caca-e-merval

caca-diegues-isabel-e-artista

caca-rodrigo-e-betth

caca-e-nelida-a

Lançamento do livro "Todo Domingo": Cacá Diegues e o jornalista Merval Pereira; o artista plástico Carlos Vergada e Isabel Diegues; Cacá entre Rodrigo Fonseca e Betty Faria; Diegues e Nélida Piñon; Cacá e Djavan /Fotos: Daniel Marques

Na primeira foto, Cacá Diegues e Merval Pereira; na segunda, Carlos Vergara e Isabel Diegues; na terceira, Cacá entre Rodrigo Fonseca e Betty Faria; na quarta, Diegues e Nélida Piñon; na quinta, Cacá e Djavan /Fotos: Daniel Marques

Cacá Diegues lançou “Todo Domingo”, da Editora Cobogó nessa quinta-feira (09/11), na livraria da Travessa, em Ipanema. O cineasta recebeu fãs e muitos amigos, como o jornalista Merval Pereira, o artista plástico Carlos Vergara, Betty Faria – estrela do filme “Bye, Bye Brasil” (1979), sucesso de Diegues -, e o cantor Djavan. A publicação é uma coletânea de artigos de Cacá publicado aos domingos no jornal O Globo entre 2010 e 2017 e organizado por Rodrigo Fonseca. “Domingo é o dia em que lemos tudo sem opinião formada, confrontando com a novela dos dias de semana nosso palpite sobre o sentido da vida. Como se de nós não se esperasse lá muita coisa, como se não merecêssemos mesmo a fé de ninguém. Todo domingo a gente pensa sobre o resto da vida”, diz trecho do artigo que deu o título.

Embora o autor seja um dos mais importantes cineastas do país – fundou o Cinema Novo ao lado de Glauber Rocha – não é uma leitura sobre o tema, mas “um livro sobre o Brasil”, diz Fonseca. As reflexões de Diegues são cotidianas, a partir de notícias, leituras e filmes, ou ainda de um pênalti perdido, de eleições, ou de qualquer outra coisa sobre a identidade do povo brasileiro numa espécie de bate papo com o leitor.

“Os textos que compõe este livro prolongam não somente o desejo de pensar o Brasil, mas também refletem a preocupação em imaginá-lo e reinventá-lo.(…) Este livro é, sobretudo, um projeto de resistência contra o empobrecimento do debate, da língua, do ofício de escrever. E gera o mesmo encantamento que permeia a obra cinematográfica de Carlos Diegues”, escreveu o cineasta Walter Salles.

Share
Enviado por: Redação

Os comentários estão fechados.