10/07/2017 - 22:12

Falabella, enredo da Unidos da Tijuca, pede desfile ‘leve e com muito humor’

Miguel Falabella / Foto: Agnews/ Marcello Sá Barretto

Miguel Falabella esteve na quadra da Unidos da Tijuca para acompanhar a entrega da sinopse do enredo aos compositores da escola / Foto: Agnews/ Marcello Sá Barretto

Miguel Falabella esteve, nesta segunda (10/07) à noite, na quadra da Unidos da Tijuca, para acompanhar a entrega da sinopse do enredo “Um coração urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem” aos compositores. O ator e diretor, que já foi carnavalesco e vice-presidente da Império da Tijuca e desfilou por 20 anos na Sapucaí, disse que ser homenageado por uma escola “é a maior homenagem que um artista, neste país, pode receber, a mais sincera e bonita”.

Falabella pediu aos carnavalescos da escola – Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo – um desfile leve e, aos compositores, um samba com muito humor, justificando que sempre falou com o povo, numa linguagem simples e direta. “Foi uma escolha minha ser artista popular”, acrescentou. Segundo a sinopse da azul e amarelo ouro, o desfile vai ter, na abertura, “O pequeno príncipe em sua ilha mágica”; no setor 1, “O vento do teatro é o vento da magia; no setor 2, “Um coração urbano: o mundo das palavras”; no setor 3, “A máquina de fazer doido: a televisão”; no penúltimo setor, “Os encantos dos musicais”; e, por fim, “Os bacantes carnavalescos”.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 20:00

Alta Ajuda, por Anna Sharp: Rejeição!

stock-photos

Nosso cérebro atua como um computador que começa a ser programado ainda na vida intrauterina. Nessa fase, o feto, diretamente ligado à mãe, recebe através do sistema nervoso todas as informações do que a mamãe está sentindo.

– Se a mamãe briga com papai e fica triste, ou nervosa e ansiosa, essas emoções chegam até o bebê em formação.
– Se a gravidez é um peso, ou vem no momento inadequado, também o feto assimila a rejeição ainda que temporária.
– Se é uma gravidez que provoque culpa através de uma situação social inconveniente, ou do desagrado do companheiro…

Enfim, mil situações diferentes podem programar o computadorzinho virgem de forma distorcida, todas elas gerando uma programação de rejeição.

Rejeição:(do lat. rejectione)

Ato ou efeito de rejeitar (Lançar fora; largar, lançar de si). Fenômeno em consequência do qual um organismo elimina um enxerto, dada a incompatibilidade entre os tecidos desse organismo e os do organismo de que provém o enxerto.

(Inegavelmente é a descrição de um parto…)

E, finalmente, chega o momento do parto, normalmente temido pelas dores inevitáveis na maioria dos casos. A própria contração final é chamada de expulsão…

E chega o momento da separação. Para o computadorzinho, ainda sem o intelecto formado e que apenas registra o que sente, deve ser muito doloroso esse momento. Pendurado de cabeça para baixo, leva palmadas para chorar e respirar; é esfregado, examinado e tocado, muitas vezes brutalmente, por mãos estranhas (nem um pouco preocupadas com seus sentimentos), interessadas apenas em examinar o seu corpinho.

Muitas deformações físicas e psíquicas posteriores são decorrentes desses primeiros instantes. E em seguida, o inevitável processo de socialização na primeira infância:

“Fale direito com sua avó…”
“Ai, Ai, Ai, se fizer isso de novo mamãe não gosta mais de você…”
“Não me atrapalhe, menino, não vê que estou ocupada?”

Quantos milhares de frases, aparentemente inofensivas, que, na realidade, não traduzem os verdadeiros sentimentos, são desastrosamente introduzidas em nosso computador mental, que as absorve rapidamente como um mata-borrão!

À medida que nos desenvolvemos e que nosso racional começa a atuar, costumamos rir dessas situações passadas. Ledo engano! A informação (gravada através do emocional)  aparecerá com mil disfarces na vida adulta: todas elas traduzindo o medo do abandono ou rejeição até em situações normais, onde supostamente o amor está presente!

E passamos o resto de nossas vidas fugindo e nos defendendo dessa doída sensação…

tarja.annasharp


Enviado por: Redação
10/07/2017 - 18:30

Bolsas pra lá de personalizadas: lançamento em Paris

f6b0ad9e-dd39-4503-be72-267798a65ac4

66b3e7b9-ca7a-4d17-a77e-530fac561c21

f31029f9-2fc3-47e2-8aba-f42f36ddf627

Vincent Chevance, Jennifer Noble e o filho do casal, Christian Pedrini; em seguida, Andréa Furco, Paulo Pereira e Paula Saady; depois, Nico Bafometto, Marina Giuberti, e Renata Gouvêa; acima, Jennifer Noble e Zaida Brígido / Fotos: divulgação

Vincent Chevance, Jennifer Noble e o filho do casal, Christian Pedrini; em seguida, Andréa Furco, Paulo Pereira e Paula Saady; depois, Nico Bafometto, Marina Giuberti, e Renata Gouvêa; acima, Jennifer Noble e Zaida Brígido / Fotos: divulgação

A ex-modelo americana Jennifer Noble, casada com um francês e vivendo em Paris, acaba de abrir um atelier-boutique em local bem reservado, em Saint-Germain-des-Prés. Ali, você pode encomendar uma bolsa exclusiva, em vários tipos de couro, no modelo e cor desejado. A tendência vem crescendo entre as europeias: elas estão achando que as bolsas das marcas mais conhecidas estão ficando despersonalizadas em excesso. Nesse fim de semana, Jennifer fez um coquetel e convidou blogueiras brasileiras para conhecer a marca Iris Noble.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 18:16

Ricardo Amaral lança o livro “Anos 40 – Quando o mundo, enfim, descobriu o Brasil”, nesta terça (11/07), pela Rara Cultural, na Argumento do Leblon, às 19h. A pesquisa é de Renato Lemos, Bruno Agostini, João Baptista Ferreira de Mello, João Perdigão e Raquel Oguri e mostra curiosidades sobre Getúlio Vargas, a construção do Maracanã, o início da Kibon e da Coca-Cola, a criação do brigadeiro, malandragem, festas e muito mais.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 18:13

Nesta terça (11/07), tem conferência de Valéria Lamego na Academia Brasileira de Letras, no ciclo “Cadeira 41”. A palestra tem como título “É quase tudo ficção: Lúcio Cardoso e o crime do dia”.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 18:11

Lenine leva a turnê “Carbono”, este sábado (15/07), para Teresópolis. O show do artista pernambucano, no Paradise Garage, começa às 23h. Os ingressos estão à venda pelo site www.paradisegarage.com.br


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 18:02

Brice Rocquefeuil, cônsul da França em seu último 14 de julho no Rio – ele está deixando a cidade em agosto – convida para um coquetel, sexta (14/07), ao meio-dia, no Museu Nacional de Belas Artes. Será a abertura das exposições “Diálogos Contemporâneos” e “Missão Francesa”.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 18:01

Em todas as terças de julho, Raphael Ghanem apresenta a peça “Terceiras Intenções” no Teatro Café Pequeno, no Leblon, às 22h. O espetáculo, escrito, dirigido e interpretado por ele, mistura comédia e interações com o público, com muito improviso.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 17:00

Dez horas de festa no Copa: piscina reabre em 45 dias

Foto de:

Construída em 1934, 11 anos depois da inauguração do Copacabana Palace, pela primeira vez a piscina do hotel foi – totalmente esvaziada – palco de uma festa nesse domingo (09/07). Mais ou menos 900 convidados, de muitos perfis (moda, arte, música, gastronomia etc.) festejaram o início das obras de reforma, que não vai durar tanto assim: uns 45 dias, no máximo. Andrea Natal, diretora do hotel, em parceria com a Party Industry, de André Barros, cuidou de todos os detalhes: no caminho para a festa, o convidado andava sobre-alguém-nadando, vídeo de Maritza Caneca, a artista das piscinas, com curadoria de Vanda Klabin – todo mundo achou incrível!

Ao longo, muitas surpresas, além da lua que apareceu no fim da tarde: banda de música, comidas do hotel, o que nunca tem erro: dadinhos de tapioca, bolinhos de bacalhau crocantes, miniempadinhas, tudo servido em cones de papel com desenho da fachada do Copa de 1923. Na varanda com vista para o mar de Copacabana, as famosas espreguiçadeiras. Enquanto isso, Fernanda Montenegro muito cumprimentada. E surge Taís Araújo, linda, para fazer sua parte – a atriz é a capa da edição da “Marie Claire” de julho, lançada durante o evento.

Na decoração de Daniel Cruz, em azul e branco, com muitas boias salva-vidas e barquinhos foram usados como coolers de cerveja. Os garçons (de enlouquecer!) estavam com calção de banho florido, enquanto os mixologistas vestiam toucas e óculos de natação.

A festa teve duração de dez horas, com os DJs Mary Lou, Papagaio, Rapha Lima e Lucce e os meninos do Mea Brass Band. Depois, esticada no MEE, restaurante asiático do Copa, premiado com uma estrela no Guia Michelin. Veja fotos na Galeria.


Enviado por: Marcia Bahia
10/07/2017 - 15:26

Bisneta de Augusto Malta faz segunda abertura de mostra sobre os EUA

otto-azevedo-anna-gabriela-malta-e-virginie-siuffo-2

anna-gabriela-malta-anna-backheuser-e-nadia-nightingale

ana-luiza-cardoso-e-anna-gabriela-malta

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

No alto, Otto Azevedo, Anna Gabriela Malta e Virginie Siuffo; logo abaixo, Anna Gabriela Malta, Anna Backheuser e Nadia Nightingale; depois, Ana Luiza Cardoso e Anna Gabriela Malta; acima, Lucca Malta e Tânia Xavier Lima / Fotos: Antonio Kampffe

Bisneta de Augusto Malta, considerado um dos fotógrafos mais importantes que o Brasil teve entre o fim do século XIX e início do XX, Anna Gabriela Malta fez, nesse domingo (09/07), a segunda abertura da mostra de fotos “Uma janela para a América”, no Kariok Hostel, na Glória. A estreia foi na terça-feira, 20 de junho, quando caiu aquele temporal fatídico: muitos dos amigos não puderam ir e Anna resolveu fazer outro vernissage.

Vale a pena ver e rever a mostra: Anna passou três meses viajando de trem pelos EUA, em 2013, fazendo fotos documentais e retratando o americano comum. Ela fazia sempre a pergunta “O que é a América para você?” e pedia que a pessoa resumisse a resposta num desenho, citação de filósofo ou frase num quadro negro. Para finalizar o trabalho, Anna voltou no início deste ano e notou muita diferença. “Com Obama, ouvi muita reclamação de estudantes endividados, mas, com Trump, eles estão iguais à gente – perdidos, sem nenhum lema, e o preconceito crescendo. É como se uma minoria raivosa tivesse assumido o controle do país”, conta.


Enviado por: Marcia Bahia
Página 1 de 212