ou separar o espaço.

Hoje, a casa é móvel, assim como a vida é dinâmica: a cada momento vivemos uma situação e nos adaptamos a ela.

Assim se comporta a casa moderna: nela, um espaço se transforma para cada ocasião, nos dando possibilidades de uso em diversas formas.

Mostro um projeto meu em que a sala é dividida por um painel. Esse mesmo espaço pode ser ou não integrado a outro ambiente.

Movimento é a palavra do momento, para dentro e fora de casa…


Enviado por: Redação
06/05/2014 - 19:30

Em Casa, por Marcia Müller: Emoldurando a Vista


Valorizar uma vista é sempre muito bom e, com certeza, valoriza o projeto.

No Rio, falar em vista é quase covardia: temos ângulos deslumbrantes. Quando existe uma vista ela deve ser focada; mas quando essa vista é do Rio de Janeiro, é imperativo que ela seja priorizada.

Adoro quadros. Obras de arte personalizam a casa, contam a história e marcam a personalidade de quem mora ali. No entanto,  uma vista marca muito mais! A vista situa, localiza, ela é única e se transforma em cada amanhecer, entardecer, anoitecer…

Um quadro com vida único, uma obra prima, opção e escolha de quem mora ali.

A vista nos situa; importante, porém,  é não deixar que essa vista torne-se um tormento. Se for para se transformar num rebatedor de luz e calor, é importante repensar essa abertura. Aumentar a insolação na sua casa deve ser algo sempre muito bem analisado. Por isso, o arquiteto tem que estar atento à ventilação e posição do sol em qualquer abertura na casa.

Quando posso, valorizo sempre uma vista, e, como, carioca agradeço poder ver essa cidade!

Dividir isso com a casa é muito gostoso. Mostro alguns projetos onde a abertura que fiz destaca e valoriza vistas da Cidade Maravilhosa.


Enviado por: Redação
29/04/2014 - 19:00

Em Casa, por Marcia Müller: Plantas na vertical

Convivemos durante muito tempo com paredes e muros altos onde o único recurso para disfarçá-los eram revestimentos com cores e textura diferentes. Algum tempo atrás, uma arquiteta francesa maravilhosa chamada Andrée Putman fez uma cobertura inédita em Paris, num muro altíssimo que separava um prédio pequeno de outro. Uma cobertura vertical verde. Um majestoso jardim verde cobre um muro de 8 metros que separa um prédio de outro, transformando um pátio que poderia ser apenas um simples espaço entre duas construções num ambiente externo lindo.

Esse prédio feito pela arquiteta Andrée Putman era a antiga residência de um general americano chamado Pershing, e foi todo reformado para se transformar em um hotel de charme, que se chama Pershing Hall (foto abaixo).

Na época, foi uma sensação… Hoje essa técnica do jardim vertical foi difundida e encontrou no Brasil inúmeras vantagens além da estética. O jardim num país tropical refresca, diminuindo a temperatura em alguns graus. Um jardim bem colocado de acordo com a posição do sol pode ser umas das melhores soluções térmicas.

Nós, arquitetos, sempre temos na cabeça a posição do sol, o nascente e o poente, sua angulação no verão, pois sabemos o quanto isso interfere numa casa saudável e habitável! Com o jardim vertical bem colocado, muitas situações de mau posicionamento em relação ao sol podem ser amenizadas.

Para a instalação de um jardim vertical, existem inúmeras técnicas de sustentação das plantas nas paredes. Uma delas é um tijolo com uma forma específica de encaixe e de fixação na parede, além do escoamento da água e retenção da terra com a planta.

Na internet basta clicar “jardim vertical” e uma infinidade de opções aparecem… Aconselho sempre a ajuda de um profissional, paisagista arquiteto com conhecimento de plantas e de espaço. Mostro um projeto que fiz onde foi colocado musgo na parede divisória entre dois espaços. O musgo foi escolhido por ser um espaço úmido,  e isso deu ao local um charme, além de diminuir completamente a sensação de clausura que qualquer parede ou muro nos dá.


Enviado por: Redação
22/04/2014 - 19:30

Em Casa, por Marcia Müller: Luminária de pé

Abajur sempre foi na ambientação o toque de iluminação elegante. A luz de abajur é sempre mais agradável do que a vem do teto… Mas para usar um, era necessário um apoio, como uma mesa, hoje as luminárias de pé que promovem a mesma luz agradável não precisam desse recurso.

O abajur de pé pode ser colocado em qualquer lugar, serve ate mesmo para iluminar uma sala de jantar o que por sinal gosto muito. O uso surpreendente e criativo é sempre mais elegante que o convencional!

A luminária de pé ou o abajur de pé da muitas possibilidades e dá ao ambiente clássico um toque moderno sem agredir em nada tudo que compõe o espaço mais conservador.

Também chamadas de abajur de chão essas luminárias podem ser usadas para leitura com um foco direcionado ou para um ambiente proporcionando uma luz geral.

Existem modelos lindos como as de tripé, que podem ser modernas ou antigas. As antigas, feitas pelo antiquário Arnaldo D’anemberg com antigos pés de medidores do século passado de topografia em madeira e couro, são absolutamente incríveis e deslumbrantes.

Existem as modernas articuladas que mudam a direção do foco tem um desenho muito lindo também e geralmente são em aço inox.

O melhor dessas luminárias sem duvida é a luz que sem ser agressiva da a luminosidade elegante de um abajur. E a grande vantagem também é poder colocá-la em qualquer lugar da casa apoiada apenas no chão.

Luzes do teto requerem um projeto bem feito e principalmente discreto , aconselho um profissional da área e uma boa loja de luminárias. As luminárias de pé necessitam do seu gosto e do objeto a ser iluminado…

Mostro projetos meus onde a luminária de pé deu o charme e a iluminação necessária aonde era preciso, sem ser excessiva!!!


Enviado por: Redação
15/04/2014 - 19:30

Em Casa, por Marcia Müller: Almofadas, ter ou não ter?

Almofadas geralmente são polêmicas: muitos amam e muitos odeiam!

Na realidade, a almofada fica sempre muito bem quando realmente é necessária, e não apenas decorativa.

A almofada mal colocada pode transformar-se no oposto da sua função, que é tornar o sofá mais confortável. Já vi sofás com tantas almofadas decorativas que sentar nele se tornava um suplício!

As almofadas eram “expulsativas” e, não, decorativas. As pessoas que sentavam no sofá tiravam a maioria das almofadas. E colocavam todas no chão… Acho usar dessa forma um desastre!

Gosto de usar quando elas melhoram o visual e principalmente o conforto do sofá. Existem sofás que precisam de almofadas – eles não têm encosto; portanto, a almofada faz essa função.

Quando é necessário um mix de almofadas que não necessariamente têm semelhança com o tecido do sofá, fica sempre elegante.

Eu, pessoalmente, não gosto de almofadas com o mesmo tecido do sofá; prefiro sempre algo diferente de textura e de cor.

Gosto muito das almofadas da Tricia Guild, da loja Emporio Beraldin – são lindamente coloridas. Se o seu sofá necessita de almofadas, aproveite para fazer a diferença no ambiente.

Em algumas situações, também vale colocar as almofadas numa linda cesta ao lado do sofá e deixar que cada pessoa decida se quer usar, ou não.

Existem pessoas que odeiam literalmente almofadas mesmo que o sofá seja duro ou desconfortável. Para essas, a cesta fica prática, além de supercharmosa!


Enviado por: Redação
08/04/2014 - 19:00

Em Casa, por Marcia Müller: Local de venda

Uma loja se entende como um local de comercialização e venda de um produto… Na verdade é bem mais que isso.

Existem verdadeiros tratados bíblicos de como uma loja deve ser se comportar qual o publico como quem o produto se identifica, enfim uma infinidade de teorias formuladas pelos gênios do marketing e da venda.

Mas para mim um loja deve ser a cara do produto, assim como uma casa a cara do dono.

O paralelo da casa com a loja é a mesma necessidade de ser sempre confortável e agradável para quem usa e perfeitamente reconhecivel para o seu o seu dono! A casa tem um dono e a loja tem um produto, para eles, a atenção total!

Quando a nossa casa nos proporciona um ambiente confortável e agradável isso é um incentivo para convidarmos amigos, receber em casa se torna super agradável para todos.

Assim a loja que se identifica com o produto ou produtos, os clientes que ali estão vão desfrutar um ambiente com a cara do produto que eles foram ver e comprar. Existe uma teoria que eu adoro sobre lojas. Elas não devem parecer um local apenas de venda de produto, mas um local que se parece um pouco com a casa.

Eu concordo que lojas ultra modernas são para nós arquitetos, amantes de novidades construtivas muito bom, mas para o comprador, nada melhor que desfrutar de um ambiente calmo e que sugira uma certa privacidade na hora da compra. Para essa memória existe um ambiente melhor que de uma casa? Calma e privacidade estão no local que chamamos de lar…

A casa pode ter passado por várias mudanças assim como o comércio, mas tranqüilidade e identificação com conforto e bem estar estão nas ambientações calmas discretas e atemporais.

Para mim, elegância esta na formula perfeita e infalível da identificação casa e dono, loja e produto.

Mostro uma loja que desenvolvemos no meu escritório, que vende sapatos e outros artigos de couro, numa produção artesanal e impecável, a arquitetura e ambientação foram andar de mãos dadas com o produto.


Enviado por: Redação
01/04/2014 - 19:00

Em Casa, por Marcia Müller: Cadeira longa

Comumente chamada de “chaise longue”, essa cadeira longa e confortável tornou-se peça fundamental em toda sala de TV, de leitura, no quarto, em toda a casa… Eu já coloquei uma cadeira assim até num banheiro. Usada no século passado como divã e eternizada pela psicanálise, a cadeira-divã ou longa, além de confortável, tem esse lado lúdico e lânguido de ser.

Uma cadeira assim tem a forma charmosa e elegante. Na ambientação de uma sala, gosto sempre de completar usando uma cadeira bem confortável, além do maravilhoso e aconchegante sofá. Pessoalmente, não gosto de cadeiras altas ou muito largas como poltronas; então acabo sempre usando uma cadeira longa. Acho sua forma mais suave e, como já disse, extremamente confortável. Atualmente, a sala deixou de ser um espaço único para se receber visitas; hoje, a casa recebe, na verdade, é o dono da casa. E, para ele, todo conforto e beleza possível.

Foi-se o tempo em que os espaços eram estratificados, separados por funções; atualmente, a casa é multifuncional. Relaxamos, recebemos amigos e, muitas vezes, trabalhamos em um mesmo espaço. Por isso, ter uma cadeira superagradável para o nosso uso, seja em qualquer espaço da casa, é valido e necessário! Mostro alguns projetos onde coloquei cadeiras longas em quarto, sala-escritório – tudo para o conforto de quem usa a casa. Para o dono da casa, tudo e mais alguma coisa!!!


Enviado por: Redação
25/03/2014 - 18:30

Em Casa, por Marcia Müller: Na escada…

Escada pode ter mil e uma utilidades, porém o que a faz mais atraente é a sua forma. O objeto escada já é superlindo, e qualquer uso nela fica mais bonito ainda. A forma da escada permite muitos usos: desde cabide até mesmo uma estante.

A escada só com um lado pode ficar encostada contra uma parede e virar um apoio para vários objetos. Eu gosto muito de usar escadas nas estantes, servindo para alcançar os livros no alto. A que mais gosto de usar são as suspensas, presas às estantes com rodízios; elas fazem uma dupla imbatível de elegância.

Existem escadas antigas do Arnaldo D’ Anemberg, objetos de desejo entre 9 e 10 arquitetos e decoradores; elas compõem qualquer ambiente.

Existem as escadas modernas para estantes que podem apenas ficar apoiadas por uma pequena inclinação na sua extremidade, do designer Jader de Almeida, lindas também. Em meus projetos, complemento sempre uma estante com uma escada e, quando posso, coloco uma escada como apoio aleatoriamente, no espaço simplesmente, mas com uma forma impecável.

Mostro projetos meus onde coloquei a escada. Mostro também um projeto da Manu Müller onde a escada serve como cabide para as toalhas. Escadas modernas ou antigas, de madeira ou não, são objetos atemporais, sempre lindos e elegantes.


Enviado por: Redação
18/03/2014 - 19:00

Em Casa, por Marcia Müller: Detalhes tão importantes…

Detalhes são a finalização de tudo; sem eles, nada fica completo. Nós, arquitetos, temos a tendência de pensar no macro e às vezes deixamos o micro (detalhes) de lado. Mas um bom acabamento está nos pequenos detalhes, que vão desde um rodapé, um alisar, até um cinzeiro.

Objetos que também podemos chamar de detalhes representam a grande identificação da casa e do usuário. Através deles, pode-se contar uma historia que vai desde a personalidade ao estilo de vida de quem mora lá.

A escolha de objetos reflete, assim como os detalhes, um bom entendimento da casa e de seu proprietário. Na elaboração de um projeto, detalhamento é tudo! Sem um bom detalhamento, um projeto fica inacabado e mal feito.

Como uma receita de bolo, projeto de arquitetura de interiores ou não precisa ser impecavelmente bem detalhado. Só assim, um projeto poderá ser bem executado! Por isso, escolher objetos é também uma arte – são os pequenos detalhes que fazem a grande diferença. Eu gosto de tudo que completa a casa e que marca a presença insubstituível da personalidade do espaço.

Objetos bem escolhidos misturam-se com harmonia e completam com elegância a finalização da ocupação. Mostro, em projetos meus, acabamentos, tais como: flores, pinturas na parede de flores da Dominique Jardy, livros, pequenas mesas, relógio de pé, uma escultura e uma mesa com livros, e, ao fundo, uma estante cheia de CDs (ainda que pouquíssimo usados).

Cada um desses objetos compõe e se harmoniza com esses espaços.

Objetos dão vida, elegância e função ao espaço, assim como detalhes arquitetônicos. Sem eles, uma casa fica incompleta!


Enviado por: Redação