BLOG

20/08/2017 - 14:19

Caio Blat se derrete para Maria Ribeiro: ator filma a mulher no Festival de Gramado

b87f6799

b87f6859

No alto, Caio Blat registra cada momento de Maria Ribeiro no tapete vermelho do Festival de Gramado; no centro, o momento da chegada do casal, de mãos dadas; acima, Paulo Vilhena, Clarisse Abujamra, Maria Ribeiro e Laís Bodanzsky/ Fotos: Agnews/ Marcello Sá Barretto

No alto, Caio Blat registra cada momento de Maria Ribeiro no tapete vermelho do Festival de Gramado; no centro, o momento da chegada do casal, de mãos dadas; acima, Paulo Vilhena, Clarisse Abujamra, Maria Ribeiro e Laís Bodanzsky/ Fotos: Agnews/ Marcello Sá Barretto

Caio Blat foi o dono do momento fofo da segunda noite, nesse sábado (19/08), do 45º Festival de Cinema de Gramado, no Rio Grande do Sul. O ator registrou o tempo todo, com seu celular, as entrevistas dada pela mulher, Maria Ribeiro, na sua passagem pelo tapete vermelho. Ela é protagonista do filme “Como nossos pais”, na mostra competitiva e muito aplaudido depois da projeção.

Maria e Caio chegaram de mãos dadas, aparentando estarem numa ótima fase – em abril, rolaram conversas de que os dois estariam separados. No mesmo mês, o casal se colocou em pontos diversos no caso da acusação de assédio sexual de José Mayer pela figurinista Su Tonani – em oposição a ele, a atriz declarou: “Estou com as mulheres”.

No filme de Laís Bodanzsky, Maria Ribeiro interpreta Rosa, uma mulher angustiada em atingir a perfeição como mãe, profissional, filha, mulher e amante. Paulo Vilhena faz o papel do marido, um ambientalista que é um pai um tanto quanto ausente, viaja muito a trabalho e deixa a educação das duas filhas pequenas nas mãos da mulher. O filme estreia nos cinemas dia 31 deste mês.


Enviado por: Marcia Bahia
20/08/2017 - 12:00

Dez perguntas para: Marília Carneiro (sobre o figurino de ‘Os dias eram assim’)

marilia-carneiro_agi9_murillo-tinoco_p

Já faz algum tempo que o público de TV não se interessava tanto em acompanhar uma trama quanto em prestar atenção nos figurinos dos personagens, como está acontecendo com a série “Os Dias Eram Assim”, na tela da Globo desde abril, no horário das 11 da noite (podendo variar). Calças bocas de sino; botas de cano alto usadas com vestidos curtos, destacando bem as coxas; biquínis de crochê e óculos grandes, como os usados por Jackie Kennedy e Janis Joplin, ajudam a compor os anos 70 e 80 no Rio, de tantas aspirações pessoais e culturais cerceadas pela ditadura.

Com isso, a figurinista Marília Carneiro, culta, elegante e com muita noção das coisas, voltou a ter o sucesso que fez com as meias de lurex e as sandálias de salto fino de “Dancin’ Days” e as roupas exóticas de “Rainha da Sucata”. É outro ponto alto na carreira dessa figurinista que realmente pensa a moda – não a toa, é formada em Filosofia – e já começou em novelas da Globo inovando – na época de “Os Ossos do Barão” (1973), de Jorge Andrade, os figurinos ainda eram todos confeccionados pelo setor de costura da emissora e Marília acelerou o processo introduzindo peças prontas, escolhidas em lojas comuns e dando mais velocidade às produções.

A carioca filha de arquiteto e dona de casa, que viveu intensamente a época de “Os Dias Eram Assim”, conta, na entrevista abaixo, uma certa nostalgia desse tempo, em comparação com a perplexidade e desesperança dos dias atuais.

Foto: Murillo Tinoco

1
Qual o maior prazer com “Os dias eram assim”?

“O maior prazer é fazer sucesso, eu realmente adoro, gosto demais. Há muito tempo eu não sentia esse gostinho, de estar na rua e todo mundo falar, como tem acontecido nos últimos meses. E, para minha surpresa, achava que a crítica ia gostar, mas o público, achava que não, pelo horário flutuante e pelo tema. A série atinge 42 pontos, a expectativa seria 17 – já pra ser bom. Está todo mundo assombrado e isso é maravilhoso!”.

2
Muito aprendizado com as pesquisas? O que fica na Marília?

“Foi pra reavivar minha memória, porque vivi essa época e fiz ‘Anos Rebeldes’, também”.

3
As pessoas tinham mais sonhos e esperanças do que em 2017?

“Sem sombra de dúvida, tínhamos mais sonhos e esperanças, falando por mim também. Embora estivéssemos sofrendo muito com a ditadura, esse horror dos horrores, a gente tinha razão, motivação para lutar. Queríamos ver a democracia instalada. Hoje, temos a democracia, mas vivemos uma época de muita perplexidade e, sobretudo, de desesperança. Se eu quisesse sair à rua para lutar, não saberia contra quem ou a favor do quê”.

4
Que atriz está gostando mais de viver essa época através dos figurinos? A maioria não era nem nascida nos anos 70….

“Só a velha guarda era nascida, a série começa em 64, portanto mais de 50 anos atrás. Os jovens acho muito entusiasmados, tanto a Sophie Charlotte quanto os dois galãs, o Renato Góes e o Gabriel Leone. Já a personagem da Susana Vieira é um fenômeno: uma parte de mulheres inseguras se identifica muito – a gente não pode chamar de perua, mas é aquela grifada da cabeça aos pés, os óculos têm marca, a bolsa tem marca, o blazer tem marca. São pessoas incapazes de botar uma peça por que é bonita, como muitas mulheres, digamos, viajadas aqui do Rio”.

5
As botas de cano alto ainda têm vez hoje em dia, na sua opinião?

“Botas de cano alto são uma coisa que jamais vai sair de moda, não tem condição. Estão sempre presentes”.

6
As calças bocas de sino voltaram à moda com o nome de flare. Que peça desse tempo foi esquecida e você gostaria que voltasse a ser usada?

“Agora as calças são largas e curtas e o nome é pantacourt. Gostaria que a gola rolê voltasse a ser usada, eu sou apaixonada, mas muito difícil de comprar e de ver. Uso muito no estúdio – lá é zero grau”.

7
O guarda-roupa da carioca ficou mais minimalista por causa da crise?

“O guarda-roupa da carioca não ficou minimalista, mas o brechó eu não conhecia no Rio, era uma coisa de Paris, Londres, Nova York, São Paulo, mas agora tem um em cada esquina”.

8
Daqui a alguns anos, como você acha que os dias atuais, de governo Temer, poderão ser representados no figurino?

“Que pergunta complexa! Como isso vai bater no futuro, eu não sei, acho que a era Temer vai passar em branco, em todos os sentidos”.

9
O casal presidencial se veste bem?

“O Temer e a Marcela são passados a ferro, não têm estilo. Estilo têm, por exemplo, Obama e Michelle”.

10
Aparência é tudo, o resto é quase nada?

“Aparência é muito importante, é um código para imaginar que tipo de pessoa está ali atrás. Esse é o grande código da minha profissão. Pela minha ‘deformação profissional’ sou capaz até de saber de que bairro é um certo alguém. Uma pessoa da Gávea não é igual a uma pessoa da Barra. Uma pessoa do Humaitá não é igual a uma pessoa do Recreio. É a mesma coisa como comparar Miami a Nova York”.


Enviado por: Lu Lacerda
19/08/2017 - 18:26

Maratona de poesia para Drummond: mais de 300 participam

ana-botafogo-recita-drummond

gari-recita-drummond

casal-recitando-drummond

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

No alto, diante da estátua de Drummond, Ana Botafogo; depois, a vez do gari declamar poesias; em seguida, o casal de mineiros; acima, o subsecretário de Cultura André Marini, a atriz e diretora artística da Cidade das Artes Bel Kutner, Ana Botafogo e, à frente, a secretária de Cultura Nilcemar Nogueira/ Fotos: divulgação

Mais de 300 pessoas passaram pela estátua de Carlos Drummond de Andrade, na manhã deste sábado (19/08), recitando versos do poeta na maratona organizada pela secretaria municipal de Cultura para marcar os 30 anos da morte do mineiro, completados nessa sexta (17/08). “Infância”, “Amar”, “Itabira”, “No meio do caminho” e “Poema de sete faces” foram alguns dos poemas mais lidos, tanto por pessoas conhecidas, como a bailarina Ana Botafogo e a atriz Bel Kutner, como por moradores de Copacabana, turistas, ambulantes e até um morador de rua, que pediu o microfone para fazer, também, a sua homenagem.

Nilcemar Nogueira, secretária municipal de Cultura, leu a crônica “Cartola, no moinho do mundo” dedicada por Drummond a seu avô, publicada em 27 de novembro de 1980, no Jornal do Brasil, três dias antes de o sambista morrer. “A obra do poeta pulsa em muitos recantos da cidade e traduz muito das nossas paisagens e do nosso cotidiano. O nome de Drummond deve sempre ser lembrado com ações voltadas para a participação do povo. Foi uma manhã cheia de emoções e boas surpresas”, destacou Nilcemar.


Enviado por: Marcia Bahia
19/08/2017 - 18:01

Anny Meisler: loja toda remodelada, gim e mulher bonita

Lua Blanco e Roberta Sa

Julia Lawrence e Karla Ortiz

Renata Reis e Priscila Barcelos

Anny Meisler

DJ Marina Franco

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

No alto, Lua Blanco e Roberta Sá; em seguida, Júlia Lawrence e Karla Ortiz; logo abaixo, Renata Reis e a diretora-criativa da marca, Priscila Barcelos; na sequência, Anny Meisler, a DJ Marina Franco e a grávida Sheron Menezes/ Fotos: Miguel Sá

Anny Meisler, que forma com Rony Meisler um dos casais que mais trabalham pela moda carioca, reabriu, nessa sexta (18/08), a loja Eva no Shopping Leblon, e com um certo investimento. Com novo projeto arquitetônico, a loja tem, agora, serviços de spa, sala de maquiagem e uma sala-cofre, onde a cliente faz o pagamento longe dos olhos alheios – fica tudo entre ela, a vendedora e sua consciência. Além de chá, também é servido gim, bebida do momento – alguns goles já deixam tudo ao redor ainda mais bonito.


Enviado por: Marcia Bahia
19/08/2017 - 14:42

Festival de Gramado: João Carlos Martins dá show de regência

joao-carlos-martins-regendo-a-orquestra-sinfonica-de-gramado_k9a4565

maria-ribeiro-e-fernanda-nobre_k9a5148

paula-barreto-com-os-pais-lucy-e-luis-carlos-barreto_k9a4942

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

No alto, João Carlos Martins rege a Orquestra Sinfônica de Gramado: em seguida, Maria Ribeiro e o decotão de Fernanda Nobre; depois, Paula Barreto e os pais, Luis Carlos e Lucy Barreto; acima, Rodrigo Pandolfo, Fernanda Nobre, Mauro Lima e Alinne Moraes / Fotos: Felipe Panfili

O maestro João Carlos Martins regeu a Orquestra Sinfônica de Gramado, nessa sexta (18/08), na abertura do Festival de Gramado, em frente ao Palácio dos Festivais – o que deu oportunidade para o público em geral participar da maior festa do cinema nacional. Muitas pessoas choraram com a apresentação – que artista é o maestro! Depois, os convidados entraram no Palácio dos Festivais para a exibição do filme de Mauro Lima “João, o Maestro”. O decotão da bela Fernanda Nobre, que sintetiza, no seu personagem, as quatro mulheres de João Carlos Martins antes de sua atual, Carmem, rivalizava as atenções com a beleza de Alinne Moraes.

Todos saíram muito tocados da exibição do filme, que, segundo Mauro Lima, “foca na compulsão e na paixão do João Carlos pela música, pelo piano, e no quanto ele lutou para superar todas as dificuldades que teve pelo caminho”.


Enviado por: Marcia Bahia
19/08/2017 - 12:31

Ruy Guerra: paixão escancarada pelo cinema e pelas mulheres

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Ruy Guerra faz noite de autógrafos de livro sobre sua vida nesta segunda, na livraria Travessa do Shopping Leblon / Foto: divulgação

O primeiro livro exclusivamente dedicado ao diretor de cinema Ruy Guerra – autor dos filmes “Os Cafajestes” e “Os fuzis”, fundamentais na formação do Cinema Novo – vai ser lançado, nesta segunda (22/08), na Travessa do Shopping Leblon, a partir das 19h. O cineasta vai estar presente, com toda a sua conhecida energia: no dia seguinte, Ruy faz 86 anos muito bem vividos. A autora da biografia “Ruy Guerra: paixão escancarada” (Boitempo editorial), a historiadora Vavy Pacheco, não disfarça seu encantamento pelo biografado: “Ele viveu uma vida de romance, era um globe-trotter quando ainda as pessoas não viajavam muito”, conta Vavy, que entrevistou 150 pessoas em Cuba, São Paulo, Rio, Maputo, Paris e Lisboa para poder escrever o livro, tarefa na qual levou 10 anos.

Vavy descreve o moçambicano que decidiu viver no Brasil como um “leão doce e inteligente, mas indomado”. Ela ressalta também as qualidades de sedutor de Guerra: “Metade dos entrevistados sempre tinha uma história de Ruy com uma mulher para contar”. Como se sabe, Ruy teve  filhos com Leila Diniz e Claudia Ohana e veio a descobrir que era pai de um rapaz, Adriano, quando esse já tinha 20 anos. Um traço marcante de Ruy é sua obsessão pelo cinema: “Ele vive para filmar, pensa em cinema a toda hora e nunca fez um filme que não quisesse”, completa Vavy.


Enviado por: Marcia Bahia
18/08/2017 - 19:30

Teatro, por Claudia Chaves: ‘Fome, o musical’

img_1707

Você tem fome de quê? O que não mata, engorda. Tudo que é bom é imoral, ilegal e engorda. Na sociedade do selfie, da beleza , do bem-estar, a comida virou algo que está, literalmente, em todas as bocas. O que faz mal, o que faz bem…. E aí Paulo Tiefenthaler, em “Fome, o musical“, no Teatro Poeira, resolve abraçar, de forma bem-humorada e inteligentérrima, todas essas contradições.

Tropicalizado absoluto, como já dizia o manifesto de Oswald de Andrade, Paulo Tiefenthaler, inventor do programa “Larica Total”, engole tudo o que acontece no mundo contemporâneo e cospe um happening, onde se têm música, comida, bebida de qualidade, texto brilhante, vídeos pertinentes e a construção de uma fábula pós-moderna com uma lição totalmente do bem.

img_1706

“Vou falar sobre a nossa relação com a comida e a nossa ignorância sobre os alimentos existentes, e não sobre o tema “cozinha de guerrilha”, que era abordado no programa. FOME é o assunto! Todos sentem fome.O programa de TV foi uma experiência maravilhosa, mas agora vamos fazer outra coisa! A anarquia continua em nossas veias com muito rock’nroll, marchinha, fado, funk e mais rock’nroll!”, adianta Paulo.

É pura diversão, exatamente como as pessoas querem hoje, mas também é reflexão, questionamento, discussão pós-peça. Um carnaval em rock’nroll, com uma banda performer formada por Daniel Castanheira e Bernardo Pauleira e participação da plateia para servir, fazer caipirinhas. E, ao final, um banquete onde todos partilham a comida e a certeza de que a noite valeu.

SERVIÇO:
Teatro Poeira
Terças e quartas, às 20h30

tarja-claudiachaves


Enviado por: Redação
18/08/2017 - 18:27

Barcelona, um dia depois: vídeo do Marcelo Hicho

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Turistas e locais não deixaram de circular pelas ruas de Barcelona, um dia depois do atentado: uma maneira de reagir diante da ameaça terrorista/ Foto: Marcelo Hicho

Muita gente nas ruas de Barcelona nesta sexta-feira (18/08), um dia depois do atentado terrorista que deixou 14 mortos e mais de cem feridos. Como você pode coomprovar no vídeo gravado pelo maquiador Marcelo Hicho, de férias, na Espanha. Segundo ele, é percebido muito patriotismo nas ruas, mesma opinião do cabeleireiro Ítalo Luz. Ambos hospedados num hotel há cinco minutos das Ramblas, onde aconteceu o atropelamento coletivo.


Enviado por: Lu Lacerda
18/08/2017 - 17:00

Programe-se: agenda do fim de semana

agenda

Se você anda numa fase carente, pode ir a um restaurante no fim de semana: todos lotados como galinheiros. Aí, quem sabe?

Exposição gratuita para quem ama cultura brasileira: o CRAB (Centro de Referência do Artesanato Brasileiro), na Praça Tiradentes, no Centro, abre suas portas, nesta sexta e sábado (18 e 19/08), para visitação da mostra “Festa Brasileira: Fantasia Feita a Mão”.

Dica para comidinhas: na Lagoa, desta sexta-feira (18/08) até domingo (20/08), o Parque dos Patins fica tomado de food trucks, além de shows e atividades gratuitas, das 18h às 22h. Outra opção, desta vez para os veganos, é a “Feira Macacos Veganos”, na Rua Pacheco Leão, no Jardim Botânico, neste sábado (19/08), a partir das 12h.

Vai ter o show “Delírio no Circo”, da Roberta Sá, no Circo Voador, neste sábado (19/08), às 22h. O ingresso tem um desconto especial para todos aqueles que doarem 1kg de alimento.

Entretenimento por R$4: o Cine Joia, a partir desta sexta-feira (19/08), faz a maratona “Cineclube Surpresa Joia”, com 16 filmes. As sessões rolam de sexta-feira a domingo, até o dia 26 de agosto. Vamos?

Temperatura baixa pode ser ótimo pra fazer aquele “peeling”; depois a cara descasca….. e fica tudo igual. É ou não é?

Pra quem prefere uma coisa mais agitada, neste sábado (19/08), a festa “Realmente Som 9”, organizada por Luciano Strazzer, vai ser no Casarão Floresta, no Cosme Velho, a partir das 21h. O evento, com shows de Marcelo Callado (baterista que tocou com Caetano), do ator e cantor Mouhamed Harfouch e banda, de Thiago Montagnini (do The Voice Brasil, X Factor e Rock in Rio), e das bandas Baleia Elétrica, Difusa e Luthuli Ayodele & Julia Mestre.

Para os amantes de arte, a 21ª edição do “Circuito das Artes do Jardim Botânico”, acontece a partir desta sexta-feira (18/08). Com mais de 80 expositores de decoração, gastronomia, arte, moda, joias, artesanato, oficinas e shows – só termina no próximo fim de semana.

Temperatura mínima de 19 graus para o fim de semana, ou seja, frio polar para os cariocas – pode mandar descer o cashmere. Dependendo do lugar aonde você vá, capaz dar de cara com aqueles que só sentem frio da cintura pra cima, usando casaco, bermuda e chinelo.

Que tal um espetáculo da Deborah Colker pra este fim de semana? A coreógrafa, que foi Diretora de Movimento da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos no Rio, criou o “VeRo”, nova montagem que vai ser apresentada desta sexta-feira (18/08) a domingo (20/08), na Cidade das Artes, na Barra.

O músico Camerata do Uerê, no programa “Clássicos Brasileiros”, apresenta-se, neste domingo (20/08), no Museu de Arte Moderna (MAM), às 11h30. A entrada é gratuita.

Sobre o eclipse solar desta segunda-feira (21/08), o astrólogo Antônio Carlos Harres, o Bola, diz: “Todo eclipse total do Sol simboliza a semente de uma nova luz lançada no seio escuro da terra e que vai germinar e dar seus frutos. As tendências previstas serão válidas pelos próximos seis meses, – até 15 de fevereiro de 2018 -, quando teremos o eclipse do Sol em Aquário e um novo ciclo começa”

Ilustração: Edgar Moura


Enviado por: Redação
18/08/2017 - 15:12

Miklos: estreia de show bem acompanhado em SP, a caminho do Rio

Foto de:

Paulo Miklos fez, nessa quinta (17/08), na Casa Natura Musical, a estreia do show do seu trabalho individual “A Gente Mora no Agora”, que ele virá mostrar no Rio, na terça (22/08), no Theatro Net Rio. Adiantando pra quem não aguenta esperar até terça: o ex-Titãs cantou músicas inéditas, mais sucessos como “Isso” e “Comida”, além de versões suas para músicas conhecidas como “My Funny Valentine”, “Sangue Latino” e “Saudosa Maloca”.

Na plateia, parceiros desse último álbum, como Nando Reis, Arnaldo Antunes e Guilherme Arantes. Para esse show, Miklos se cercou de profissionais pra lá de talentosos: o tecladista e diretor musical é Renato Neto, que trabalhou com Prince, Rod Stewart, Dianne Reeves e Tim Maia. O diretor artístico é Marcus Preto e a diretora-executiva é Renata Galvão, que é, também, a namorada de Miklos. Veja fotos na Galeria.


Enviado por: Marcia Bahia
Página 2 de 2.64112345102030Última »