14/05/2017 - 17:00

Beth Winston comemora Zé Ronaldo

Foto de:

Beth Winston, chamada por muitos de “mecenas social”, ofereceu jantar na sua linda casa, festejando Zé Ronaldo Muller, para 60 convidados, de ambos os lados. Um deles dizia: “Que casa incrível, pena ser na Barra”; já outra respondia: “Mas ser na Barra é o melhor: brisa maravilhosa e melhores praias do Rio“. Nessa indefinição, existem poucos endereços na cidade carioca para comparar.

A decoração surpreendeu muita gente ao perceber ali a sofisticação de Antônio Neves da Rocha, que normalmente assina festas de casamentos. Muitos não sabiam que Neves da Rocha estaria dando atenção a eventos mais fechados. Se a pessoa for pagar o equivalente, por que, não? É proporcional!

Zé Ronaldo, que fez aniversário recentemente, adorou a homenagem: ótimo champagne, ótimo DJ, ótimo menu – comida árabe de Madeleine Saade quase matou todos de prazer, incluindo aí o padre Jorjão, levado por Liege Monteiro e Luiz Fernando Coutinho. Na verdade, o champagne era Crystal – poucos servem ultimamente no Rio. Não estou falando da turma da Lava-Jato, por favor! A propósito, o delegado da Polícia Federal, Jorge Pontes, estava lá – com a namorada, Lilibeth Monteiro de Carvalho. 

Beth e o homenageado se adoram – a tia dela, Martha Winston, era amiga do pai dele, o estilista Zé Ronaldo (mesmo nome do filho); no passado, frequentavam juntos a praia de Copacabana. Nesse clima, foram horas e horas, todos se deleitando com a gentileza da anfitriã! Veja fotos na Galeria!


Enviado por: Lu Lacerda
14/05/2017 - 12:01

Citação do dia

“Eu arriscaria a dizer que, hoje em dia, é menos prejudicial vazar uma operação num boteco do bas-fond do que numa antessala ministerial em Brasília. Não enfrentamos criminosos marginais, mas sim malfeitores nucleares”

 

Do delegado da Polícia Federal Jorge Pontes, falando ao site sobre a falta de blindagem da Polícia Federal


Enviado por: Marcia Bahia
14/05/2017 - 12:00

Oito perguntas para: Ronaldo Fraga, estilista

18209256_1239649099490663_975504791055177101_o

Nesta segunda (15/05), no Theatro Municipal de São Paulo, pela primeira vez um profissional de moda será homenageado pela Associação Paulista de Críticos de Arte. O mineiro Ronaldo Fraga vai subir ao palco como “Estilista do Ano”, uma distinção que eleva a moda nacional ao patamar das outras manifestações culturais como o cinema, teatro, artes plásticas e televisão. “Minha alma está em festa”, conta Ronaldo, que fez um desfile, em outubro do ano passado, na São Paulo Fashion Week, que em muito contribuiu para ele receber esse título.

Com o título de “El día em que me quieras: uma música, um vestido, muitas histórias”, Ronaldo colocou na passarela 28 modelos trans para, delicada e genialmente, denunciar a transfobia. Todas usavam um modelo de vestido bastante feminino e muito parecido, numa alusão à roupa que cada uma vestiu depois de assumir sua sexualidade. “Eu falo de amor, de resistência, de olhar para os invisíveis”, disse Fraga, que já foi considerado pelo Design Museum de Londres um dos sete estilistas mais inovadores do mundo. 

O mais emocionante dessa trajetória é que Ronaldo tem paixão pelo Brasil do interior e por um país mais idealizado, onde as distâncias sociais eram menores – “o filho da empregada brincava na rua com o filho do médico” – e que ele conheceu na infância. São essas referências que ele mantém e expande para além da moda convencional: Fraga também é figurinista de teatro e de balé, escritor, ilustrador e autor de livro infantil.

1
Ronaldo, para você, que sempre viveu a moda como cultura, o que significa receber o prêmio de “Estilista do Ano” da Associação Paulista de Críticos de Arte? 

“Foi uma surpresa muito grande. Na hora, lembrei-me de um professor que eu tive. Ele falava pra nós, alunos: você sabe que vai passar fome? Isso, há 30 anos atrás. Quando soube desse prêmio, voltei no tempo. Dos anos 90 pra cá é que a moda se tornou mais palatável. Fui muito hostilizado no início. Sempre tive dificuldades dentro do setor, que não se vê como um vetor cultural”.

2
Dá pra viver bem de moda? Estou falando de grana mesmo…

“Tenho 50 anos, dois filhos, família e vivo da minha profissão. Quando me pedem conselho, digo: Não aprisione a moda em roupa ou a roupa em moda. Já vi e ouvi colegas dizendo que só fazem roupa. Na verdade, o prêmio tem um ineditismo pro setor. Novos estilistas não vão ser constrangidos, como eu fui, um dia”.

3
Como você vê a moda atualmente no Rio, onde a economia está tão mal?

“O Rio sempre foi a síntese do Brasil, e toda crise de consumo é baixo astral, não é só no Rio, é no país inteiro, talvez no Rio esteja mais em forma bruta. Os cariocas são quem mais têm humor e jogo de cintura pra seguir em frente”.

4
Pessoalmente, como você concilia nas suas produções o consumo consciente? É possível vender sem estimular o consumismo? 

“Aí entra o Rio de novo, pela própria história. As pessoas estão sempre agarradas à glória de duas décadas atrás, quando ainda se enriquecia de com uma fábrica de jeans ou de biquíni, nos anos 80. Isso não vai acontecer mais. Mais do que nunca é preciso ter vocação e paixão. Aquela história de ‘Vou montar uma confecção pra minha mulher parar de encher o saco’, não existe mais no mercado. O concorrente, hoje, é o mundo”.

5
Você disse que considera uma parte da atual geração de jovens muito passiva e aconselharia, para eles, o trabalho social. É isso mesmo?

“Vejo muita gente com uma passividade incrível, sem estar habituada ao trabalho. Acha que é chegar na frente do computador depois de ter estudado fora. Não é assim, precisa entender todas as fases do processo. É preciso técnica e história – a história que a roupa carrega!”

6
Você já levou modelos trans e velhos para a passarela. Qual é o próximo tabu a ser quebrado?

“Ah, tem tanta coisa! Pra mim, a moda é o retrovisor do tempo. Tem muito a ser dialogado: literatura, gastronomia e transfobia. Vem aí um documentário (ficou lindo!) com as pessoas que participaram desse desfile. Olha aí a moda se manifestando!”

7
As eleições presidenciais de 2018 já te angustiam desde agora? O que seria o pior cenário, principalmente para o povo da moda e das artes? 

“O  momento é difícil e tenebroso, estamos no meio do túnel, mas sou otimista só de raiva. Acho que essa era política vai terminar e gente do bem vai aparecer para a política, que, atualmente, só tem pilantra. Não sei se estou tendo uma visão utópica”.

8
Dá pra ser feliz no Brasil?

“O mundo inteiro está um caos. Seu tempo é aqui, tem que fazer aqui. Outro dia, num almoço, perguntei: Quem aqui doa um dia do seu trabalho para o outro? E veio o silêncio”.


Enviado por: Marcia Bahia
14/05/2017 - 10:12

O artista plástico carioca Marcos Duprat abre, nesta terça (16/05), a exposição “Memórias Sobre Papel” no Museu Nacional de Belas Artes. A mostra é um panorama em mais de quatro décadas dos desenhos do artista, que foi embaixador do Brasil em Tóquio e no Nepal.

Enviado por: Marcia Bahia
14/05/2017 - 10:09

Neste domingo (14/05), tem feijoada de Dia das Mães no Brisa Restô, restaurante do Grand Mercure Rio, na Barra. Das 12h às 15h, com opções de saladas e samba ao vivo.


Enviado por: Marcia Bahia
14/05/2017 - 10:07

Neste domingo (14/05), a chef Isis Rangel estará no Prosa Na Cozinha, no Jardim Botânico, das 12h às 17h, para servir pratos baianos num almoço especial de Dia das Mães.


Enviado por: Marcia Bahia
14/05/2017 - 10:03

O XII  RioHarpFestival  apresenta três programas gratuitos neste domingo (14/05), comemorando o Dia das Mães: concertos no Forte de Copacabana, às 13h, com os músicos espanhóis Angélica Salvi e Tocho Vasquez; na Ilha Fiscal, às 15h, com transporte em escuna cedida pela Marinha para ver o harpista Lucas Zaracho; e às 19h no CCBB, para o recital de Ammy Mcallister.


Enviado por: Marcia Bahia
14/05/2017 - 10:01

O Rio se transformará na capital das startups dia 27, ao receber um dos maiores eventos para empresas desse segmento no Brasil, o Accelerator Day. Em São Paulo, ele já reuniu mais de 2,5 mil pessoas interessadas em aprender como criar startups numa programação com dez horas de duração, e que propõe ideias sobre inovação e empreendedorismo. Vai ser no Royal Tulip São Conrado, das 9h às 19h. Os ingressos podem ser adquiridos no site do evento, em www.acceleratorday.com.br/rio/


Enviado por: Marcia Bahia