07/07/2018 - 12:37

“Quanto mais eu mergulho no universo das plantas, mais acredito no poder que elas têm”.

 

Da paisagista Anna Luiza Rothier.


Enviado por: Redação
07/07/2018 - 12:34

Está rolando neste sábado (07/07) o projeto “Cãopanhão”, do Instituto Pata Real, com a doação de cães já castrados e vermifugados. É na Avenida das Américas 17701, no Recreio.


Enviado por: Redação
07/07/2018 - 12:00

De próprio punho, por Anna Luiza Rothier: “Plantas que dão sorte”

ana-luiza-rothier

“Trabalho há muitos anos com paisagismo. Nesse assunto, já fiz diversos tipos de jardins, desde uma fazenda de café tombada pelo patrimônio, cujas plantas eram catalogadas, bem como desfiles de moda, cenários para peças teatrais, vitrines de lojas, chegando ao requinte e sofisticação de montar um jardim florido em uma capela do cemitério São João Batista.

O meu dia a dia são os apartamentos, as coberturas e casas, incluindo as de campo. O mais interessante são os pedidos inusitados dos clientes; por isso me interessei e pesquisei sobre as plantas que dão sorte ou o oposto, pois elas eram um desejo constante – não só eles como também eu mesma acreditamos nessa magia. Na minha casa, não deixo de ter uma bonita árvore da felicidade, macho e fêmea, e um lírio da paz, claro! Na cozinha, sempre tenho um vasinho de manjericão e outro, de alecrim.

No paisagismo, sofremos a influência das tendências, como na moda e na decoração. No atual momento, todos querem ter, como no mundo afora, hortas caseiras. Costumo misturar sálvia, salsinha, cebolinha, manjericão, alecrim e arruda às plantas ornamentais em jardins e jardineiras, quando não temos uma situação na cozinha ou na área, favorável para isso. A espada-de-são-jorge, esta não é datada; quase todo cliente pede que a plante, seja antigamente, seja nos dias de hoje. O comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia), que foi usado demais no tempo em que comecei a trabalhar, agora está totalmente em desuso. Existem também as plantas que, digamos, devemos evitar. Não aconselho ninguém a plantar, em sua casa, qualquer tipo de cáctus, coroa-de-cristo (euphorbia milii) e as flores hortênsia e cravina – nem pensar!

Quanto mais eu mergulho no universo das plantas, mais acredito no poder que elas têm, pois, ao mesmo tempo em que são mágicas, elas são medicinais, e servem para os mais sofisticados pratos da culinária. Gosto muito do meu trabalho; através dele, abriram-se várias portas para o conhecimento humano, que me trouxe tantas lições de vida”.

Anna Luiza Rothier é paisagista (grande nome da área no Rio). 


Enviado por: Redação