05/06/2018 - 18:00

Curador da “Queermuseu” apoia mostra “Corpos Visíveis”

corpos-visiveis-b

“Corpos Visíveis”: mostra foi cancelada pela Prefeitura e organizadores recebem apoio em manifestação /Foto: Reprodução

Gaudêncio Fidelis, curador da mostra “Queermuseu: cartografias da Diferença na Arte Brasileira”, enviou uma nota em apoio à mostra “Corpos Visíveis”, nesta terça-feira (05/06), evento que ocuparia a Arena Carioca Fernando Torres, o Parque de Madureira, nos dias 8, 9 e 10 de junho, mas que foi cancelada pela Prefeitura. Durante a mostra, seria encenada a peça “O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu”, na qual Cristo é representado por uma transexual. “Depois de censurar a ‘Queermuseu’, o prefeito comete mais um ato impedindo a livre expressão num evento LGBTQI+. É lamentável que uma das cidades mais importantes do mundo cultural e artisticamente venha sofrendo consistentes ataques de uma liderança política fundamentalista, que, por motivações eleitoreiras, não aceita a liberdade de expressão”, diz o texto.

Segundo a Secretaria Municipal de Cultura, a mostra não foi cancelada pela Prefeitura, mas “pelo Processo nº 0092486-69.2018.8.19.0001, cujo espaço está com todas as atividades suspensas há cerca de um mês; não apenas a mostra ‘Corpos Visíveis'”. No entanto, Marcelo Crivella publicou um vídeo em seu perfil no Facebook em que afirmou que, na administração dele, “nenhum espetáculo, nenhuma exposição vai ofender a religião das pessoas.”

Na tarde desta terça-feira (05/06), organizadores do evento se reuniram na Praça Agripino Grieco, no Méier, para uma manifestação. Karina de Abreu, à frente da mostra, disse que soube do cancelamento a apenas quatro dias do evento. “Queremos dar visibilidade a essa censura. Recebemos um comunicado oficial nessa segunda-feira (04/06). Tivemos uma série de atividades vetadas estranhamente, muito arbitrário. Tanto a peça quanto a programação têm o intuito de dialogar, promover a convivência e atrair as pessoas para combater a homofobia. A peça fala do amor incondicional, prega os mesmos pressupostos cristãos, mas Jesus vem no corpo de uma travesti, uma classe marginalizada”.

A ativista Indianara Siqueira, da Casa Nem, de acolhimento a transexuais e travestis, também estava no protesto. “Como um prefeito não está a par dessas pastas? Elas não pegaram uma peça e simplesmente colocaram ali, não pegaram um edital e resolveram lançar… Foi tudo conversado e de repente o prefeito cancela. O Brasil é o país que mais mata LGBTI+ no mundo. Dia 28 é o dia Internacional do Orgulho LGBTI+ e temos que parar com isso e mostrar que a cidade é de todos”.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 16:40

Deborah Colker ganha o “Oscar da dança” na Rússia

gringo-deborah-e

Gringo Cardia e Deborah Colker com o prêmio Benois de la Danse, na Rússia, ao lado da brasileira Nora Esteves, a primeira brasileira no júri da premiação /Foto: Reprodução Instagram

Deborah Colker acaba de vencer o Prix Benois de la Dance, considerado o “Oscar da dança”, no Teatro Bolshoi, na Rússia, nesta terça-feira (05/06), por “Cão sem plumas”. O espetáculo também ganhou indicação na categoria compositores, por Jorge du Peixe e Berna Ceppas, e cenografia de Gringo Cardia. Aliás, Colker e Cardia chegaram na capital russa há dois dias especialmente para o evento. A peça estreou em 2017, com codireção de Cláudio Assis e tem como inspiração o poema homônimo de João Cabral de Melo Neto (1920-1999), escrito em 1950, e tem como cenário o rio Capibaribe e o sertão do Nordeste. Entre os brasileiros, apareceram ainda os bailarinos Amanda Gomes, do Ballet da Ópera de Kazan, e Daniel Camargo, do Dutch National Ballet. A propósito: “Cão sem plumas” está em turnê pelo interior de São Paulo até o fim deste mês, depois segue para o Rio onde fica em julho e agosto. Em seguida, segue para os Estados Unidos.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 16:33

“Está tudo ótimo entre nós: tanto pro hotel quanto pra ele; depois de três anos, estava na hora de partir pra outra”

 

 

De Andrea Natal, diretora do Copacabana Palace, sobre a saída do chef Kazuo Harada do restaurante Mee


Enviado por: Lu Lacerda
05/06/2018 - 15:30

Mee: Natal comenta saída do chef Kazuo Harada

kazuo-harada-e-andrea-natal

Kazuo Harada e Andrea Natal: diretora do Copacabana Palace comenta saída do chef / Fotos: Tomas Rangel (Prazeres da Mesa) e Lucas Moares

A saída de Kazuo Harada do restaurante Mee, no Copacabana Palace, nessa segunda-feira (05/06), onde estava há três anos, surpreendeu muitos cariocas, mas, nas internas, já era meio que esperado. “Só estávamos esperando o Kazuo receber a estrela Michelin. Está tudo ótimo entre nós: tanto pro hotel quanto pra ele; depois de três anos, estava na hora de partir pra outra”, diz Andrea Natal, diretora do hotel. E completa: “Tenho esperança de que ele ainda volte a trabalhar com a gente”. Assume a cozinha o português Helio Martins (ex-Eleven), que já fazia parte da equipe e, na opinião de Natal, é incrível.


Enviado por: Lu Lacerda
05/06/2018 - 15:00

Barrão e Renato Morcatti: mostra no Oi Futuro

Foto de:

O Oi Futuro lançou trabalhos de mais dois artistas plásticos dentro do programa “Arte Pública | Grande Campo”, com Barrão e Projeto Tech_Nô: Renato Morcatti, nessa segunda-feira (04/06), no Flamengo, com curadoria de Alberto Saraiva. Barrão levou à fachada do prédio de 120 m² o trabalho “3 em 1”, uma imagem enorme de uma parafusadeira com três pontas. “A ferramenta é uma ideia lúdica que liga a questão do tempo e a nossa vida corrida. Por ser realista e estar num painel público, ela também se apropria da linguagem publicitária, da sociedade de consumo e dos elementos da cidade, como um novo produto a venda”, tenta explicar Barrão. Já o mineiro Renato levou a ocupação “Passadiço” para o pátio do Centro Cultural, com desenhos e esculturas que valorizam o barro – a terra avermelhada veio do seu estado natal, Minas Gerais.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 14:34

O Skylab, restaurante do 30° andar do Rio Othon Palace, em Copacabana, vai oferecer no Dia dos Namorados (12/06), um menu romântico com direito a garrafa de espumante para os casais.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 13:11

Um olho no palco, outro na plateia

Foto de:

Quem disse que carioca não gosta de dias frios? Nessa segunda-feira (04/06), muitos foram assistir à comédia romântica “Vou deixar de ser Feliz por medo de ficar triste?”, de Yuri Ribeiro, argumento do próprio autor, com Cláudia Wildberger, casados na vida real – no Teatro das Artes no Shopping da Gávea. A plateia teve que dividir os olhares: no palco, Paula Burlamaqui, Yuri e Vitor Thiré; na plateia, Caetano Veloso, amigo da atriz, o convidado que imediatamente virou atração até começar o espetáculo. Para contar a história do casal Andrea e Daniel – ela bem mais “experiente” -, o diretor Jorge Farjalla optou por uma linguagem poética e lúdica sobre as várias fases de um relacionamento, em que o público se identifica o tempo todo. A trama é baseada no relacionamento de Yuri e Cláudia, ele, 25 anos mais novo, que resolveu contar sua experiência depois de ter convivido com a maldade das pessoas. “Depois de passar por tantos absurdos, resolvi escrever essa peça. Os olhares das pessoas são perceptíveis e também tem os desavisados, que não pensam antes de falar, e alguns perguntavam até se éramos mãe e filho”, diz ele. Para completar o elenco e o enredo bem amarrado, também em cena, o palhaço Jujuba Cantador, que toca acordeom, escaleta e bandolim ao vivo.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 12:00

Modelo baiana é retratada em painel em Nova York

paula-modelo

Paula Almeida: modelo baiana vira arte em painel pitando pelo artista irlandês Fin Dac em Nova York /Fotos: Michelle van Dijk e Reprodução

Quem passar pelo Greenpoint Terminal, no Brooklyn (que tem um clima da região do Porto Maravilha), em Nova York, verá um painel de 10 metros de altura com o rosto de uma mulher – é a modelo baiana Paula Almeida (Way Models), que foi convidada pelo artista irlandês Fin Dac. “Ele me abordou e perguntou se poderia me usar como inspiração para o próximo projeto, que, por coincidência, era em Nova York, onde estou morando atualmente. Pude vê-lo com a mão na massa, acompanhei todo o processo de criação – foi muito legal”, diz Paula, de 24 anos. Os murais de Fin são famosos por retratar mulheres de todas as etnias; a propósito, ele já assinou dois em São Paulo.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 11:49

O cantor Lucas Felix lança o EP “Juntos”, no Solar de Botafogo, nesta sexta-feira (08/06). O show vai ter clima de Dia dos Namorados, com músicas pop românticas.


Enviado por: Redação
05/06/2018 - 11:00

Em casa, por Manu e Marcia Müller: pátio interno

img_1709

Muito antes da busca pela privacidade, o pátio interno já dominava os espaços da casa; seja em civilizações bem antigas greco-romanas e até mesmo anteriormente… Antes mesmo da necessidade de voltar o olhar para uma vista mais agradável, os pátios internos tinham um valor importante na distribuição dos espaços.

patio-d

Inicialmente era voltado para insolação, respiração e circulação. Ali poderiam ser encontrados a fonte, o poço e as atividades de convivência e costumes triviais. As casas começavam a partir desse espaço aberto; hoje, um pátio interno serve para as mesmas funções.

patio-c

E, além delas, a melhor vista para uma casa sem vista, do contato com a luz e ventilação natural, a possibilidade de um espaço com vegetação para uma casa sem terreno. Em qualquer situação, área ou localização, o pátio aberto refresca e faz uma troca do ar.

patio-a

A beleza do pátio não está no tamanho, mas sim na forma como aproveitá-lo. Um pequeno espaço aberto pode ser muito mais interessante do que um grande, se for realmente bem localizado em relação à distribuição dos ambientes e bem utilizado aproveitando a possibilidade para ser um lindo jardim. Um pátio apenas sem nenhum recurso lúdico, ainda assim, é muito mais interessante do que uma casa sem ele. E, dependendo do formato do terreno, ele é quase uma necessidade arquitetônica para uma casa saudável.

patio-e

Ao contrário de se tornar uma perda de metragem, o pátio interno é a possibilidade de a casa se tornar agradável e bem aproveitada em relação à divisão dos ambientes. Ele se torna o ponto de partida, e os espaços voltam-se para ele. Oposto de um espaço excludente, ele agrega e unifica.

patio-b

Podemos ter vários elementos agregadores em uma casa: piscina, copa, cozinha aberta, sala com televisão etc …. Nada, porém, compara-se a um lindo pátio interno aberto para o céu. Pequena ou grande, essa abertura mudará tudo na sua casa!

tarja-marcia-e-manu-muller-2017


Enviado por: Redação