07/09/2017 - 17:05

O saxofonista Beto Saroldi, que pertenceu às bandas de Erasmo Carlos e Gilberto Gil e se apresentou com o Barão Vermelho, faz sábado (09/09), às 22h, o show “Sax On Fire”, no Othon Palace Hotel, em Copacabana. A música “Love Town”, com vídeo recém-lançado no Youtube, será apresentada pela primeira vez ao vivo.


Enviado por: Marcia Bahia
07/09/2017 - 17:03

Começa domingo (10/09) e vai até quarta o curso on-line sobre a cadeia produtiva da música organizado pelo escritório especializado em propriedade industrial Di Blasi, Parente & Associados e o Instituto de Tecnologia e Sociedade. O objetivo é apresentar as novas demandas jurídicas e práticas culturais do mundo musical. As inscrições podem ser feitas em: https://itsrio.org/pt/cursos/direitos-autorais-da-musica/


Enviado por: Marcia Bahia
07/09/2017 - 17:01

Nesta quinta (07/09), no Centro da Ação e Cidadania, no evento Biergarten, tem a festa “Wood’s Tour Rio”, com Pedacinho do Céu e outras atrações. Nesta sexta (08/09), é a vez do “The Jack Daniel’s Rock Stage”, com tributos a Amy Winehouse, The Strokes, Arctic Monkeys e Pearl Jam.


Enviado por: Marcia Bahia
07/09/2017 - 16:25

Festas para o povo das artes: agenda intensa na próxima semana

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Brenda Valansi e Luiz Calainho: sócios da ArtRio se preparam para agenda de festas, tanto as oferecidas por eles quanto as dos galeristas cariocas/ Foto: Murillo Tinoco

Com o início da 7ª edição da ArtRio, na próxima quarta-feira (13/09), na Marina da Glória, a cidade carioca também começa a ser tomada por festas ligadas à turma que curte artes plásticas. Nesse mesmo dia, em que o evento vai ser aberto só para colecionadores e curadores, os sócios Brenda Valansi e Luiz Calainho recebem para um brunch num iate, na Baía de Guanabara. Ainda na noite de quarta, a festa é no terraço do hotel Sofitel, em Ipanema. Na quinta (08/09), 60 convidados vão jantar no hotel Santa Teresa e depois seguem para uma esticada no Hippopotamus. As galerias Silvia Cintar, Anita Schwartz e Nara Roesler também confirmaram brunchs durante a semana e a Carpintaria vai receber para coquetel, no espaço da exposição de Adriana Varejão e Paula Rego.


Enviado por: Marcia Bahia
07/09/2017 - 15:21

Viatura clonada: cuidado com o falso Bope

075d3ca0-86ad-4670-8300-ddccf704ce71

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

No alto, o carro apreendido por policiais militares nesta quinta (07/09), num CIEP em Vigário Geral; acima, a viatura com a identificação visual que remete ao Comando de Operações Especiais/ Fotos: reprodução

A criminalidade atacou um dos últimos símbolos de segurança ainda intactos no imaginário do carioca: na manhã desta quinta (07/09), equipes do 16º BPM apreenderam, num CIEP em Vigário Geral, um carro que estava sendo clonado para ficar idêntico às viaturas que são usadas pelas tropas do Comando de Operações Especiais – Batalhão de Choque (BPChoque), Batalhão de Ações com Cães (BAC) e o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE).

A Mistusbishi L200, roubada, era originalmente branca e ainda não tinha a identificação visual característica do BOPE, força que passou a ser admirada pelo carioca com o sucesso do filme “Tropa de Elite”. A viatura pirata foi levada para a Cidade da Polícia, mas nada garante que outras falsas estejam rodando por aí.


Enviado por: Marcia Bahia
07/09/2017 - 13:30

Margareth e Elba na “Lavagem da Madeleine”, em Paris

baianas

“Lavagem da Madeleine”: figurino usado pelas baianas em Paris para o evento / Foto: arquivo site Lu Lacerda

A 16ª edição da “Lavagem da Madeleine”, em Paris, que, até agora, era como na Bahia (um dia e pronto), a partir deste ano, mudou: vai ser num fim de semana inteiro, levando um pouco da cultura brasileira.

Vai constar o Village Brésilien, espaço dedicado a design, música e gastronomia (neste caso, coxinha, empada, pão de queijo e muita caipirinha), além de um espaço de artesanato, sob a curadoria de Paula Saady e, ainda, participação de artistas plásticas como Rita Lessa e Tula Moraes. Dois shows acontecem: nesta sexta (08/09) abrindo o evento, Margareth Menezes e no sábado Elba Ramalho, assim como apresentação de DJs.

No domingo, a tradicional procissão nas ruas, com as baianas até as escadarias da igreja de La Madeleine, para o ritual da lavagem, como na igreja do Nosso Senhor do Bonfim, na Bahia. A lavagem, criada pelo baiano-francês Robertinho Chaves, que tem como madrinha a apresentadora de TV Cristina Cordula, já é tradição entre os brasileiros que vivem na capital francesa e, ainda, com os que amam o Brasil. Não são poucos!


Enviado por: Lu Lacerda
07/09/2017 - 12:00

Sons do candomblé e da umbanda no Municipal: 2ª noite do Harmonia

dsc_0973-carlos-malta-ellen-oleria-e-diogo-nogueira-festival-harmonia-set-2017-cg

dsc_0438-daniel-gonzaga-renata-guerra-e-rodrigo-rezende-festival-harmonia-set-2017-cg

dsc_0425-geraldinho-magalhaes-renata-moema-carlos-malta-renata-guerra-e-robertinho-silva-festival-harmonia-set-2017-cg

No alto, Carlos Malta, Ellen Oléria e Diogo Nogueira; no meio, Daniel Gonzaga, Renata Cordeiro Guerra e Rodrigo Rezende; nesta foto, Geraldinho Magalhães, Renata Moema, Carlos Malta, Renata Cordeiro Guerra e Robertinho Silva / Fotos: Cristina Granato

Um dos discos mais importantes da MPB, “Os afro-sambas”, de Vinicius de Moraes e Baden Powell, foi interpretado integralmente, nessa quarta (06/09), no palco do Theatro Municipal, dentro da programação do Festival Harmonia. A noite foi ainda mais bonita, por ser também beneficente: Renata Cordeiro Guerra, do Instituto Todos com Felipe, à frente do evento, vai direcionar o valor da bilheteria para a reforma da ala infanto-juvenil da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR) e para a implantação do projeto de ambulatório Oftalmo-Pediátrico no Hospital da Gamboa.

Os cantores Diogo Nogueira e Ellen Oléria, o baterista e percussionista Robertinho Silva, os violonistas Luiz Bueno e Fernando Melo, do Duofel, e o multi-instrumentista Carlos Malta, fizeram um espetáculo com energia e bom astral.

O festival, com curadoria de Geraldinho Magalhães, tem produção cultural de Rodrigo Rezende (Moleque Produções, fundada por Gonzaguinha nos anos 80), e prevê mais uma apresentação em novembro. Em julho, a primeira edição reuniu Lenine, Roberta Sá, Trio Capitu e Carlos Malta & Pife Muderno.


Enviado por: Redação
07/09/2017 - 11:00

Pé na Jaca, por Karen Couto: ‘Tapeio’ japonês, você não gosta?

picmonkey-collage

No sentido horário: usuzukuri, que são fatias finas de atum com molho ponzu; sushi lagostins; lula grelhada com molho teryaki; dupla de Gunkan, salmão e gema de corna / Fotos: reprodução do “Site Sou Leblon”

A Rua Humberto de Campos, no Leblon, tá virando a nova Dias Ferreira. Até que enfim, poderemos variar de locação, e, se o nosso querido novelista Manoel Carlos explorar a promissora rua em sua próxima novela global, aí mesmo é que ela vai bombar.

O primeiro boteco japonês, seguramente, surgiu no Japão, há milênios – literalmente. Tempos depois, inspirados por essa rica cultura, o gênio Ferran Adrià e o também chef de cozinha Albert Raurich abriram o Dospalillos, em Barcelona (sou absolutamente louca por esse restaurante). Depois, tantos mais foram surgindo no mundo inteiro – nós agradecemos.

O nome Pabu Izakaya não é por acaso. Izakaya é, como os orientais daquele lado do mundo chamam, os “gastopubs” (pabu). Por curiosidade, Izakaya significa “ficar no saquê shop”. À época, a bebida majoritariamente consumida era o saquê – filtrados, não filtrados, doces, secos, dentre outros. Entretanto, com o sucesso atual dos whiskies japoneses, eu faria uma degustação. Juro que a ressaca, quando há, é minima.

img-pabu-izakaya-novo-buteco-japones-1132x670

A iniciativa é dos chefs Erik Nako e Cristiano Lanna, além de Eduardo Preciado do Minimok (um dos meus preferidos do Rio quando o Ohata ainda estava por lá – preciso voltar para conferir) e o chef Luiz Santos. O cardápio do Izakaya surpreende por não ter se deixado contaminar pela ocidentalização equivocada de alguns estabelecimentos, que se autodenominam restaurantes japoneses. Peixes menos triviais – buri, serra, piraúna, por exemplo – são cuidadosamente preparados, além dos clássicos atum e salmão. O porco à milanesa poderia teletransportar você a qualquer restaurante especializado em Tonkatsu, no Japão. A barriga de porco, também sugiro não deixar passar. Se você, como eu, é da turma dos sashimis, são 15 cortes de 5 variedades. Dupla de gunkan de atum com gema de codorna e sal de matcha, temaki de enguia, Usuzukuris (robalo e buri) – sou fã, gyozas, Ramen (massa fresca feita na casa), etc, etc, etc!

A carta de saquês é incapaz de deixar alguém com sede (apesar de eu ficar sedenta só de pensar). Whiskies, cervejas artesanais e drinks – confesso que não são meus prediletos, mas destaco o Osaka negroni com Shochu (destilado japonês), shoyu, além dos demais ingredientes.

O arquiteto Ricardo Guimarães acertou em cheio, ambiente agradabilíssimo com um balcão em forma de “U” que possibilita a experiência de acompanhar o belo preparo de pertinho. Outro detalhe observado: o cuidado na escolha da cerâmica onde são servidos os pratos é admirável.

E o final feliz? Tradição com sotaque nipônico: mousse de chocolate com gengibre e Shochu, pudim de Matchá, crumble e morangos! Em português bem claro, “Afe Maria”!

DROPS INFORMATIVOS
Pabu Izakaya

Rua Humberto de Campos, n. 827, Leblon, Rio de Janeiro.
Tel.: 3738-0416

tarja-karen-couto-2017


Enviado por: Redação